Menu
mutantes
segunda, 18 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC

Estudante obesa passa por constrangimento em ônibus urbano em MS

30 Mai 2011 - 08h47Por Campo Grande News

Aos 28 anos, pesando 127 quilos, C. é estudante de Letras na UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e utiliza diariamente o transporte coletivo urbano de Campo Grande. Na última quarta-feira, porém, o trajeto entre a Universidade e a casa de C., no final da manhã, foi marcado por uma cena de constrangimento que deixou também um hematoma no abdômen da estudante.

“Eu sempre peço para rodar a catraca e descer pela porta da frente, mas dessa vez o motorista não deixou; ele disse que eu tinha que passar pela catraca porque senão o fiscal iria brigar com ele. Eu passei, mas ficou um roxo enorme na minha barriga”, conta.

De acordo com C., saindo da Universidade, ela pegou o ônibus da linha 087 (Gal. Osório/Guaicurus) por volta das 11h15 e pretendia descer na Praça Ary Coelho para pegar outro ônibus, até sua casa, no Jardim Imá, utilizando o sistema de integração. Era horário de grande movimento e o ônibus, de acordo com C., era equipado com duas catracas, o que torna os espaços ainda mais apertados.

“Quando foi chegando perto da Praça foi que eu pedi pra descer pela frente e ele não deixou. Eu ainda tentei conversar com ele, mas acabei passando na catraca para não perder o horário do outro ônibus, mas principalmente porque fiquei com vergonha de ficar batendo boca”, diz a estudante, informando ainda que não é a primeira vez que precisa discutir dentro do ônibus para convencer motorista ou cobrador de que “não cabe” na catraca.

“Não é todos os dias que eu tenho esse problema, principalmente porque a maior parte dos motoristas, sobretudo na linha do bairro, já me conhece, e eles me tratam bem. Mas já aconteceu mais de uma vez de eu ter que convencer o motorista ou o cobrador de que preciso descer pela frente ou então entrar no ônibus pela porta de trás”, conta.

C. disse ainda que não sabe se vai fazer uma reclamação junto à empresa, mas decidiu contar sua história como uma espécie de apelo: “Eu acho que as empresas pensam muito na tarifa e não pensam nas pessoas. Eles deveriam orientar melhor os motoristas e os cobradores, porque os ônibus têm até banco para obeso, mas essas cadeiras ficam na parte de trás. Como é que a gente chega lá? Se acontece comigo, pode acontecer com outras pessoas”.

Voltando à vida normal - C. diz que sempre foi “gordinha”, mas depois que perdeu o pai, há pouco mais de dois anos, começou a engordar cada vez mais. “Eu cheguei aos 167 quilos, parei de estudar e não saía de casa, porque tinha vergonha e medo de passar esse tipo de situação, de constrangimento”, relata.

Há cerca de um ano, C. iniciou tratamento médico para emagrecer e, aos poucos, foi voltando à vida normal. Perdeu 40 quilos e voltou a estudar. Usa diariamente o transporte coletivo urbano para ir e voltar do campus da UFMS.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Combate a hanseníase: Carreta da Saúde segue por MS e estaciona em Jardim
GERAL
Em MS, 54 mil trabalhadores nascidos em março e abril podem sacar o PIS a partir de quinta-feira
POLÍCIA
PM cumpre dois mandados de prisão e recaptura um evadido do Sistema Prisional em Guia Lopes
POLÍCIA
Polícia Militar apreende 35 pacotes de cigarros contrabandeados em Nioaque
BONITO - MS - SAÚDE
Projeto Roda-Hans/Carreta da Saúde atende amanhã em Bonito
GERAL
Municípios interessados em sediar eventos da Fundesporte devem apresentar propostas até 1º de março
DEFESA SANITÁRIA
Em MS, médicos veterinários cadastrados para coleta de mormo recebem capacitação
ESPORTES
FCMS e Fundesporte abrem inscrições para o primeiro curso de Arbitragem em Canoagem do MS
CULTURA
Músicos lamentam a morte de Dino Rocha, o Rei do Chamamé
CASO DE POLÍCIA NO MS
Em MS, adolescente de 16 anos se tranca em quarto e mata filha de 21 dias sufocada