Menu
KAGIVA
quarta, 17 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Mesmo com queda no mês de julho, desmatamento no Brasil será maior este ano

24 Ago 2011 - 10h01Por Agência Brasil

Em julho, a Amazônia perdeu 93 quilômetros quadrados (km²) de floresta, de acordo com levantamento do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), divulgado ontem, terça-feira (23). Em relação a julho de 2010, quando os satélites observaram 155 km² de desmate, a redução foi 40%. Apesar do desmatamento menor em um mês considerado crítico, por ser o auge do período de seca (o que facilita a derrubada), a tendência é que a taxa anual seja maior este ano.

A área desmatada entre agosto de 2010 e julho de 2011 (período de doze meses do calendário oficial do desmatamento) ficou em 1.628 km², 9% maior que o total registrado no período de 12 meses imediatamente anterior (agosto/2009 a julho/2010), de 1.488 km². Os números da organização não governamental repetem a tendência apontada pelo sistema Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que também registrou queda do ritmo de desmate em julho e aumento no acumulado dos últimos doze meses.

A taxa anual de desmate é calculada por outro sistema do Inpe, o Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), que é mais preciso por avaliar áreas menores. No entanto, apesar da metodologia diferente, a avaliação do Deter costuma antecipar os resultados do Prodes. Em 2010, a área derrubada foi 6.451 km², a menor registrada pelo Inpe desde o começo do monitoramento, em 1988.

Em julho, segundo os dados do Imazon, o estado que mais desmatou foi o Pará, com 38,5 km² a menos de floresta no período, seguido por Mato Grosso, com 21 km². Em Rondônia, os novos desmatamentos atingiram uma área total de 16,5 km² e, no Amazonas, 13 km². Amapá, Acre e Tocantins também registraram derrubadas.

Além do corte raso (desmatamento total), o levantamento do Imazon também mede a degradação florestal, que considera florestas intensamente exploradas por atividade madeireira ou atingidas por queimadas. Em julho, a degradação avançou 116 km². O estado com maior área degradada no período foi Mato Grosso, com quase 60% do total registrado.

Considerando o calendário oficial do desmatamento, a degradação florestal atingiu 6.389 km² de áreas nativas, aumento de 241% em relação ao período anterior (agosto de 2009 a julho de 2010), quando os desmatamentos destruiram 1.873 km² de cobertura florestal.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AINDA DESAPARECIDA
Servidora pública do TRE/MS continua desaparecida e familiares pedem ajuda
PESQUISA NO MS
Reinaldo abre 14% e chega com 57% dos votos válidos em nova pesquisa no MS
BRIGA INTERNA EM PLENA CAMPANHA
Conselho de Ética do PDT pede 'cabeça' de Odilon por apoio a Bolsonaro
BONITO - MS - OBRAS E MELHORIAS
BONITO: Agesul e prefeitura concluem revitalização de mais de 70 KM da estrada vicinal da La Lima
ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE
Bolsonaro lidera em 4 regiões; Haddad está na frente no Nordeste, VEJA OS GRÁFICOS
LUTO NA TV
Aos 78 anos, morre o jornalista Gil Gomes
TRAGÉDIA
Menina de 2 anos é atropelada na garagem de casa quando mãe dava ré no carro, em Campo Grande
APOIO À REINADO AZAMBUJA
Deputado do MDB reúne prefeitos, vereadores e lideranças de MS em apoio à Reinaldo Azambuja
BONITO - MS
Conhecimento e muita diversão marcaram o 7° Acampamento do Instituto Mirim Ambiental de Bonito
DESAPARECEU
Servidora pública com depressão desaparece e preocupa família