Menu
KAGIVA
domingo, 20 de janeiro de 2019
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC

Estresse atinge 65% dos bancários, segundo pesquisa

25 Ago 2011 - 11h46Por Agência Brasil/EA
Uma pesquisa feita pelo Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região mostra que 84% dos trabalhadores tiveram algum problema de saúde com frequência acima do normal. De acordo com o resultado da amostragem, o estresse ocupa o primeiro lugar na lista, aparecendo em 65% dos relatos.
 
A pesquisa O Impacto da Organização e do Ambiente de Trabalho Bancário na Saúde Física e Mental da Categoria foi apresentada durante o Seminário Internacional Saúde dos Bancários, hoje (24), na capital paulista.
 
Foram entrevistados 818 bancários de seis instituições, entre novembro de 2010 e janeiro de 2011. Do total, 45% têm até cinco anos de profissão e 65% estão nela há dez anos. Entre os pesquisados, 5% têm ensino médio completo, 15% estão cursando faculdade, 66% têm ensino superior completo e 14% estão fazendo pós-graduação.
 
Do total de entrevistados, 52% disseram ter problema para relaxar por ficar sempre preocupado com o trabalho. Outros 47% informaram que têm fadiga e cansaço constante e 40% sentem dor ou formigamento nos ombros, braços e mãos.
 
Para 65% dos funcionários de agências a pressão excessiva pelo cumprimento de metas é um grande problema. Segundo a pesquisa, 72% dos caixas e 63% dos gerentes disseram sofrer pressões abusivas para superar metas e 42% reclamaram de sobrecarga de trabalho.
 
O estudo indica ainda que 42% dos bancários já sofreram algum tipo de assédio moral, 49% não sentem seus esforços reconhecidos, 44% tiveram suas dificuldades expostas no ambiente de trabalho e 31% foram chamados de incompetentes mesmo cumprindo as metas.
 
Segundo o secretário de Saúde e Condições de Trabalho do Sindicato dos Bancários, Walcir Previtale, as metas e o assédio moral são as maiores preocupações dos trabalhadores do setor. “Temos defendido o fim do assédio moral e das metas abusivas, porque hoje esse é um fator de risco, além do risco de assalto e da contração de lesões. As metas e o assédio moral têm levado os bancários à depressão, ao estresse pós-traumático e à síndrome do pânico”.
 
Previtale ressalta que o assédio moral tem a ver com a organização do trabalho e estratégia de gestão institucionalizada pela empresa. “Elas não assumem e não vão colocar isso em um comunicado interno, mas acabam permitindo práticas de assédio moral no ambiente de trabalho e isso funciona como estratégia. Na verdade, todos são vítimas, o gerente, o chefe, os caixas, os escriturários. Para nós o responsável é o banco e é da direção que cobramos isso.”
 
Segundo ele, há condições de resolver esses problemas. “Temos um programa de combate ao assédio moral que foi assinado com a Federação Nacional dos Bancos em janeiro deste ano. Sabemos que o assédio moral é uma realidade, mas temos uma experiência grande e queremos que os trabalhadores se apropriem desses conceitos para que façamos um combate na origem”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

PREVISÃO DO TEMPO NO MS
Preparem o tereré - Semana deve ter chuvas rápidas e calorão de 38°C em MS
OUSADIA
Pabllo Vittar empina bumbum e mostra tatuagem em ponto estratégico, VEJA
CASO DE POLÍCIA
Rapaz morre em pátio de motel
EM CIDADE DO MS
Temporal de 30 minutos alaga ruas e família fica presa em carro em cidade do MS
ACIDENTE FATAL
Em MS, Cinco pessoas morrem em grave acidente na BR-060
JARDIM E MAIS DUAS CIDADES DO MS
Em Jardim, Uems abre amanhã processo seletivo para professor temporário em duas cidades
BONITO - MS - AÇÃO DA POLÍCIA CIVIL
Polícia Civil prende chefe de um dos restaurantes mais badalados de Bonito (MS)
EM CIDADE DO MS
Estudante de medicina morre após jogar partida de futebol em cidade do MS
BONITO - MS - MARIA DA PENHA
PM é novamente acionada por violência doméstica, essa já é a 3ª em menos de 5 dias em Bonito (MS)
VERÃO - BOMBEIROS ALERTAM
Nos primeiros dias de 2019 bombeiros já registram afogamentos em três cidades do MS