Menu
ITALÍNEA DOURADOS
tera, 11 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca
Agricultura

Famasul quer prazo maior para o plantio do milho safrinha

4 Mar 2011 - 08h23Por Assessoria

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), Eduardo Riedel, esteve reunido nesta quarta-feira (02.03), em Brasília, com o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Edilson Guimarães, na tentativa de estender o prazo de recomendação de plantio do milho safrinha no Estado. Devido ao atraso na colheita da soja pelo excesso de chuva, a Famasul, juntamente com a Aprosoja/MS e OCB/MS, havia solicitado a prorrogação de 20 dias no prazo de plantio recomendado pelo Zoneamento de Risco Climático do MAPA, o qual se encerrou na última segunda-feira em alguns municípios do Estado. No entanto, o Mapa concedeu a extensão do período por 10 dias e, ainda assim, para o grupo de cultivares 1 (com ciclo de até 120 dias) e para os cultivos no solo tipo 2 (mistos) e tipo 3 (argilosos). 

Com a alta incidência de chuvas, a colheita da soja e consequentemente o plantio do milho safrinha estão atrasados em cerca de 15%. A colheita da soja é estimada em 20% da área plantada, número que historicamente seria de 35%, o que leva a Famasul a buscar a ampliação do prazo para que os produtores possam concluir o plantio da safrinha. “Esperamos que o ministério se mostre sensível à dificuldade que os produtores estão encontrando devido as condições climáticas que limitam as operações na lavoura”, considera Riedel. 

A Famasul havia solicitado ao Mapa a mesma concessão feita ao Paraná, que obteve prorrogação até 20 de março para todo o Estado. A justificativa do ministério para a concessão parcial da prorrogação é de que nas regiões não contempladas há um risco maior de perdas com o plantio em período diferente da previsão no zoneamento.“Mas as chuvas têm sido constantes e intensas em todo o Estado”, justifica Riedel. Segundo a Estação Meterológica da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal (Uniderp) só nos dois primeiros dias de março, a região de Campo Grande registrou um índice pluviométrico que corresponde a 70 % do esperado para o mês inteiro. 

A preocupação dos produtores com a chuva também está nos prejuízos na safra da soja. “A situação é preocupante porque pode haver perda na qualidade do grão”, ressalta o assessor técnico para a área da agricultura da federação, Lucas Galvan. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

CIDADES
Servidores do MPMS poderão trabalhar de casa a partir do próximo ano
TRANSPORTES
Definida empresa que irá elaborar Plano Diretor de Passageiros de MS
ATENÇÃO A TODOS
Jovem lutadora russa morre eletrocutada após queda de iPhone no banho
CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Atenção contribuinte: Sistema autorizador da NF-e valida novos códigos a partir de 2019
EDUCAÇÃO
Universidade abre 1.481 vagas para portadores de diploma
CIDADES
Operação que tem Aécio como alvo cumpre mandados em MS
CIDADES
Oficiais da PM de MS apontados como líderes da Máfia do Cigarro são condenados por corrupção
SABORES DO CERRADO
Frutas do cerrado: conheça as árvores que dão mais sabor ao nosso dia-a-dia
TEMPO E TEMPERATURA EM MS
2018 registra recordes de acúmulo de chuva; em dezembro deve cair mais água
BONITO - MS
Governador faz entregas de R$ 36 milhões em obras da MS-178 e habitação em Bonito