AGÊNCIA_SUCURI_MEGA_BI
Bonito Informa - Notícias de Bonito e região
Bonito, 23 de Outubro de 2017
DELPHOS_FULL
CLINICA_RITH
17 de Maio de 2011 14h33

Erros em livros distribuídos por ministério podem prejudicar estudantes

Agência Brasil

Apesar de não ser o tema da reunião de hoje (17) da Comissão de Educação do Senado, o uso de termos coloquiais da língua portuguesa, inclusive com erros gramaticais, em livros didáticos distribuídos pelo Ministério da Educação (MEC) norteou o debate dos parlamentares. Inicialmente, a audiência foi marcada para discutir com o ministro Fernando Haddad a comparação histórica entre os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Fernando Henrique Cardoso em publicações do MEC para a rede pública. Como o ministro não compareceu, o tema tornou-se secundário.

Para o ex-ministro da Educação do governo Lula Cristovam Buarque existe um risco de se criar duas formas de falar o português. No entender do pedetista, os estudantes da rede pública, ao adotar erros de concordância verbal como regra, não terão a menor chance de passar em um concurso, por exemplo. “Tem que se ter em mente uma questão fundamental: sotaque e regionalismos são uma coisa. A língua portuguesa é outra”, destacou.

Marisa Serrano (PSDB-MS) disse que a ausência do ministro prejudicou os debates. “Ele tem que dar explicações sobre esses fatos. Todos os brasileiros são obrigados a aprender o português.”

O presidente da Associação Brasileira de Editores de Livros (Abrelivros), Jorge Yunes, disse que o importante, no debate, é contextualizar aos estudantes o porquê de a língua portuguesa constar no livro didático "daquela forma". Segundo ele, o certo é o professor "contextualizar a linguagem coloquial e, ao mesmo tempo, ensinar o português oficial".

Com a ausência de Haddad, a comissão dispensou da audiência três representantes do ministério que debateriam a comparação histórica entre os governos Lula e Fernando Henrique Cardoso. O presidente do colegiado, Roberto Requião (PMDB-PR), justificou sua decisão afirmando que o convite foi feito ao ministro Haddad e não a eles. “Eles não foram convidados. Nós convidamos o ministro”, afirmou Requião.

Comentários
Veja Também
bonito_celular
Últimas Notícias
  
dothshop
ANUNCIE AQUI
dothCom © Copyright BonitoInforma - Todos os Direitos Reservados.