Menu
KAGIVA
quinta, 18 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Moradores do interior morrem em busca de atendimento médico em Campo Grande

27 Mai 2011 - 17h17Por Midiamax - Pio Redondo

Quando a vida está por um fio no interior do MS, as famílias que dependem do tratamento público sabem que, antes de tudo, têm de recorrer à fé. É uma espécie de convivência forçada com o destrato, que varia da resignação à revolta, quando o desamparo resulta na perda de familiares e entes queridos.

Dois casos recentes ocorridos em Porto Murtinho, nesse ano de 2011, retratam a situação que se espelha na maioria dos municípios carentes de atendimento público de saúde, principalmente nos casos emergenciais.

Um dos casos é o do jovem Edward Espindola, de 21 anos, falecido em 16 de janeiro. Ele foi ferido à faca numa festa da cidade. Logo no primeiro atendimento que recebeu, o Corpo de Bombeiro diagnosticou alta possibilidade de hemorragia interna no rapaz.

Quando ele morreu, no hospital de uma cidade vizinha, Caracol, a certidão de óbito indicou como causa da morte hemorragia interna, com falência do sistema cardiovascular. Mas não havia meios para estancar o sangramento e nem repor o sangue que se esvaia.

Pelo que o pai, Eládio Espíndola contou, tratou-se de uma sequência de horrores que combinou descaso, incompetência e falta de estrutura pública de saúde na região. A mãe, Sebastiana, que cuida dos dois netos pequenos e órfãos, ainda não caiu em si. Ela fala que a filha de Edward, quase um bebê, sente tanta falta do pai e se agarra às roupas dele.

No depoimento ainda sentido do pai e da mãe, toda a história do pesadelo que se abateu sobre a família, sem data para ser superado.

Outro caso envolvendo uma menina recém nascida tem tanta semelhança com a morte de Edward, que a hipótese de negligência médica eventual, ou isolada, pode ser descartada de saída.

A menina Yasmin, com cinco dias de vida, deu entrada no mesmo hospital municipal de Porto Murtinho com problemas de icterícia e febre. Foi consultada e teve alta imediata.

O avô, Carlos Alberto Gonzáles, inconformado com a perda da netinha, foi quem deu o primeiro alarme. “A menina não está boa, o médico não podia ter dado alta assim”, alertou. Providenciando a reinternação imediata, em busca de cura para Yasmin, jamais imaginaria que, um dia depois, estaria chorando a morte da primeira netinha.

A mãe Cristiane acredita que uma intubação mal feita, por técnicos de enfermagem despreparados, provocou uma ruptura interna nos órgãos respiratórios da recém nascida. O atestado de óbito descreve uma hemorragia interna nas vias respiratórias como uma das causas da morte da falência circulatória. Mas, como Edward, não teve chances de cura. E, estranhamente, recebeu dois atestados de óbito diferentes.

No caso do jovem, segundo o pai, a secretaria de Saúde de Porto Murtinho confirmou que ele teria tratamento em Caracol. Ao chegar lá, não havia médico e nem sangue para repor a hemorragia.

Yasmin, ao contrário, demorou tanto para ser transferida, que nem conseguiu chegar com vida a cidade vizinha, depois de hora de sofrimento è espera de remoção. Quando a ambulância parou na estrada, o motorista desceu e avisou à família que não adiantaria mais seguir em frente.

Quando a vida está por um fio no interior do MS, as famílias que dependem do tratamento público sabem que, antes de tudo, têm de recorrer à fé. É uma espécie de convivência forçada com o destrato, que varia da resignação à revolta, quando o desamparo resulta na perda de familiares e entes queridos.

Dois casos recentes ocorridos em Porto Murtinho, nesse ano de 2011, retratam a situação que se espelha na maioria dos municípios carentes de atendimento público de saúde, principalmente nos casos emergenciais.

Um dos casos é o do jovem Edward Espindola, de 21 anos, falecido em 16 de janeiro. Ele foi ferido à faca numa festa da cidade. Logo no primeiro atendimento que recebeu, o Corpo de Bombeiro diagnosticou alta possibilidade de hemorragia interna no rapaz.

Quando ele morreu, no hospital de uma cidade vizinha, Caracol, a certidão de óbito indicou como causa da morte hemorragia interna, com falência do sistema cardiovascular. Mas não havia meios para estancar o sangramento e nem repor o sangue que se esvaia.

Pelo que o pai, Eládio Espíndola contou, tratou-se de uma sequência de horrores que combinou descaso, incompetência e falta de estrutura pública de saúde na região. A mãe, Sebastiana, que cuida dos dois netos pequenos e órfãos, ainda não caiu em si. Ela fala que a filha de Edward, quase um bebê, sente tanta falta do pai e se agarra às roupas dele.

No depoimento ainda sentido do pai e da mãe, toda a história do pesadelo que se abateu sobre a família, sem data para ser superado.

Outro caso envolvendo uma menina recém nascida tem tanta semelhança com a morte de Edward, que a hipótese de negligência médica eventual, ou isolada, pode ser descartada de saída.

A menina Yasmin, com cinco dias de vida, deu entrada no mesmo hospital municipal de Porto Murtinho com problemas de icterícia e febre. Foi consultada e teve alta imediata.

O avô, Carlos Alberto Gonzáles, inconformado com a perda da netinha, foi quem deu o primeiro alarme. “A menina não está boa, o médico não podia ter dado alta assim”, alertou. Providenciando a reinternação imediata, em busca de cura para Yasmin, jamais imaginaria que, um dia depois, estaria chorando a morte da primeira netinha.

A mãe Cristiane acredita que uma intubação mal feita, por técnicos de enfermagem despreparados, provocou uma ruptura interna nos órgãos respiratórios da recém nascida. O atestado de óbito descreve uma hemorragia interna nas vias respiratórias como uma das causas da morte da falência circulatória. Mas, como Edward, não teve chances de cura. E, estranhamente, recebeu dois atestados de óbito diferentes.

No caso do jovem, segundo o pai, a secretaria de Saúde de Porto Murtinho confirmou que ele teria tratamento em Caracol. Ao chegar lá, não havia médico e nem sangue para repor a hemorragia.

Yasmin, ao contrário, demorou tanto para ser transferida, que nem conseguiu chegar com vida a cidade vizinha, depois de hora de sofrimento è espera de remoção. Quando a ambulância parou na estrada, o motorista desceu e avisou à família que não adiantaria mais seguir em frente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MELHOR SALÁRIO É DO MS
Fetems confirma: Reinaldo paga o melhor salário de professor do Brasil
NO RIO MIRANDA - MULTA E APREENSÃO
PMA prende e autua em R$ 17 mil oito turistas paulistas pescando com redes e tarrafas no Rio Miranda
BONITO - MS - TESTE EM AEROPORTO
Aeroporto terá testes durante Seminário Nacional de Perícia em BONITO (MS)
ENTRETENIMENTO
FAZENDA 10: Dívida de Perlla com ex-empresário ultrapassa R$ 1 milhão
A FAZENDA 10 - ENTRETENIMENTO
'Vaza' passado cabeludo de Fernanda Lacerda e Léo Stronda fora da Fazenda
A FAZENDA 10 - FOGO NO FENO
Mulher de Rafael Ilha detona Gabi Prado e dispara contra peoa: 'Deve sofrer de alguma doença'
RETA FINAL - NOVELA DA GLOBO
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher' em Segundo Sol
OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL
Temer recebeu R$ 5,9 mi em propinas do setor portuário, diz PF
BONITO - MS - RESULTADO DO CONCURSO
Confira os aprovados no concurso público da Câmara em BONITO (MS)
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Em quatro anos, governo de MS investe R$ 265 milhões em Corumbá