Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 14 de novembro de 2018
KAGIVA
Busca
Brasil - Cultura

Elis Regina, morta há 30 anos, é homenageada com show dos filhos

19 Jan 2012 - 17h04Por Rede Agora

Em 19 de janeiro de 1982, morria a cantora Elis Regina, de apenas 36 anos. Como toda grande estrela que se preze, sua morte até hoje é cercada de muito mistério, apesar de exames comprovarem que ela morreu por conta do consumo de altas doses de cocaína e bebidas alcoólicas. Trinta anos depois, os filhos Maria Rita, fruto do casamento com o pianista César Camargo Mariano; e João Marcelo Bôscoli, filho também do compositor e produtor Ronaldo Bôscoli, a homenageiam com shows e exposição.

Elis Regina nasceu em Porto Alegre, em 17 de março de 1945 e, em 1960, foi contratada pela Rádio Gaúcha. No ano seguinte, ela se mudava para o Rio de Janeiro, onde gravou o primeiro disco, “Viva a Brotolândia”. A partir daí, começou a fazer grande sucesso no eixo Rio-São Paulo. Entre 1964 e 1967, ela comandou, ao lado de Jair Rodrigues, o programa “O Fino da Bossa”, na TV Record, e gravou, com ele, três álbuns “Dois na Bossa”. Enquanto isso, em 1965, venceu o festival da TV Excelsior, com “Arrastão”, de Vinicius de Moraes e Edu Lobo.

Criticando várias vezes o regime militar, Elis Regina não escapou da mira do cartunista Henfil, quando foi obrigada a realizar um show de graça para o exército. Os dois praticamente só fizeram as pazes quando a cantora marcou com a forte interpretação de “O Bêbado e a Equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, que se tornou uma espécie de hino da anistia e citava justamente o irmão de Henfil, Betinho.

Elis Regina também foi fundamental no lançamento de novos compositores, como, além de João Bosco, Guilherme Arantes, Ivan Lins, Milton Nascimento, Renato Teixeira e Belchior, além de ter sido uma das intérpretes preferidas de Chico Buarque. Até hoje ela é reconhecida como uma das melhores cantoras brasileiras de todos os tempos, em função da qualidade e alcance vocal, mas também pela dramaticidade que imprimia às canções. São inigualáveis, por exemplo, as gravações de “Como Nossos Pais”, “Madalena”, "Romaria" e “Atrás da Porta”, só para citar algumas .

Apelidada de “Pimentinha” pelo poeta Vinicius de Moraes, Elis Regina será lembrada agora por meio do projeto “Viva Elis”, que misturará exposição de fotos, vídeos, entrevistas e um documentário, com os shows de Maria Rita, interpretando pela primeira vez o repertório da mãe. A primeira apresentação acontecerá em 17 de março, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo. Em seguida, ele deve ser levado ao Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Porto Alegre. Todas elas acontecerão ao longo do ano e serão gratuitas.
 

 



 

Deixe seu Comentário

Leia Também

AÇÕES DO GOVENO DO MS
A pedido de Reinaldo, recuperação da principal ferrovia de MS será prioridade de Bolsonaro
CIDADES
Operação contra tráfico de drogas em escolas prende cinco em MS
GERAL
Detran-MS retoma atendimento ao público através do Call Center
EDUCAÇÃO
Abertas as inscrições para o Curso Normal Médio Intercultural Indígena Povos do Pantanal
BONITO - MS - PONTO FACULTATIVO
Prefeitura terá ponto facultativo nesta sexta-feira (16) em Bonito (MS)
CIDADES
Após 10 anos, mulher ganha direito de ter sobrenome de 2 mães já falecidas
ALERTA
Imunização contra febre amarela deve ser feita de forma antecipada
OPERAÇÕES DA PF NO ESTADO
De quarta a domingo, PRF reforça fiscalização nas rodovias do Estado
EDUCAÇÃO
MS terá Centro Nacional de Mídias para implantação do Novo Ensino Médio
CIDADES
Vencedores do XIII Prêmio de Gestão Pública serão conhecidos no dia 19