Menu
domingo, 19 de janeiro de 2020
BANNER ANNA
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Falta de mão de obra qualificada prejudica 69% das empresas

6 Abr 2011 - 12h58Por Folha.com

A falta de mão de obra qualificada afeta 69% das empresas, segundo pesquisa divulgada nesta quarta-feira pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

Para mais da metade (52%) das empresas do setor industrial consultadas, a má qualidade da educação básica é uma das principais dificuldades para qualificar esses funcionários.

"É um problema que atinge a indústria como um todo, dificultando o aumento de produtividade e a qualidade do produto", afirma o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.

Embora todas as áreas e categorias profissionais sejam atingidas por esse gargalo, a área de produção, principalmente operadores e técnicos, é a mais prejudicada.

A sondagem da entidade entrevistou executivos de 1.616 empresas entre os dias 3 e 26 de janeiro. Entre as empresas ouvidas, 931 são pequenas, 464 médias e 221 grandes.

CONSTRUÇÃO CIVIL

Outra pesquisa, dessa vez a cargo da Fundação Getúlio Vargas, já havia detectado os problemas de formação profissional da mão de obra nacional.

O trabalho da FGV mostrou que somente 17,8% dos trabalhadores ocupados na construção civil freqüentaram curso de educação profissional.

De 16 setores analisados na pesquisa, os com maior proporção de pessoas formadas em cursos de educação profissional são: automobilístico (45,71%), finanças (38,17%), petróleo e gás (37,34%). Já os com menor proporção são agronegócio (7%), outros (13,54%) e construção civil (17,8%).

Ao se levar em conta os níveis de formação (qualificação profissional, curso técnico e graduação tecnológica), a construção civil aparece em 14º lugar no ranking relativo à qualificação profissional e também na 14ª posição no referente a cursos técnicos. E aparece em 13º lugar se considerado o nível de graduação tecnológica. No total, são 16 setores avaliados.

Um dos principais temas de reflexão é que, apesar do aumento da escolaridade e dos salários no setor, há maior escassez de mão de obra na construção civil.

Por não empregar mulheres e jovens, os segmentos mais escolarizados da população, a tendência é de acirramento do apagão de mão de obra qualificada, segundo o estudo. A opção dos jovens ocupados é por trabalhos menos braçais. Dos 29 milhões de jovens ocupados, apenas 2 milhões trabalham no setor da construção civil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NÃO DEU - QUE PENA
Florista baleada pelo ex-namorado não resiste aos ferimentos e morre na Santa Casa
TODOS CONTRA A DENGUE
Megaoperação contra a dengue premiará moradores que mais ajudarem nas ações
TURISTANDO DE BIKE
Ciclistas de MS pedalam mais de 750 km para chegar ao litoral catarinense
ALERTA
Menina de 4 anos fica em estado grave depois de ser picada por escorpião
CRIME
Florista baleada pelo ex faz cirurgia de emergência na Santa Casa
POLÍCIA
Ladrões danificam cerca elétrica, invadem casa e furtam de televisor 65 polegadas a quimono
AÇÃO DA PMA
Agricultor é multado em R$ 50 mil por contrabando de agrotóxicos
TRISTEZA DUPLA
Cãozinho morre de tristeza após sua dona viajar para socorrer pai em acidente
Prisão
Policiais prendem autor de homicídio foragido no Paraguai desde 2012
Fronteira
Jovem é ferida a tiros na fronteira e polícia acredita em crime passional