Menu
ASSOMASUL MARÇO
sexta, 22 de maro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Enzima natural do corpo pode trazer solução para o vício em álcool e tabaco

9 Set 2011 - 17h14Por Revista Veja online

Uma enzima natural no corpo parece desempenhar um papel importante no controle do cérebro à nicotina e ao álcool. Em testes feitos em laboratório, pesquisadores da Clínica Ernest Gallo e do Centro de Pesquisa, da Universidade da Califórnia, descobriram que a enzima chamada proteína quinase C (PKC, sigla em iglês) ípsolon interferia na maneira como camundongos reagiam às duas substâncias: ficando viciados ou não. O estudo foi publicado na versão on-line do periódico Proceedings of the National Academy of Sciences.

Durante a fase de testes, os camundongos modificados geneticamente para não terem a PKC ípsilon consumiram menos soluções de água contendo nicotina, frente aos animais normais. Eles foram ainda menos suscetíveis à voltar para uma câmara onde haviam recebido nicotina. Em contraste, os animais normais acabaram por aumentar o consumo de nicotina – o que não aconteceu com aqueles que não tinham a PKC.

Em camundongos normais, assim como em humanos, a nicotina se liga a uma determinada classe de receptores localizados nos neurônios, o que acaba por fazer com que a dopamina seja liberada no cérebro. Como a dopamina cria uma sentimento de prazer, sente-se uma sensação de recompensa – ao fumar, a pessoa sente o desejo realizado. Segundo Robert O. Messing, diretor sênior da Clínica Ernest Gallo e professor de neurologia, e Anna M. Lee, coordenadores do estudo, os animais que não tinham a PKC ípsilon também não tinham esses receptores de nicotina.

Álcool - A descoberta complementa pesquisas anteriores, nas quais Messing havia notado que camundongos geneticamente modificados para não terem a enzima PKC ípsilon bebiam menos álcool do que os animais normais, além de serem menos suscetíveis a retornar para uma câmara onde haviam recebido álcool. “Isso pode significar que esses camundongos não recebem a mesma sensação de recompensa da nicotina e do álcool. Pelo o que pudemos ver, essa enzima regula a parte do sistema de recompensa que envolve esses receptores de nicotina”, diz Messing. O sistema de recompensa é um complexo de áreas no cérebro que afetam o desejo por nicotina, álcool e outras substâncias viciantes.

O próximo passo da pesquisa, diz Messing, será desenvolver compostos eficientes em inibir a PKC ípsilon. Assim, será possível criar medicamentos que poderão ser usados para eliminar o vício ao cigarro e ao álcool, apenas ajudando cada pessoa a superar os mecanismos de recompensa no cérebro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RAIOS NO MS
Raio atinge fazenda e mata 21 cabeças de gado na região do Bolsão em MS
ALERTA
Mesmo sem chuva, nível no Rio Miranda sobe e alerta é mantido
BONITO - MS - NA TRIBUNA
CORPO DE BOMBEIROS: Vereadora solicita ao Governo do estado o inicio da construção
CONTA DE LUZ
Conta de luz pode ter aumento de 15% a partir de abril em MS
POLÍCIA
Brasileira estuprada por policiais em prisão da Bolívia é colocada em liberdade
POLÍTICA
Filhos e vítimas de violência doméstica podem ter prioridade na matrícula escolar
POLÍTICA
Em MS, deputados petistas destacam possibilidade de defesa para Temer após prisão
EMPREGOS E CONCURSOS
Marinha abre concurso com 54 vagas e salários de até R$ 11 mil
BONITO - MS
Imasul inicia plano para explorar turismo no entorno da Gruta do Lago Azul em Bonito
ESPORTES
Representantes do MS brilham em seletivas de Jiu-Jitsu e Judô