Menu
mutantes
sbado, 16 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC

Pecuária: superexploração arrasa com 9 milhões de hectares

26 Jul 2011 - 10h17Por Correio do Estado

Desmatar e plantar pasto há muito não é sinônimo de produtividade. Inclusive, a inconsequência destas ações não planejadas começa a vir a tona. Mato Grosso do Sul já possui 9 milhões de hectares de pastagem em estado preocupante de degradação; em áreas de planalto no Estado todo, soma-se 15 milhões de hectares existentes, ou seja, mais da metade das pastagens estão comprometidas.

Esta situação extrapola as percas de produtividade do pecuarista e chega à população em forma de altos preços, assoreamento de rios e aumento gradual da temperatura do planeta. “Hoje o principal problema da agropecuária é a questão dos pastos degradados. São três motivos: a plantação de uma espécie inadequada de forrageira, como o brachiarão em terras fracas. Depois vem a superexploração do pasto e então a falta de reposição de nutrientes no solo”, enumera o pesquisador da Embrapa Gado de Corte, Armindo Neivo Kichel.

Ele calcula que depois de formado o pasto, a produção cai naturalmente 6% ao ano e que a cultura do pecuarista é extrativista, a preocupação raramente se volta para a reposição dos nutrientes do solo. “A pastagem é uma cultura e como tal deve ser tratada. Não existe almoço de graça, quando um boi pasta existe uma dívida com aquele pasto. Hoje, estamos produzindo 50% menos que o potencial”, afirma Armindo.

Impactos

Um agravante foi a seca prolongada ocorrida nos dois últimos anos que associou-se com a praga do percevejo castanho, que afeta a raiz das pastagens. As erosões representam o impacto ambiental mais visível, que resulta até no assoreamento de rios. “O pasto degradado reduz a matéria orgânica do solo. Há um balanço negativo de fixação, quando o solo consome mais nitrogênio do que emite. Isso aumenta a emissão de gases efeito estufa”, explica o pesquisador.

Além da redução do rebanho e consequente aumento do preço da carne, a geração de empregos e até a arrecadação fiscal do Estado ficam comprometidos. Sem técnicas de manejo de pastagem e conservação do solo, as regiões em que a degradação se encontra mais séria são as do Bolsão e Norte, compreendendo as cidades de: Ribas do Rio Pardo, Inocência, Selvíria, Três Lagoas, Santa Rita do Pardo, Bataguassu, parte de Campo Grande, e as de solos mais arenosos – Nova Andradina, Paranaíba, Costa Rica, Alcinópolis, Figueirão, Sonora, Coxim, Camapuã, Rio Verde e São Gabriel do Oeste.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - COLISÃO MATOU OS DOIS
Em Dourados, VÍDEO mostra colisão frontal entre motos que matou dois, assista
BONITO - MS - NOVO HORÁRIO
Com o fim do horário de verão Balneário tem novo horário de funcionamento em Bonito (MS)
BONITO - MS - REIVINDICAÇÃO
Meio Ambiente pede mais 10 policiais e 3 viaturas para PMA em Bonito (MS)
MARACAJU - SEGURANÇA
Em Maracaju, Operação Petra cumpre 18 mandados de busca e apreensão e prende três pessoas
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Na fronteira, Reinaldo entrega R$ 1,4 milhão em equipamentos agrícolas
POLÍCIA
Homem é preso em MS por estuprar crianças, filmar e divulgar vídeos
EMPREENDEDORISMO
Seleção oferecerá consultoria gratuita para 200 mulheres em MS
MEIO AMBIENTE
Em 15 dias, polícia ambiental capturou 8 cobras em residências de MS
POLÍCIA
Militares rodoviários são presos pelo Bope com dinheiro de propina em MS
GERAL
Campanha de fiscalização vai vistoriar quase dois mil veículos do sistema intermunicipal