Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quinta, 16 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Inquérito da PF apura crime de genocídio contra indíos em Iguatemi

8 Set 2011 - 15h47Por Marta Ferreira/Campo Grande News

Está andamento na Polícia Federal inquérito para apudar denúncia do MPF (Ministério Público Federal) de crime de genocídio contra indígenas que ocupavam uma área à margem de uma estrada vicinal, em Iguatemi. No dia 23 de agosto, o acampamento foi incendiado e os índios relatam que foram alvos de ataque.

O inquériito, a pedido do MPF (Ministério Público Federal) foi aberto na delegacia de Polícia Federal em Naviraí.

O MPF divulgou hoje fodos do acampamento logo após o ataque, além do testemunho de indígenas que estavam no lugar. "Estávamos rezando, de repente chegaram dois caminhões cheios de homens, chegaram atirando, ordenaram parar queimar barracas e roupas e amarrar todos índios. Saímos correndo, em direção diferente”, conta um deles. 

A 300 metros do local vimos as barracas queimando e muito choro. Faroletes e lanternas estão focando pra lá e cá, as crianças e idosos não conseguiram correr. Os meus olhos enlagrimando (sic) escrevi este fato. Quase não temos mais chance de sobreviver neste Brasil”, prossegue. O ataque, segundo os relatos, deixou feridos - principalmente crianças e idosos, que não conseguiram correr, e um rastro de destruição. Mesmo depois da violência do ataque, os indígenas retornaram ao mesmo acampamento, pois alegam não ter para onde ir.

Genocídio-O acampamento queimado, assim como os pertences dos índios e o que eles tinham de comida. Diante disso, o MPF em Dourados pediu abertura de inquérito na Polícia Federal em Naviraí para investigar o crime, tratado pelo órgão como genocídio, a violência cometida por questões étnicas, no caso contra a coletividade indígena.

No local, segundo o MPF divulgou, foram encontrados dezenas de cartuchos de munição calibre 12 anti-tumulto (balas “de borracha”). Há, também indícios de formação de milícia armada.

A área reivindicada pelo grupo guarani-kaiowá, localizada na fazenda Margarida, é conhecida como Puelito Kue e já foi estudada pelos antropólogos da Funai. O relatório, cuja publicação é uma das fases da demarcação de terras indígenas, está em fase final de redação.

A área integra portarias da Funai publicadas em 2008, que formaram equipes técnicas para estudos em 26 municípios da região sul do Estado, para demarcação.

A medida foi adotada depois de assinatura de TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que obrigava a União a concluir os processos de demarcação até julho de 2009.

Passados dois anos, a disputa judicial entre Funai e fazendeiros ainda emperra o cumprimento do TAC.

Terceira vez- Houve dois outros eventos violentos envolvendo a comunidade. Em 14 de setembro de 2003, um grupo tentou retornar à área. Dois dias depois, homens armados invadiram o acampamento e expulsaram os indígenas com violência. Em 8 de dezembro de 2009, houve nova violência contra o grupo.

Segundo depoimento prestado ao MPF, os índios foram amarrados, espancados e colocados num caminhão, sendo deixados em local distante do acampamento. O indígena Arcelino Oliveira Teixeira desapareceu sem deixar pistas. O corpo nunca foi encontrado.

A PF informou que as diligências estão em andamento, sem prazo de conclusão.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - ATENÇÃO MÃES
Dia 'D' contra poliomielite e sarampo será neste sábado em Bonito (MS)
BONITO - MS - NAS ESTRADA VICINAIS
Agesul e prefeitura recuperam 120 Km de estradas vicinais em Bonito (MS)
BONITO - MS
Incêndio de grandes proporções destrói imóvel do Instituto Internacional Visão de Vida de Bonito
ELEIÇOES 2018 NO ESTADO
Renúncia de Chaves abre crise e tensão na campanha de Odilon
COMPORTAMENTO
Colégio Militar pula página com foto de gays para não falar de homossexualidade
CULTURA
Aniversário de 100 anos da Morada dos Baís terá concerto, espetáculo e memórias
ESPORTE
Lutador de MS é convocado para Mundial em outubro na Turquia
POLÍTICA
Com fim da hegemonia da TV, internet pode ser decisiva nestas eleições
POLÍTICA
TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro
MEIO AMBIENTE - JARDIM E BONITO
A condenação do rio da Prata, essencial para a biodiversidade em Jardim e Bonito (MS)