Menu
ITALÍNEA DOURADOS
sexta, 17 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Governo adotará medidas de incentivo fiscal à produção de etanol

31 Ago 2011 - 11h00Por Agência Brasil

Além da redução de 25% para 20% na mistura de álcool à gasolina, com vistas a reduzir o preço do combustível para o consumidor, o governo vai adotar, em breve, medidas de incentivo fiscal para os produtores de cana-de-açúcar que destinarem a produção para a fabricação de álcool. Foi o que disse ontem (30) o secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Manoel Bertone, ao anunciar o segundo levantamento da safra agrícola 2011/2012 feito pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Segundo ele, as medidas em estudo incluem a concessão de crédito presumido do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição de Financiamento da Seguridade Social (Cofins), o que, na prática, se traduz em redução tributária. A medida já é adotada na produção de açúcar e a intenção, agora, é estender o benefício também para a produção de etanol, pois a intenção do governo é aumentar a competitividade e reduzir os custos de produção do álcool.

Com esse objetivo, foi criada linha de crédito de até R$ 1 milhão por produtor, com validade até quatro anos, para renovação de canaviais. Segundo Bertone, talvez sejam renovados também os créditos referentes às usinas.

Enquanto isso, a União discute com os estados a possibilidade de equalização das alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobradas na produção, de modo a dar mais competitividade ao setor. Qualquer mudança nesse sentido depende do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz).

De acordo com projeção da Conab, o Brasil deve colher 588,9 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2011/2012, o que equivale à redução de 5,6% em relação à safra 2010/2011. Mas, nas contas da União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica), a quebra de safra deve ficar entre 8,3% e 10%, o que explica, em parte, os fortes aumentos de quase 50% nos preços do álcool na indústria paulista, em pleno período de produção. O outro motivo alegado é o aumento da frota de carros flex.

Bertone disse que as expectativas de produção para o próximo ano são de retorno à normalidade, mas ressaltou que “isso vai depender muito das condições climáticas”.

Quanto à importação de 500 milhões de litros de álcool anidro derivado do milho, medida tomada recentemente, Bertone explicou que foi necessária a compra, o que será evitado nas próximas safras. “O objetivo é ter novas indústrias, cerca de 15 unidades implantadas por ano, produzindo de 3 a 4 milhões de toneladas, cada. Um crescimento que, hoje, a gente não vê se concretizar”.

Segundo ele, a redução do etanol na mistura da gasolina, anunciada ontem (29), tem o objetivo de diminuir a demanda por álcool anidro em 160 milhões de litros por mês. O presidente da Unica, Marcos Jank, disse que a medida, no entanto, não vai alterar a oferta de etanol no mercado doméstico. “A decisão do governo apenas antecipou a redução da mistura, que era esperada para 1º de novembro e vai ocorrer em 1º de outubro”, disse Jank, em nota divulgada na segunda-feira (29).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - INAUGURAÇÃO
HOJE tem inauguração do Santo Rock Bar, caipirinha FREE para mulheres até meia-noite em Bonito (MS)
POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'
ACIDENTE
Mulher é arremessada e morre em capotamento de veículo na BR-359
CIDADES
Mutirão vai analisar 11 mil processos de presos condenados em MS
DEFESA SANITÁRIA
Campanha de vacinação da febre aftosa atinge 99% de cobertura em MS
SAÚDE
Pesquisa indica que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente