Menu
KAGIVA
tera, 23 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Funai diz que busca demarcação com segurança jurídica a índio e fazendeiro

15 Jun 2011 - 09h19Por Campo Grande News

A judicialização das demarcações é hoje o principal entrave à regularização das terras indígenas em Mato Grosso do Sul. Garantir que o processo seja finalizado com a devida segurança jurídica – para índios ou não – tem sido o maior desafio da Fundação Nacional do Índio (Funai). A afirmação é do presidente do órgão, Márcio Meira, que falou com exclusividade ao jornal online Campo Grande News. 

“É preciso encontrar saídas pacíficas para garantir os direitos dos indígenas as suas terras, e também o do não-índio, daquele produz”, destacou.

Quase todo o processo de identificação de terras indígenas vem acompanhado por vários processos judiciais, atrasando a regularização. Um problema que poderá ser solucionado com a conclusão do estudo que vai apontar as áreas tradicionalmente ocupadas por índios.

Após vários adiamentos provocados por liminares, o STF decidiu pela realização do levantamento, cuja conclusão Lacerda prevê ainda para 2011.

Com a identificação, será possível não apenas demarcar as áreas apontadas como tradicionalmente indígenas, mas também permitir que a União possa comprar terras de particulares para acomodar os índios.

“Hoje isso não é possível, porque só podemos comprar a área que comprovadamente não seja tradicionalmente indígena, o que só será possível afirmar após a conclusão do estudo”, diz o presidente da Funai.

Cooperação - Na semana passada, representantes do governo de Mato Grosso do Sul e do Governo Federal se reuniram em Brasília para discutir a atuação conjunta na segurança pública das áreas indígenas do estado.

“Estamos avançando para ter uma política específica para segurança pública na região de Dourados, envolvendo Funai, Polícia Federal e Secretaria de Segurança Pública”, antecipa Márcio Meira.

Quanto à comissão proposta pelo Conselho Nacional de Justiça em recente visita às aldeias da região de Dourados, o presidente da Funai diz que está aguardando o contato do órgão para iniciar o trabalho. “Temos todo interesse em participar desse diálogo”, diz.

Polêmica - Márcio Meira rebateu as críticas que vem sendo feitas pelo governador André Puccinelli à atuação da Funai em Mato Grosso do Sul, alegando que o órgão precisa cumprir o que determina a legislação indigenista. O presidente nega que a Fundação seja omissa.

“A Funai tem desenvolvido ações para os indígenas do estado, inclusive temos três regionais – uma delas criada por mim, em Ponta Porã. Aumentamos o orçamento da Funai no Mato Grosso do Sul nos últimos anos. Temos uma atuação conjunta de governo, com participação de outros ministérios. Todas essas ações têm resultado em melhorias para os indígenas”, enumera.

Meira admite que ainda existam muitos desafios, mas nega que haja “interrupção, paralisação ou negliência”. “Ao contrário, a Funai tem ampliado a presença no Mato Grosso do Sul, inclusive com novos servidores, contratados por concurso público. Na regional de Ponta Porã, cerca de 80% dos funcionários são do grupo formado no ano passado. Não existia regional lá”, exemplifica.

Sobre a polêmica sugestão apresentada pelo governador para utilização de áreas do tráfico ou de outros ilícitos para a demarcação, Meira ressalta que o órgão não pode ferir a Constituição. E a lei não prevê esse tipo de medida.

 
 

Deixe seu Comentário

Leia Também

VEM CHUVA E FRENTE FRIA DO SUL
Frente fria vinda do sul do país promete chuva e alívio no calorão de MS
BONITO - MS - EMPOSSADO
No gabinete, Odilson dá posse ao novo diretor de Cadastro e Tributação em Bonito (MS)
MORTE DURANTE ASSALTO
Jovem é morta na frente das filhas durante assalto
GERAL
Mães que não fazem pré-natal podem ser denunciadas
BONITO - MS
Certificado inclui Bonito no Mapa do Turismo Brasileiro
PESQUISA 2º TURNO - GOVERNADOR
Reinaldo tem 54% em nova pesquisa divulgada nesta segunda-feira 22 de outubro
EMPREGOS
MS tem mais de 2 mil vagas em concursos e salários de até R$ 11 mil
CIDADES
Discussão por xenofobia termina com baiano esfaqueado em MS
CINEMA
Com crítica política, animação brasileira é destaque em festival
GERAL
Para presidente da CBL, falta de leitura favorece notícias falsas