Menu
mutantes
quarta, 20 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

ONU: Brasil lidera América Latina no apoio aos palestinos

22 Set 2011 - 16h00Por Jornal do Brasil

 Boa parte da América Latina, liderada pelo Brasil, reafirmou esta quarta-feira na Assembleia Geral das Nações Unidas seu apoio ao pedido imediato de reconhecimento do Estado palestino na ONU, embora Colômbia e México tenham se declarado contrários à iniciativa, pedindo uma solução negociada com Israel.

A presidente Dilma Rousseff abriu os debates em Nova York com uma forte mensagem neste sentido.

"O Brasil já reconhece o Estado palestino como tal, nas fronteiras de 1967, de forma consistente com as resoluções das Nações Unidas. Assim como a maioria dos países nessa Assembleia, acreditamos que é chegado o momento de termos a Palestina aqui representada a pleno título", disse a presidente em seu discurso, antes de o colega americano, Barack Obama, rejeitar a iniciativa.

Para Dilma, o reconhecimento do Estado palestino "é um direito legítimo do povo palestino à soberania; e a autodeterminação amplia a possibilidade de uma paz duradoura no Oriente Médio".

"Apenas uma Palestina livre e soberana poderá atender aos legítimos anseios de Israel por paz com seus vizinhos, segurança em suas fronteiras e estabilidade política em seu entorno regional", disse a presidente brasileira.

No mesmo tom que Rousseff, a presidente argentina, Cristina Kirchner, assegurou que impedir que os palestinos tenham seu Estado é "continuar dando pretexto" ao terrorismo.

"A não inclusão da Palestina neste ano, longe de dar maior segurança ao mundo, vai criar maior insegurança", declarou Kirchner.

O presidente paraguaio, Fernando Lugo, instou a Assembleia Geral da ONU a responder à "dívida histórica" com os palestinos e aceitar seu pedido de adesão, assegurando também que isto servirá de "aporte" para a paz no Oriente Médio.

"Estamos convencidos de que isto representa a consagração de uma dívida histórica internacional com o legítimo direito do povo palestino a contar com um Estado próprio, com suas fronteiras devidamente definidas", afirmou.

O presidente boliviano, Evo Morales, declarou que as "intervenções" e "violações dos direitos humanos" de Israel contra os palestinos são algumas das "razões" do direito destes últimos a terem um Estado reconhecido pela ONU.

O colega hondurenho, Porfirio Lobo, cujo governo reconheceu o Estado palestino em 26 de agosto passado, disse que "a paz se fundamenta não só no respeito aos direitos humanos, mas também no direito dos povos e das nações".

"Meu governo reconheceu a Palestina como Estado e se identifica com suas aspirações legítimas de chegar a ser membro de pleno direito no concerto das nações", disse Lobo.

Apesar da contundência, o apoio não foi unânime na região. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, e seu colega mexicano, Felipe Calderón, se alinharam aos Estados Unidos ao defender um aval prévio de Israel a esta questão.

Calderón advertiu na tribuna de líderes mundiais que qualquer saída para o conflito no Oriente Médio deve ser "politicamente viável" e produto de uma negociação que garanta a convivência entre israelenses e palestinos.

"A ONU tem a responsabilidade de contribuir construtivamente para resolver de forma pacífica este conflito", destacou.

O colombiano Santos usou palavras similares, ao afirmar que o diálogo direto entre israelenses e palestinos é "o único caminho" para a paz.

"Avanços podem ser alcançados apenas privilegiando o diálogo direto e a mediação efetiva. Exortamos, imploramos às partes que voltem às negociações o mais rápido possível", afirmou.

Brasil, Argentina, Equador, Cuba, Venezuela, Nicarágua, Guiana, Paraguai, Costa Rica e El Salvador reconheceram o Estado palestino livre e independente com as fonteiras de 1967.

Já Chile, Uruguai, Peru e Honduras o reconheceram, mas sem menção às suas fronteiras, enquanto o México manifestou seu apoio, mas sem um reconhecimento explícito.

Brasil e Colômbia são atualmente dois dos dez membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU, e por isso sua posição pode ser fundamental para que a causa palestina avance ou seja bloqueada neste órgão.

Os palestinos precisam ali de nove votos de um total de 15 e nenhum veto dos membros permanentes (EUA, França, Grã-Bretanha, China e Rússia) para que sua demanda de adesão à ONU seja levada à Assembleia Geral. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança