Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 23 de janeiro de 2019
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC
Brasil

Governo começará a testar modelo de internet grátis para serviços e atendimento ao co

13 Fev 2012 - 09h13

 No próximo mês devem começar a ser feitos os primeiros testes de um modelo de acesso à internet no estilo dos serviços de ligação telefônica para números com prefixo 0800, em que o custo da ligação é pago pelas empresas que prestam o serviço aos consumidores. A ideia é ter um modelo de internet com tarifação invertida, ou seja, pago pelo site que será conectado para serviços como acesso a bancos, compras ou atendimento ao consumidor.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, diz que o conceito não foi importado de outros países e que será um modelo “tupiniquim”. “A ideia é tentar desenvolver uma conexão de internet em que a pessoa entra para fazer uma reclamação, pedir atendimento em call center, compras ou operação em um banco. Isso possibilitaria que o cliente dessa empresa fizesse uma conexão que não seria tarifada para ele, e sim para a empresa que franqueou a ligação”, explica.

A região administrativa do Varjão, no Distrito Federal, com cerca de 9 mil habitantes, foi o local escolhido para a realização dos primeiros testes, que serão operacionalizados pelo Ministério das Comunicações, pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI).

Paulo Bernardo explica que a novidade não vai substituir o serviço telefônico gratuito, mas poderá baratear o custo de atendimento ao consumidor para as empresas. “Se der certo, pode ser uma alternativa, a empresa que tem um call center, onde instala milhares de pessoas para atender, pode colocar um portal para fazer um autoatendimento. Acho que pode funcionar e ser até mais barato”.

O ministro deu como exemplo o caso dos bancos, que poderão franquear o acesso à internet dos correntistas que quiserem fazer transações pela rede. “Os bancos têm muito interesse no uso do home banking, porque economiza e melhora a parte operacional”

A advogada Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) avalia que essa gratuidade é importante para que o consumidor tenha acesso a esses serviços, principalmente porque hoje os brasileiros já pagam tarifas elevadas de telefonia. Ela alerta, no entanto, que o custo de implantação do serviço não pode ser repassado ao consumidor. “Hoje,o consumidor já paga uma das tarifas mais altas entre inúmeros países. É uma questão de acompanhamento efetivo por parte do governo, para que o consumidor não tenha essa gratuidade e acabe pagando tarifas mais caras por conta disso”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EM MS
Lutador tem liberdade negada e Justiça marca 1ª audiência de madrasta que pisoteou bebê até a morte
AGENDA
Carreta da Justiça atende moradores de Paraíso das Águas até sexta-feira
POLÍCIA
Suspeito de 58 golpes, preso 'artista' volta a agir de dentro da cadeia
POLÍCIA
Em menos de uma semana PM apreende mais de uma tonelada de drogas e recupera 37 veículos
ENTRETENIMENTO
BBB19: Vanderson sai da casa para prestar depoimento e é desclassificado
ECONOMIA
Trocar ar-condicionado por ventilador rende economia de até 20% na conta
POLÍCIA
PM apreende mais de meia tonelada de maconha e recupera Civic furtado em Nioaque
EMPREGOS E CONCURSOS
Publicada relação de profissionais cadastrados para a função de professor temporário
CIDADES
Morre o ator Caio Junqueira, uma semana após acidente de carro no Aterro
BONITO - MS
Passeios em Bonito são finalistas de prêmio internacional de sustentabilidade