Menu
BANNER ANNA
tera, 22 de outubro de 2019
BONITO CÂMARA OUTUBRO 2019
Busca
ZAP INFORMÁTICA

Não é certo que Lei da Ficha Limpa vale para 2012, diz ministro do STF

25 Mar 2011 - 14h37Por Agência Brasil

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, afirmou hoje (24) que, ao decidir sobre a Lei da Ficha Limpa ontem (23), o Supremo Tribunal Federal (STF) não determinou que a norma é válida para as eleições de 2012. “O STF, ontem, tomou apenas uma decisão sobre a anualidade”, afirmou o ministro. E completou: “Não tem nada seguro. Não é certo que a lei vale para 2012”.

Segundo o ministro, o STF não se posicionou sobre a constitucionalidade da norma. Isso ocorreu apenas no ano passado, no julgamento do caso de Jader Barbalho, que terminou em um placar de 6 a 4 pela constitucionalidade da norma. “Mas, no futuro, pode ter mudança e isso ser revisto”, disse Lewandowski.

Isso porque em 2012, ano de eleições municipais, que pode trazer a norma novamente a debate, dois ministros do STF irão se aposentar, mudando a composição da Corte: Carlos Ayres Britto e Cezar Peluso. Além disso, quando um caso tem votação apertada, o julgamento não é suficiente para consolidar entendimento.

O ministro também afirmou que não há prazo para recontagem dos votos e nova proclamação dos eleitos. "Cada processo tem seu andamento diferenciado. Então, cada ministro examinará caso a caso e, inclusive, verificará se o caso daquele recurso se enquadra ou não na Lei da Ficha Limpa. Portanto, é um processo que demorará certo tempo, não será imediato, até porque a Justiça Eleitoral não pode agir de ofício, tomando uma providência única".

Segundo o presidente do TSE, caberá a cada Tribunal Regional Eleitoral decidir quando recalculará os votos: se à medida que as decisões saírem ou se eles esperarão a decisão de todos os casos para proclamarem o novo resultado apenas uma vez.

Apesar de o STF ter afastado a possibilidade de a Lei da Ficha Limpa ter validade em 2010, Lewandowski entende que a norma teve “um caráter profilático”, pois muitos políticos com passado duvidoso preferiram não se candidatar, além de o tema sobre a moralidade política ter se inserido na sociedade. "A população pôde discutir essa questão, analisar os antecedentes dos candidatos. Muitos candidatos com maus precedentes foram antecipadamente barrados pelos próprios partidos e alguns nem tentaram registro, em nome da aplicação da lei".

Lewandowski ainda lembrou que todos os casos pendentes de recurso poderão ser sumariamente decididos individualmente pelos ministros. E ressaltou que quem não recorreu no prazo devido contra a decisão que declarou a inelegibilidade perdeu o prazo. “Essa é uma questão processual, se é justo ou não é uma outra questão. Muita gente também renunciou temendo a aplicação da Lei da Ficha Limpa, assumindo as consequências deste ato de renúncia”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CPI DA ENERGISA NA AL
CPI da Energisa já tem 6 das 8 assinaturas para ser criada na Assembleia de MS
OPORTUNIDADE
Sonha em morar em Bonito? A Justiça Eleitoral está com vaga de trabalho
Extorsão
Suspeito de extorsão em área de conflito, policial é levado ao Presídio Militar da capital
FATALIDADE
Motociclista cai em vala de água fluvial e morre na BR-158
Tatu na câmara
Polícia captura tatu no pátio de câmara municipal de cidade de MS
Policial
Bebê internada após colocar pedra de crack na boca recebe alta
BONITO - MS - FOTOS
Veja as FOTOS da Festa e Churrasco da Inauguração da Rural Agro Soluções em Bonito (MS)
POSSE
Governo inicia posse de mais 200 novos servidores da Agepen
ELE JÁ TINHA MEDIDA PROTETIVA
EM BONITO: rapaz procura a polícia após sofrer ameaças e perseguições de ex-companheiro
ESFAQUEADO
Homem sai para beber com os amigos e quando chega em casa é esfaqueado pela esposa