Menu
mutantes
tera, 19 de maro de 2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Juíza é assassinada a tiros em Niterói, no Rio de Janeiro

12 Ago 2011 - 08h47Por Jornal do Brasil

Homens em duas motos e um carro mataram a tiros a juíza Patrícia Lourival Acioli, da 4ª Vara Criminal de São Gonçalo, na madrugada desta sexta-feira. Ela foi assassinada quando chegava em casa, na localidade de Timbau, em Niterói, na região metropolitana do Rio.

Os criminosos efetuaram os disparos quando a juíza ainda estava dentro do seu carro. 

Patrícia Acioli estava em uma lista com 12 nomes encontrada com Wanderson Silva Tavares, o Gordinho, preso em janeiro deste ano no Espírito Santo. Ele seria o chefe de um grupo de extermínio, acusado de 15 mortes em São Gonçalo.

Possivelmente, a juíza estava marcada para morrer. No final do ano passado, Patrícia Acioli, de 47 anos, foi a responsável pela prisão de quatro cabos da Polícia Militar, acusados de integrar um grupo de extermínio no município. 

A quadrilha sequestrava e matava traficantes para depois pedir resgate a parentes das vítimas.

A Divisão de Homicídios do Rio assumiu a autoria das investigações sobre o caso. O local onde a juíza morava é monitorado por câmeras. Os policiais já levaram o computador com as imagens gravadas. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Polícia Militar Ambiental de MS completa 32 anos e comemora o fim dos “coureiros”
SAÚDE
Saúde confirma quarta morte por dengue este ano em MS
SABORES
Na concorrência com Tastmade, amigas criam página com receitas para MS
LOTERIA
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio acumulado de R$ 33 milhões
CIDADES
Município de MS que homenageia herói da Retirada da Laguna completa 81 anos
TURISMO
Sete destinos para se aventurar em Bodoquena no feriadão de abril
BONITO - MS
Prefeitura distribui 400 jogos de carteiras e novos uniformes em Bonito
SAÚDE E ALIMENTAÇÃO
Insônia, falta de ar e angústia: conheça os sintomas da intoxicação causada pelo café
EDUCAÇÃO
Enem 2018: espelhos da redação estão disponíveis para candidatos; veja correção
POLÍCIA
Garoto é investigado em MS após dizer que atiradores de Suzano deviam ter matado policiais