Menu
sbado, 18 de janeiro de 2020
BANNER ANNA
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Não é certo que Lei da Ficha Limpa vale para 2012, diz ministro do STF

25 Mar 2011 - 14h37Por Agência Brasil

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, afirmou hoje (24) que, ao decidir sobre a Lei da Ficha Limpa ontem (23), o Supremo Tribunal Federal (STF) não determinou que a norma é válida para as eleições de 2012. “O STF, ontem, tomou apenas uma decisão sobre a anualidade”, afirmou o ministro. E completou: “Não tem nada seguro. Não é certo que a lei vale para 2012”.

Segundo o ministro, o STF não se posicionou sobre a constitucionalidade da norma. Isso ocorreu apenas no ano passado, no julgamento do caso de Jader Barbalho, que terminou em um placar de 6 a 4 pela constitucionalidade da norma. “Mas, no futuro, pode ter mudança e isso ser revisto”, disse Lewandowski.

Isso porque em 2012, ano de eleições municipais, que pode trazer a norma novamente a debate, dois ministros do STF irão se aposentar, mudando a composição da Corte: Carlos Ayres Britto e Cezar Peluso. Além disso, quando um caso tem votação apertada, o julgamento não é suficiente para consolidar entendimento.

O ministro também afirmou que não há prazo para recontagem dos votos e nova proclamação dos eleitos. "Cada processo tem seu andamento diferenciado. Então, cada ministro examinará caso a caso e, inclusive, verificará se o caso daquele recurso se enquadra ou não na Lei da Ficha Limpa. Portanto, é um processo que demorará certo tempo, não será imediato, até porque a Justiça Eleitoral não pode agir de ofício, tomando uma providência única".

Segundo o presidente do TSE, caberá a cada Tribunal Regional Eleitoral decidir quando recalculará os votos: se à medida que as decisões saírem ou se eles esperarão a decisão de todos os casos para proclamarem o novo resultado apenas uma vez.

Apesar de o STF ter afastado a possibilidade de a Lei da Ficha Limpa ter validade em 2010, Lewandowski entende que a norma teve “um caráter profilático”, pois muitos políticos com passado duvidoso preferiram não se candidatar, além de o tema sobre a moralidade política ter se inserido na sociedade. "A população pôde discutir essa questão, analisar os antecedentes dos candidatos. Muitos candidatos com maus precedentes foram antecipadamente barrados pelos próprios partidos e alguns nem tentaram registro, em nome da aplicação da lei".

Lewandowski ainda lembrou que todos os casos pendentes de recurso poderão ser sumariamente decididos individualmente pelos ministros. E ressaltou que quem não recorreu no prazo devido contra a decisão que declarou a inelegibilidade perdeu o prazo. “Essa é uma questão processual, se é justo ou não é uma outra questão. Muita gente também renunciou temendo a aplicação da Lei da Ficha Limpa, assumindo as consequências deste ato de renúncia”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Prisão
Policiais prendem autor de homicídio foragido no Paraguai desde 2012
Fronteira
Jovem é ferida a tiros na fronteira e polícia acredita em crime passional
FUTEBOL
Vasco vira sobre Goiás e pegará o Grêmio nas quartas de final da Copa São Paulo
Mistério
Mulher sai em surto de motel e morre ao ter mal súbito na BR-262 em Campo Grande
PERTURBADOR
Áudio mostra conversa de pai e mãe combinando para estuprar filha de 7 anos
Último dia!
Matrículas para cursos técnicos integrados do IFMS terminam hoje
CRIMES
MS supera em 10 vezes média nacional de resolução de homicídios; Bonito está na lista
PISO SALARIAL
Governo federal anuncia aumento do piso dos professores
TRÁFICO DE DROGAS
Polícia paraguaia destrói 11 hectares de maconha na fronteira de MS
ATÉ AGOSTO
Ministério da Justiça autoriza Força Nacional em Caarapó e em Dourados