Menu
mutantes
tera, 19 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC

Estudos mostram relação entre células do cérebro e depressão

5 Ago 2011 - 09h17Por Correio do Estado/Ig

Segundo estudo, existe relação entre a capacidade de formar novos neurônios na vida adulta e a depressão. P esquisa com camundongos descobriu que ao bloquear a criação dos novos neurônios na região do cérebro chamada de hipocampo, animais adultos apresentaram sintomas de depressão.

“Nosso estudo é o primeiro a mostrar que ao inibir a produção natural de novos neurônios aparecem sintomas do tipo depressivos em um modelo animal”, afirmou ao iG Heather Cameron, do Institutos Nacionais de Saúde nos Estados Unidos e principal autora do estudo publicado hoje (3) no periódico científico Nature.

Heather explica que estudos prévios de Ron Duman propunham que havia uma ligação entre a criação de novos neurônios na idade adulta e depressão baseado em uma descoberta de seu grupo de que os medicamentos antidepressivos aumentavam o nascimento de novos neurônios.

Esta relação foi reforçada por outro estudo do pesquisador Rene Hen que mostrou que os efeitos comportamentais dos antidepressivos não estavam presentes em camundongos que não tinham a formação de novos neurônios. “Essas descobertas, porém, indicavam que os novos neurônios tinham um papel no tratamento da depressão, não na causa dela”, disse Heater.

O trabalho de Heater delineou também a forma como isto acontece ao mostrar que os neurônios jovens amortecem as respostas ao estresse. Ao perder as células cerebrais os animais passaram a responder mais fortemente ao estímulo, liberando mais hormônios relacionados ao estresse e aumentando o comportamento depressivo.

“É sabido que o estresse aumenta este tipo de comportamento em animais e predispõe humanos à depressão, mas não era sabido que os neurônios novos no hipocampo estavam relacionados a essas respostas”, explicou Heather.

O próximo passo da pesquisa será aprender mais sobre o caminho que leva a perda de neurônios jovens a aumentar as respostas ao estresse. “Assim poderemos encontrar mais pontos a serem estudados para reverter o processo”, explicou a pesquisadora.

Suicidas

Outro estudo publicado também nesta quarta-feira (3) foi encontrada uma relação entre  depressão e astrocitos, células presentes na substância branca do cérebro que tem a função de nutrir os neurônios.

Ao estudar uma região do cérebro que regula as emoções, Naguib Mechawar e Gustavo Turecki constataram que astrocitos presentes na substância branca do cérebro de pessoas com histórico de depressão e que se suicidaram era maior do que em pessoas que morreram naturalmente e não tinham histórico da doença. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Justiça confirma proibição da venda de agrotóxicos no Mercado Livre
SEM DEFESA
Advogada ameaça suicídio e júri é suspenso com réu sem defesa em MS
SUPERLUA
Maior superlua em 2019: o fenômeno astronômico que ocorre nesta terça-feira
AGRICULTURA
Em MS, Iagro e SES enfrentam venda e uso irregular de agrotóxicos na agricultura
MÚSICA
João Carlos Martins passa por cirurgia para tratar dor e tem movimento da mão reduzido
CIDADES
'Ganhei um presente embalado', diz mãe de bebê que nasceu dentro da bolsa amniótica
POLÍTICA
Nelsinho Trad é eleito coordenador da bancada de MS em Brasília
POLÍCIA
Tarado que tentou estuprar mulheres é procurado em cidade de MS
BONITO INFORMA TV
Fórum Municipal de Cultura de Bonito convoca comunidade para reunião sobre 20º Festival de Inverno
SAÚDE
Projeto Roda-Hans/Carreta da Saúde está atendendo hoje em Bonito