Menu
KAGIVA
quarta, 24 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Mais de 90% das negociações salariais tiveram reajustes no primeiro semestre

19 Ago 2011 - 10h32Por Agência Brasil

De um total de 353 negociações salariais conduzidas no primeiro semestre, 93% conquistaram reajustes iguais ou superiores à inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

É o segundo melhor resultado desde 2008, de acordo com o Sistema de Acompanhamento de Salários do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgado hoje (18), na capital paulista. Segundo o Dieese, em 2010, 96% das negociações salariais resultaram em reajustes iguais ou superiores à inflação. Em 2009, o percentual foi 92% e, em 2008, 88%.

Para o coordenador de Relações Sindicais do Dieese, José Silvestre Prado de Oliveira, o resultado das negociações em 2011 foi satisfatório mesmo que tenha registrado um pequeno recuo na comparação com o ano anterior. “Se nós olharmos a faixa de melhor ganho de salário, aquela acima de 3%, em 2008 e 2009, [o ajuste] foi próximo de 5%. Em 2010, foi 15% e, em 2011, 12%. Do ponto de vista de patamar, está estável”.

Silvestre ressaltou que o resultado deve-se ao fato de que 2011 mostra uma certa continuidade na recuperação e no crescimento da economia vistos em 2010. “Nós tivemos uma campanha grande no começo do ano, com discurso dos analistas e economistas do setor empresarial dizendo que os trabalhadores teriam que ser mais comedidos nas negociações salariais, caso contrário poderiam causar inflação”.

O diretor técnico enfatizou que as negociações não influenciaram em nada a inflação, já que a produtividade média cresceu acima dos salários e o ganho real médio, em 2010, foi medido em 1,7%. “Pelo menos para os mercados metropolitanos, o salário médio vem caindo desde o começo do ano e a inflação também está em queda. Eu diria que, assim como o mercado interno segurou o crescimento econômico desde 2004 e contribuiu para o resultado positivo das negociações desde 2004, em 2011 foi igual”.

De acordo com a apuração do Dieese, o comércio foi o setor em que as negociações foram mais exitosas, com 98% delas tendo conquistado aumentos reais e 2% tiveram reajustes iguais à inflação. Na indústria, 87% das negociações obtiveram aumentos reais e 10% tiveram reajustes iguais à inflação. “A indústria já está desacelerando, mas, no segundo semestre, há grandes setores de peso que iniciam suas negociações. Os segmentos com maiores dificuldades são aqueles atrelados ao câmbio, que exportam e dependem da crise lá fora”.

Silvestre estimou que, no segundo semestre, mesmo que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça abaixo de 4%, persistirá a tendência de obtenção de reajustes em patamares semelhantes aos dos primeiros seis meses do ano. “Isso se deve ao mercado interno. Mesmo que haja uma desaceleração da atividade econômica e do consumo, ainda vai haver, como reflexo do desenvolvimento do ano passado, um consumo interno que vai segurar esse crescimento da economia, o que vai se refletir nos reajustes”, explicou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÃO DA PMA - RIO MIRANDA
No Rio Miranda, PMA autua pescador por pesca ilegal, apreende pescado e um pescador foge
BONITO - MS - EM ALERTA
Em Bonito e todo o MS, Defesa Civil emite alerta para mais riscos de tempestades
NOVA PESQUISA - GOVERNO DO MS
Azambuja mantém liderança no 2º turno em nova pesquisa divulga hoje terça 23 de outubro
POLÍTICA - DEPOIMENTO
VÍDEO: seção judiciária chefiada por Odilon foi investigada por venda de armas apreendidas
BONITO - MS
Campanha reúne fundos para conserto da Van da Pestalozzi em Bonito
A FAZENDA 10 - CLIMA QUENTE
A Fazenda 10: Nadja e Gabi trocam farpas, modelo se revolta quebra prato e confusão toma conta
RETA FINAL - NOVELA GLOBAL
Segundo Sol: Karola pode morrer no final de Segundo Sol; saiba mais
BONITO - MS - BEACH TENNIS
Bonitenses fazem bonito e campeões são definidos na 4ª etapa do estadual de Beach Tennis
TELEFONIA
STF julga inconstitucional lei de MS que proíbe tempo para uso de crédito de celular
POLÍTICA
Deputados analisam veto sobre recorrer de multa pela internet