AGÊNCIA_SUCURI_MEGA_BI
Bonito Informa - Notícias de Bonito e região
Bonito, 15 de Dezembro de 2017
DELPHOS_FULL
KAGIVA
24 de Maio de 2011 10h49

Incra encontra 860 lotes irregulares no Assentamento Itamarati

Mercosul News

Depois de 20 dias de trabalhos, as equipes de vistoria do Instituto Nacional de Colonização e reforma Agrária (Incra) concluíram no último sábado (21) o levantamento da situação ocupacional dos assentamentos rurais na região de Ponta Porã.

Foram vistoriados pelas dez equipes do órgão cerca de 3.450 lotes dos Assentamentos Itamarati I e II, Dorcelina Folador, Nova Era, Boa Vista e Corona, onde foram encontrados cerca de 860 lotes irregulares.

Para os lotes ocupados de forma irregular, o morador é notificado no ato da vistoria. O notificado tem 15 dias para formalizar sua defesa, que terá que ser feita de próprio punho, com as justificativas de como e por que está ocupando o lote irregularmente. Uma comissão formada pela Superintendência e a Procuradoria do Incra em Campo Grande, vão analisar as justificativas apresentadas pelos ocupantes irregulares. Em caso de negativa, o Incra ingressará com reintegração de posse do lote, junto a Justiça Federal, exigindo a retirada imediata do morador ilegal do lote.

Os assentados que estiverem enquadrados na Instrução Normativa (IN) 47, serão considerados irregulares, aqueles que não estiverem cumprindo o Contrato de Assentamento, firmado entre o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), através da Superintendência Regional do Mato Grosso do Sul (SR/16), e o assentado, que diz:

Cláusula Terceira: Constitui obrigação do BENEFICIÁRIO (assentado) aquelas previstas na Lei 4.504, de 30 de Novembro de 1964, e no Decreto nº 59.428, de 27 de outubro de 1966, destacando-se especialmente, as seguintes:

a) Residir com sua família na parcela, explorando-a direta e pessoalmente;

Cláusula Quarta: A parcela (lote) contratada é inegociável pelo prazo de 10 (dez) anos nos termos do Artigo 189 da Constituição Federal.

Cláusula Quinta: No caso do beneficiário assentado alienar, hipotecar, arrendar ou efetuar qualquer tipo de transferência de titularidade, benfeitorias e possessórias da parcela (lote) a terceiros, sem que o Incra tome prévio conhecimento e aquiescência, dar-se-á a rescisão do Contrato de Assentamento, independente de Ação Judicial.

Cláusula Sexta: Será ainda motivo de rescisão do Contrato de Assentamento, perdendo o beneficiário o direito sobre a parcela que lhe foi destinada e das benfeitorias implantadas o não cumprimento de qualquer das condições previstas no instrumento e especialmente:

a) Não demonstrar capacidade profissional durante o período de dois anos, a contar da data de sua localização na parcela;

b) Deixar de cultivar direta e pessoalmente a parcela por espaço de três meses, salvo motivo de força maior, a juízo da Administração do Projeto;

c) Deixar de residir no local de trabalho ou área pertencente ao Projeto de Assentamento, salvo justa causa reconhecida pela Administração do Projeto;

d) Desmatar indiscriminadamente, sem imediato aproveitamento agrícola do solo, ou deixar de obedecer aos dispositivos da Lei nº 4.771 de 15 de setembro de 1965 (Código Florestal);

e) Tornar-se elemento de perturbação para o desenvolvimento dos trabalhos de colonização do Projeto, por má conduta ou inadaptação a vida comunitária;

f) Alienar a parcela a terceiros sem a prévia anuência do Incra.

Comentários
Veja Também
bonito_celular
Últimas Notícias
  
conde_foto
TASS_300
dothCom © Copyright BonitoInforma - Todos os Direitos Reservados.