Menu
KAGIVA
quinta, 16 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Exportação de carnes no País deve se intensificar

19 Ago 2011 - 08h29Por O Estado de S. Paulo, Suplemento Agrícola/SP

O Brasil tem atualmente 2.095 fazendas pecuaristas habilitadas a exportar carne para a União Europeia. São propriedades que se submeteram a um processo burocrático, lento e sujeito a auditorias de seis em seis meses. Nos bons tempos no continente europeu, fazendas que se sujeitaram ao protocolo e foram aprovadas na cobiçada lista receberam até R$ 10 a mais por arroba. Atualmente, porém, o prêmio fica entre R$ 3 e R$ 4 por arroba. Adicione-se a isso a crise na Europa para que o criador se pergunte se compensa continuar exportando.

Para economista Thiago Bernardino de Carvalho, pesquisador do Cepea/Esalq/USP, o mercado exportador continua interessante para o produtor, mas é preciso ficar atento à crise. "O pecuarista deve buscar a excelência na produção de carne não só de olho no mercado externo, mas pensando no consumidor interno, que, no futuro, vai passar a exigir carne cada vez de melhor qualidade."

Já o consultor Hyberville Neto, da Scot Consultoria, também chama atenção para o consumo crescente de carne no Brasil pelas classes C e D. "O mercado interno aquecido acaba competindo com as exportações. Se o câmbio também não está favorável e o ágio sobre o "boi-Europa" não está compensador, o pecuarista tem que avaliar o que é melhor", diz.

Na pecuária há 40 anos, Edson Crochiquia, com rebanhos em Agudos (SP) e em Pedra Preta e Paranatinga (MT) - em Agudos, são 5.200 cabeças, entre recria e confinamento. Já as de Mato Grosso são de cria, com 25 mil animais -, garante que o esforço compensa. "Além de a fazenda se profissionalizar, a qualidade dos animais aumenta significativamente." E arremata: "A pecuária brasileira não é de excelência, mas as fazendas que cumprem o protocolo de exportação podem ser consideradas de excelência."

Exigências. Com rebanho de 1.750 cabeças em Uberaba (MG) e mais 2 mil animais em Turvânia (GO), o pecuarista Paulo Ferolla abate para exportação 1.400 animais/ano. Apto a exportar para a UE há quatro anos, ele reclama do "excesso de teoria" das exigências. "Mais difícil que entrar na lista é se manter habilitado", diz. "No meu caso, o Instituto Mineiro de Agropecuária vistoria. Depois vem o ministério. É preciso apresentar tudo: registro de cada brinco, medicamentos, vacinas, alimentação e nota fiscal", diz. "É tudo detalhado e sem se organizar não dá."

Em anos anteriores, Ferolla já recebeu R$ 10 a mais sobre o valor da arroba, mas hoje recebe de R$ 3 a R$ 4. O sobrepreço varia conforme a oferta e procura. Por isso o produtor deve por tudo na balança. "Tem que pesar o custo do confinamento e o custo de animais de reposição e se vale a pena exportar se o mercado interno pode absorver a oferta de carne. Exportar é bom, mas não se deve abandonar o mercado interno."

O diretor da Praterra Agropecuária, Caio Augusto Arroyo Barbosa, concorda. "Mesmo habilitado, o produtor deve colocar tudo na ponta do lápis. Este ano, com o confinamento 30% mais caro, foi mais negócio vender os animais antes, aproveitando os picos da arroba."

Profissionalização. A Praterra tem fazendas em Rosário Oeste e Ribeirão Cascalheira (MT), com giro de 10 mil cabeças/ano. Barbosa acha vantajoso estar habilitado. "Estamos na lista há três anos e em Mato Grosso o prêmio chegou a R$ 10 por arroba." Já no ano passado, o prêmio foi de R$ 3 a mais, em média. "Por um lado, o produtor deveria receber mais, por toda a burocracia e todos os investimentos que são feitos na propriedade. Por outro, tem um lado muito positivo, que é a profissionalização e a gestão eficiente da propriedade."

O pecuarista Crochiquia, habilitado para exportar para o bloco há três anos, destina 100% dos animais para exportação. No último lote, em julho, de 794 animais, só 3 não foram classificados para exportação. "Os animais são todos nascidos na fazenda. Assim não se corre o risco de ter um animal sem garantia de genética", diz o administrador em Agudos, Leosmar Dionizio. Este ano, Crochiquia abaterá 4 mil animais, todos para exportação.

E, pela primeira vez, exportará carne pela Cota Hilton. "O produtor recebe mais, mas há mais exigências." Segundo ele, a carne exportada via Cota Hilton deve ser oriunda de animais rastreados até os 10 meses de idade. Outra exigência é que tenham nascido em fazenda já habilitada pela UE. "O peso é o mesmo - mínimo 235 quilos -, mas a cobertura de gordura deve ser de 3 milímetros, sem exceder os 8 milímetros."

O consultor Hyberville Neto, da Scot Consultoria, explica que a Cota Hilton prevê a exportação de cortes nobres de carne a tarifas menores de exportação para a indústria. À cota anual, fixa, somente têm acesso países credenciados.

Para o ciclo 2011/2012, a cota brasileira é de 10 mil toneladas. Crochiquia diz que dos 4 mil animais abatidos este ano, 2.200 cabeças vão para a Cota Hilton. "O prêmio para quem exporta para a União Europeia varia de 2% a 4% a mais sobre o valor da arroba; na Cota Hilton, a premiação é de 4% a 7%", diz, satisfeito, o criador.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - BALNEÁRIO MUNICIPAL
Balneário Municipal ficará fechado durante 5 dias este mês de agosto em Bonito (MS)
MAIS UMA FATALIDADE NO RODEIO
Peão que competiu em Barretos morre após cavalo cair em cima dele em cidade do MS
PROCESSO SELETIVO NO MS
Prefeitura abre inscrições para processo seletivo em cidade do MS
BONITO - MS - CURSOS PROFISSIONALIZANTES
Prefeitura concede espaço e SENAI realizará cursos profissionalizantes em Bonito
DOURADOS - MAIS VIOLÊNCIA
Padre é trancado no quarto, espancado e tem pertences levados em Dourados
POLÍTICA
Julgamento de Zeca do PT sobre farra da publicidade é marcado para o dia 4
AÇÃO CIVIL
Estado é acusado de discriminar mulheres em concurso da Polícia Militar
DE MS
Morre de causas naturais maior contrabandista do país preso em 2011
ECONOMIA
Nascidos em agosto já podem sacar abono salarial do PIS/Pasep
INTERNACIONAL
Morre aos 76 anos Aretha Franklin, a 'rainha do soul'