Menu
KAGIVA
domingo, 16 de dezembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
UNIPAR_PC

Incra pode tomar 800 lotes de assentados na região de fronteira em Mato Grosso do Sul

26 Jul 2011 - 10h33Por Midiamax - Celso Bejarano

Ao menos 800 dos cerca de 3.000 lotes do assentamento criado na fazenda Itamarati, em Ponta Porã (MS), um dos maiores projetos de reforma agrária do país, caíram na mira das investigações do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Mato Grosso do Sul.

A razão: as áreas podem ter sido negociadas e isso não é permitido pela regra nacional. Casos assim param na Justiça e, se comprovada à ilegalidade, os lotes devem ser retomados e sorteados entre as famílias que ainda não foram beneficiadas com o programa da reforma agrária.

A superintendência do Incra fiscaliza desde agosto as áreas situadas nos assentamentos da região Sul de Mato Grosso do Sul. A inspeção termina na sexta-feira, no município de Nova Alvorada Sul, segundo o procurador regional do Incra, Nézio Nery de Andrade.

A investigação em curso foi solicitada pela MPF (Ministério Público Federal), que descobriu no ano passado um esquema de venda de lotes envolvendo servidores do Incra e líderes de movimentos ligados aos sem terra.

Em MS, existem ao menos 200 assentamentos, sendo que cada um deles é habitado por cerca de cem famílias. A intenção do Incra, segundo Andrade, é inspecionar todos os assentamentos.

Um assentado pode negociar um lote, mas ele terá que obedecer a uma série de normas impostos pelo Incra, morar na área por ao menos uma década, é uma delas. Há casos que o assentado por perder a área por desrespeitar normas de proteção ao meio ambiente, segundo o procurador regional.

Nézio Andrade não quis comentar os detalhes da investigação acerca dos lotes do assentamento na fazenda Itamarati. “A inspeção toda termina na sexta-feira e as famílias investigadas têm um prazo para se defender”, disse Nézio, ao justificar o motivo de não fornecer informações sobre a inspeção.

O assentamento Itamarati, criado em 2002, é habitado por ao menos 15 mil pessoas. Pela contagem populacional, pode-se dizer que a região supera a população de 44 dos 78 municípios de Mato Grosso do Sul. Amparim Lakatos

O procurador regional do Incra, Nézio de Andrade: intenção é investigar todos o assentamentos de MS

São 3 mil famílias morando em ao menos 25 mil hectares. A área já pertenceu ao empresário Olacyr de Moraes, famoso milionário que recebera entre os anos de 1970 e 1980 o título de maior plantador individual de soja do Brasil. Ele caiu em ruínas financeiras, daí a fazenda foi negociada para a reforma agrária 

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUNDO DA MÚSICA
Jorge e Mateus vivem clima tenso e se evitam nos bastidores dos shows
PREVISÕES PARA 2019
Vidente faz previsões chocantes sobre casal “Brumar” e Simone e Simaria
BONITO - MS - MEDIDAS TOMADAS
Governo de MS adota medidas de contenção de erosão para preservar os rios de Bonito
BONITO - MS - HOMENAGEADO
Gruta do Lago Azul era para dar tiro e fazer churrasco, conta guia pioneiro de Bonito (MS)
GOVERNO DO MS - CONQUISTA
Com 86% das metas cumpridas, Reinaldo se reúne com eleitos e traça projetos para 2019
BONITO - MS - RÉVEILLON 2019 -
Prefeitura divulga regulamento sobre as festividades do Réveillon 2019 em Bonito (MS)
CORPO ENCONTRADO EM RIO DE MS
Bombeiros localizam o corpo do homem que sumiu na pescaria em MS
BONITO - MS - NOVA DIRETORIA DA OAB
Nova diretoria da 23ª subseção da OAB de Bonito toma posse
RIO DA PRATA DE VOLTA
'Clareza' do Rio da Prata aparece e semana é marcada por audiência e clamor popular em Bonito (MS)
DUAS MORTES POR RAIOS NO MS
Tempestade surpreende e dois morrem atingidos por raios em MS