Menu
ASSOMASUL MARÇO
tera, 23 de abril de 2019
mutantes
Busca
ÁGUAS DE BONITO
MS

Indícios apontam que morte de jornalista tem ligação com profissão

“Está se solidificando ainda mais o motivo”, diz Odorico.

24 Fev 2012 - 08h46Por Campograndenews

Dez dias após a morte de Paulo Rocaro, de 51 anos, a Polícia Civil já tem uma suspeita ‘mais forte’ sobre o motivo do assassinato do jornalista. “Está ligado ao exercício da profissão”, afirma o delegado responsável pelas investigações, Odorico Ribeiro de Mendonça.

O delegado explica que estão em investigação várias hipóteses para o motivo do crime, no entanto, os indícios levam a crer que Rocaro morreu devido às notícias que escrevia. “Está se solidificando ainda mais o motivo”, diz Odorico.

“Existem várias hipóteses, mas estão se reduzindo”. Entre os indícios aos quais o delegado se refere estão informações passadas por familiares, amigos e colegas de profissão.

Segundo o policial, 10 pessoas já foram ouvidas e mais devem prestar depoimento. Imagens feitas por câmeras de estabelecimentos próximos ao local do crime estão sendo analisadas para tentar identificar o executor e o piloto da moto. “Vamos aproximar as imagens o máximo possível do rosto dos autores”, fala Odorico.

O delegado espera também o resultado da perícia que está sendo feita nas pistolas 9 mm apreendidas com o pistoleiro paraguaio Jacinto Ramon Cristaldo Ramirez. Jacinto foi preso no dia 16 em Coronel Sapucaia e, de acordo com Odorico, nega a execução do jornalista e afirma que não estava em Ponta Porã no dia do crime.

Foi pedido também a quebra de sigilo telefônico de Rocaro. As ligações feitas e recebidas pelo jornalista vão ser analisadas para ajudar a esclarecer o crime.

O crime - Paulo Rocaro foi baleado no domingo à noite (12) por uma dupla de motocicleta, características de crime de pistolagem. O jornalista retornava da casa do ex-prefeito de Ponta Porã, Vagner Piantoni (PT), de quem era amigo. Ele morreu na madrugada de segunda-feira, no hospital.

O jornalista era editor-chefe do Jornal da Praça e diretor do site Mercosul News. Em 2002, publicou o livro “A Tempestade – Quando o crime assume a lei para manter a ordem”. A obra fala de pistolagem e da conivência policial num território dominado pelo tráfico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASO TRIPLEX
STJ julga nesta terça recurso de Lula no caso triplex
NOVA ELEIÇÕES EM CIDADE DO MS
TRE cassa mandato de prefeita e novas eleições devem ser marcadas em cidade do MS
POLÍCIA
Apontada como chefe do tráfico, vereadora de MS tem prisão mantida
TRÂNSITO
Detran esclarece sobre a Permissão Internacional para Dirigir
GERAL
Ex-aluno da UFMS deve chefiar diretoria responsável pelo Enem
POLÍCIA
Policiais são demitidos por abandono de cargo na Polícia Civil de MS
BONITO - MS
ESF Vila América realiza acompanhamento de doentes crônicos em Bonito
GERAL
MS teve mais de mil motoristas multados por dia em março
CIDADES
Polícia faz 152 blitz em rodovias de MS no feriado
GERAL
Cresce a imprudência e o número de pessoas feridas em acidentes nas rodovias federais de MS