Menu
mutantes
sbado, 16 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC
DOR E TRISTEZA

Gabrielly começou a ser agredida por colegas após presentear professora, diz família

Gabrielly começou a ser agredida por colegas após presentear professora, diz família

7 Dez 2018 - 10h52Por TOP MÍDIA NEWS

Um presente dado a uma professora teria sido o motivo da briga que resultou na morte de Gabrielly Ximenes, de 10 anos. Ela foi agredida por colegas da Escola Lina Villachá, no bairro Nova Lima, em Campo Grande.

A família relata que a menina era carinhosa e tinha jeito diferente de tratar os professores da escola. "Ela era muito apegada a eles", diz o tio  Célio Vilela, de 42 anos.

Ele revelou ao TopMídiaNews que, uns meses atrás, encontrou a menina em loja de presente no bairro Nova Lima. "Ela queria comprar um presente para a professora. Minha esposa e eu acabamos encontrando ela na loja. Ela nos disse que só tinha R$ 4 e que as coisas lá custavam mais de R$ 10. Daí, a minha esposa disse à ela para escolher o que fosse, que pagaria. E ela fez", relembra o tio.


Célio, tio de Gabrielly. Foto: André de Abreu.

A partir daí que as coisas teriam começado na escola, conta a prima de Gabrielly, Patrícia da Silva, de 31 anos. "A menina de 10 anos que ajudou a bater nela teria ficado com ciúmes. Ela começou a puxar o cabelo dela. Isso, ela chegou a contar pra mãe o que estava acontecendo. E essa mesma menina que chamou as outras duas de 14 anos para bater nela", relata.

O tio também lembra que a menina era bem carinhosa com os professores. "A Gabrielly era bem alegre, muito carinhosa com os professores. Ela tinha apego a eles. Tratava de uma forma diferente dos outros alunos".

Mesmo assim, diante do relato, a família disse que nenhum professor ou diretor da escola esteve presente no velório da menina. "Ninguém da escola veio aqui no velório até o momento. Apenas uma professora aposentada esteve aqui. Mas ninguém da escola veio. E nós queremos uma posição da escola", diz Patrícia.


Patrícia da Silva, prima de Gabrielly. Foto: André de Abreu.

Ela ainda relata a dor da família. "Eu sou mãe e sei a dor que a minha prima está passando neste momento. É triste e a minha prima nunca mais vai ver a filha dela. Ninguém espera que isto pode acontecer com a sua família. Todos nós estamos em choque e isto também serve de alerta. E uma briga em que há menor, todo mundo sabe que nunca vai dar em nada".

Sucessão de erros

Célio disse ainda que a família vai procurar a Justiça e afirma que a morte da menina foi uma sucessão de erros. "Este caso começou na escola com a agressão e depois no hospital. Tudo isso resultou na morte da minha sobrinha. A cirurgia dela foi um sucesso, as paradas cardíacas ocorrem depois, quando ela estava em observação".

O caso é investigado pela Polícia Civil de Campo Grande e corre em segredo de justiça por envolver menores de idade.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS - COLISÃO MATOU OS DOIS
Em Dourados, VÍDEO mostra colisão frontal entre motos que matou dois, assista
BONITO - MS - NOVO HORÁRIO
Com o fim do horário de verão Balneário tem novo horário de funcionamento em Bonito (MS)
BONITO - MS - REIVINDICAÇÃO
Meio Ambiente pede mais 10 policiais e 3 viaturas para PMA em Bonito (MS)
MARACAJU - SEGURANÇA
Em Maracaju, Operação Petra cumpre 18 mandados de busca e apreensão e prende três pessoas
AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Na fronteira, Reinaldo entrega R$ 1,4 milhão em equipamentos agrícolas
POLÍCIA
Homem é preso em MS por estuprar crianças, filmar e divulgar vídeos
EMPREENDEDORISMO
Seleção oferecerá consultoria gratuita para 200 mulheres em MS
MEIO AMBIENTE
Em 15 dias, polícia ambiental capturou 8 cobras em residências de MS
POLÍCIA
Militares rodoviários são presos pelo Bope com dinheiro de propina em MS
GERAL
Campanha de fiscalização vai vistoriar quase dois mil veículos do sistema intermunicipal