Menu
mutantes
quinta, 21 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Planeta Terra conserva boa parte do calor primordial, da sua formação

18 Jul 2011 - 17h00Por Revista Veja online

Formada há mais de 4,5 bilhão de anos, a Terra ainda pode passar um bom tempo resfriando. De acordo com um estudo japonês publicado na Nature Geoscience, apenas metade do calor interno de nosso planeta deriva da radioatividade natural. O resto é resultado do calor primordial emitido durante a formação do planeta, em que uma grande ‘bola’ de gás quente, poeira e outros materiais foram condensados. 

A radioatividade natural é a energia que pode ser detectada na superfície terrestre e proveniente de raios cósmicos e de radiação solar ultravioleta. Em montanhas e rochas, elementos radioativos como o urânio-238, urânio-235, tório-232, rádio-226 e rádio-228 contribuem para a emissão de radiação. Isso ocorre quando um átomo tem um núcleo muito energético e tende a se estabilizar, emitindo o excesso de energia em forma de partículas ou ondas (radiação). 

A energia primordial refere-se ao que sobrou do processo pelo qual a Terra foi formada. Acredita-se que o planeta foi originado pela acreção (união) de partículas de nuvens de gases que se colidiram por efeito da gravidade. Neste processo, a temperatura foi elevada progressivamente. Materiais foram então diferenciados (ferro e níquel foram condensados no núcleo, materiais de média densidade passaram a ocupar o manto e silicatos pouco densos formaram a crosta) e o calor foi acumulado no interior do planeta. 

Embora se saiba que parte da energia primordial tenha sido conservada no núcleo, o trabalho é um dos poucos a estimar diretamente a quantidade de energia radioativa produzida no interior da Terra. A descoberta é o resultado de experiências realizadas dentro de uma montanha no Japão, onde pesquisadores usaram geoneutrinos – partículas produzidas de diferentes formas, particularmente durante certos tipos de decadência de radioatividade. 

Ao identificar o ritmo da radioatividade ‘natural’, pesquisadores agora podem prever o resfriamento da Terra – bem como determinar quanta energia foi perdida no passado. Os dados também podem dar pistas sobre como, e em que velocidade placas tectônicas se movimentaram ao longo dos anos. Placas tectônicas são um meio pelo qual o calor é emanado de dentro para fora da Terra e podem indicar inclusive a taxa de atividade vulcânica. 

Tanto a radioatividade interna quanto o calor primordial irão diminuir nos próximos anos. Até agora, a Terra está resfriando em 100 graus Celsius por bilhão de anos. Isso significa que em alguns bilhões de anos o Sol, já moribundo, irá emitir raios derradeiros sobre uma superfície terrestre praticamente congelada. 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança