Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 15 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Pelo 3º ano consecutivo, MS é estado mais violento para índios

30 Jun 2011 - 10h47Por Campo Grande News

Desde 2008, Mato Grosso do Sul é destaque no Relatório de Violência Contra os Povos Indígenas no Brasil, lançado pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário). Os dados, divulgados anualmente, colocam o Estado como o mais violento para os índios no País.

Em 2010, 34 indígenas foram assassinados, 56% dos 60 casos registrados em todo o Brasil. Mais uma vez, a entidade lembra que o problema é resultado do que considera “racismo institucional”.

O número de mortes é classificado de genocídio, “pois além de emplacar o maior número de assassinatos, o Estado também registra a maior percentagem de tentativas de assassinatos e demais violações de direitos, como ameaças várias e lesões corporais dolosas”, esclarece o Cimi.

O relatório também reforça que considera a violência como efeito da luta pela terra, agravada pela morosidade das demarcações e superpovoamento das áreas hoje sob posse dos índios.

Além das execuções, o Cimi contabiliza outros 152 índios ameaçados de morte. Os assassinatos não estão diretamente ligados à tensão agrária, são potencializados pelo uso do álcool, mas até esse tipo de ocorrência tem relação com a falta de terra, que leva à falta de perspectivas, avalia o Conselho.

“Foram registrados 33 casos de invasões possessórias e exploração ilegal de recursos naturais disponíveis em terras indígenas”, revela o estudo.

Outra dado alarmante diz respeito a desnutrição, problema amplamente divulgado em 2005, mas que ainda hoje faz vítimas.

Segundo o Cimi, 92 crianças morreram por falta de cuidados médicos ou condições adequadas de saúde da mãe na hora do parto, por exemplo.

O número aumentou 6 vezes se comparado a 2009, quando foram registradas 15 vítimas.

Miséria - Em setembro do ano passado, uma criança de 3 anos teve parada cardiorrespiratória, agravada por quadro de pneumonia, desidratação e desnutrição e morreu sem atendimento médico em aldeia guarani de Coronel Sapucaia.

Por conta de conflitos entre proprietários rurais e indígenas, na área chamada pelos guarani de Kurussu Amba, os órgãos que prestam atendimento às aldeias estavam impedidos de entrar na fazenda. Só depois da morte do garoto, a Funasa retomou o serviço.

No entanto, nesse quesito, o maior drama é verificado no vizinho Mato Grosso. Entre os casos, a situação do povo Xavante é considerada “desoladora” porque 60 crianças morreram, de 100 nascidas vivas. “Todas vítimas de desnutrição, doenças respiratórias e doenças infecciosas”, detalha o Cimi.

No Brasil, o Conselho acredita que mais de 42 mil sofreram pela falta de assistência à saúde e à educação.

O levantamento completo será publicado amanhã no site da organização e comenta “entra governo, sai governo, a ocorrência de violências e violações de direitos contra os povos indígenas no Brasil continua igual“.

Os números da violência contra os povos indígenas pode ser ainda maior, porque o estudo só considera os casos divulgados pela imprensa e as ocorrências registradas pelas equipes do Cimi em 11 escritórios regionais 

Deixe seu Comentário

Leia Também

STOCK CAR 2018
Bons retrospecto em MS anima pilotos da Cavaleiro Sports
CASO DE POLÍCIA
Boliviana denuncia estupro de criança de 8 anos em fazenda no Pantanal
CIDADES
Na contramão do nacional, MS registra queda na mortalidade materna
POLÍTICA
Para eleitores, 2º turno a presidente será entre Bolsonaro e Alckmin
POLÍTICA
Aprovado projeto que proíbe pedófilos de concorrer em concurso estaduais
SAÚDE
CFM lança código de ética para estudantes de medicina
ECONOMIA
Empresários brasileiros buscam ampliar parcerias com o Paraguai
EDUCAÇÃO
Resolução libera curso Técnico de Hospedagem em polo de escola no interior do Estado
CULTURA
Publicado edital de seleção para artesãos participarem do Salão do Artesanato em São Paulo
BONITO - MS - PODAS ORNAMENTAIS
Empresas credenciadas poderão realizar podas ornamentais em Bonito (MS)