Menu
mutantes
quarta, 20 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
UNIPAR_PC

Eficiência em aeroportos pode melhorar em 30% apenas com otimização da infraestrutura

29 Jul 2011 - 15h16Por Agência Brasil

O Brasil tem condições de melhorar em 30% a eficiência de seus aeroportos, só com a otimização da infraestrutura existente. A afirmação foi feita hoje (29) pelo ministro da Secretaria Especial de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, durante o balanço da segunda edição do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). Segundo ele, até o fim do ano o check in dos voos passará a ser compartilhado pelas companhias aéreas.

Em sua apresentação, Bittencourt apresentou uma lista de melhorias operacionais da aviação civil que visam a melhorar o aproveitamento da atual infraestrutura. Entre elas, citou a reestruturação da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e do Centro de Gerenciamento Aeroportuário (CGA), responsável fluxo de informações entre envolvidos no processamento de passageiros e bens.

Ele enumera algumas das ações que estão sendo implantadas para isso. De acordo com o ministro, as áreas de raio x foram ampliadas nos aeroportos de Guarulhos (SP) e de Brasília (DF), bem como o número de vagas nos estacionamentos do Galeão (RJ). Em Congonhas (SP), já foi aberto o acesso na parte inferior do aeroporto, o que já ajudou a melhorar a capacidade de embarque de passageiros.

“Além disso, até o fim do ano o check in passará a ser compartilhado pelas companhias aéreas e haverá disponibilidade de internet pelo período de 15 minutos para quem vai embarcar”, acrescentou Bittencourt. Ele acrescentou que, em Guarulhos, as áreas de migração e de embarque serão ampliadas, e o espaço dedicado à Receita Federal "será duplicado".

Ele acrescentou que um acordo de serviços entre empresas aéreas e a Infraero vai regular a relação com as companhias aéreas e permitir fiscalização e trabalho de gestão mais eficazes sobre o desempenho das companhias.

Dentro da reestruturação da Infraero, o ministro reiterou alguns pontos sobre o novo modelo de governança da estatal. “Um novo conselho de administração será criado e terá a função de estipular metas e acompanhar resultados, além de coordenar a reestruturação da empresa. Criaremos também a diretoria de empreendimento para dar apoio especializado à gestão de obras de engenharia.”

Sobre as concessões de aeroportos já previstas, lembrou que 49% do capital da concessionária será da estatal, que terá participação nos dividendos e na administração das unidades. “As empresas serão obrigadas a atender com capacidade e qualidade e não haverá aumento de tarifas aeroportuárias”, garantiu o ministro. O cronograma dessas concessões, disse, “está exatamente em dia”.

Segundo ele, as operadoras terão de fazer todos os investimentos necessários para ampliar a capacidade do aeroporto, a fim de atender às demandas internas e, também, às que surgirão com os eventos esportivos previstos, cumprindo os indicadores de qualidade e conforto previstos no contrato de concessão, que seguem padrões internacionais. “Essas concessões não vão prejudicar funcionários nem seus direitos”, completou.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

GASTRONOMIA
Pão de mandioca com Pesto do Cerrado é petisco bem sul-mato-grossense
ESPORTES
Operário visita o Sete para encostar no líder
CIDADES
Pelo 11° dia, pescadores mantém bloqueio no Rio Paraguai e veem para audiência
GERAL
Fundação de Cultura reconhece mais dívidas em contratos de 2018 com artistas
BONITO - MS
Prefeitura contrata empresa para asfaltar a Vila Machado
TEMPO E TEMPERATURA
Tempo encoberto permanece nesta quarta-feira; sol e chuva se revezam em MS
GERAL
Justiça confirma proibição da venda de agrotóxicos no Mercado Livre
SEM DEFESA
Advogada ameaça suicídio e júri é suspenso com réu sem defesa em MS
SUPERLUA
Maior superlua em 2019: o fenômeno astronômico que ocorre nesta terça-feira
AGRICULTURA
Em MS, Iagro e SES enfrentam venda e uso irregular de agrotóxicos na agricultura