Menu
KAGIVA
tera, 18 de setembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
MS

Indícios apontam que morte de jornalista tem ligação com profissão

“Está se solidificando ainda mais o motivo”, diz Odorico.

24 Fev 2012 - 08h46Por Campograndenews

Dez dias após a morte de Paulo Rocaro, de 51 anos, a Polícia Civil já tem uma suspeita ‘mais forte’ sobre o motivo do assassinato do jornalista. “Está ligado ao exercício da profissão”, afirma o delegado responsável pelas investigações, Odorico Ribeiro de Mendonça.

O delegado explica que estão em investigação várias hipóteses para o motivo do crime, no entanto, os indícios levam a crer que Rocaro morreu devido às notícias que escrevia. “Está se solidificando ainda mais o motivo”, diz Odorico.

“Existem várias hipóteses, mas estão se reduzindo”. Entre os indícios aos quais o delegado se refere estão informações passadas por familiares, amigos e colegas de profissão.

Segundo o policial, 10 pessoas já foram ouvidas e mais devem prestar depoimento. Imagens feitas por câmeras de estabelecimentos próximos ao local do crime estão sendo analisadas para tentar identificar o executor e o piloto da moto. “Vamos aproximar as imagens o máximo possível do rosto dos autores”, fala Odorico.

O delegado espera também o resultado da perícia que está sendo feita nas pistolas 9 mm apreendidas com o pistoleiro paraguaio Jacinto Ramon Cristaldo Ramirez. Jacinto foi preso no dia 16 em Coronel Sapucaia e, de acordo com Odorico, nega a execução do jornalista e afirma que não estava em Ponta Porã no dia do crime.

Foi pedido também a quebra de sigilo telefônico de Rocaro. As ligações feitas e recebidas pelo jornalista vão ser analisadas para ajudar a esclarecer o crime.

O crime - Paulo Rocaro foi baleado no domingo à noite (12) por uma dupla de motocicleta, características de crime de pistolagem. O jornalista retornava da casa do ex-prefeito de Ponta Porã, Vagner Piantoni (PT), de quem era amigo. Ele morreu na madrugada de segunda-feira, no hospital.

O jornalista era editor-chefe do Jornal da Praça e diretor do site Mercosul News. Em 2002, publicou o livro “A Tempestade – Quando o crime assume a lei para manter a ordem”. A obra fala de pistolagem e da conivência policial num território dominado pelo tráfico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEDULA ÓSSEA
MS tem 2° maior cadastro de doadores de medula
CRUELDADE - POLÍCIA
Por mãe estar sem o celular, ladrão dá facada em bebê de 3 meses
R$ 10 MILHÕES
Multa máxima à MSVia não ultrapassa 3,5% da receita anual
PREFEITURA EM MS - OPORTUNIDADES
Prefeitura abre concurso público com mais de 300 vagas e salários de até R$ 6 mil em MS
ELEIÇÕES 2018
TRE-MS recebe 108 denúncias de infrações no período eleitoral
ELEIÇÕES 2018 - CANDIDATO AO GOVERNO DO MS
MPF manda Polícia Federal investigar Odilon de Oliveira, denunciado por crimes na 3ª Vara Federal
TECNOLOGIA
Anatel começa domingo bloqueio de celular irregular em MS e mais 11 estados
POLÍTICA
MPF reforça alerta sobre prisão por compra de voto e boca de urna
ENTRETENIMENTO
Dupla de MS projeta jogo inspirado em desenhos dos anos 1980
POLÍTICA
'Violência se combate com inteligência', diz Meirelles em visita a MS