Menu
KAGIVA
segunda, 22 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Dólar no pico muda estratégia de turista

20 Set 2011 - 13h45Por Folha.com

O dólar a R$ 1,73, maior cotação de 2011, assusta os turistas brasileiros que contavam com a moeda na faixa de R$ 1,60 para viajar.

Para os potenciais turistas, a recomendação básica dos consultores é agir com cautela para poder se beneficiar caso a moeda volte a cair. Por outro lado, é importante se preparar caso a moeda fique no atual patamar.

A boa notícia é que, após disparar quase 9% em setembro, o avanço do dólar pode estar perto do fim: é difícil encontrar analistas que esperem uma taxa muito acima de R$ 1,75 no curto prazo.

A má notícia é que dificilmente a moeda deve voltar aos patamares de junho a julho, entre R$ 1,60 e R$ 1,50. Na visão dos analistas, o dólar pode até recuar para R$ 1,65, taxa média do ano.

"Se as condições dos EUA e da Europa se mantiverem inalteradas, o dólar vai naturalmente começar a ceder", afirma Carlos Eduardo Andrade Júnior, diretor de câmbio do banco Rendimento.

A possível queda do juro não deve mudar o cenário.

Há um consenso de que o Banco Central vai rebaixar a chamada taxa Selic mais duas vezes ainda neste ano, trazendo o patamar atual de 12% ao ano para 11%.

Especialistas veem pelo menos dois eventos que podem desestabilizar o cenário acima: um calote da Grécia, ainda considerado improvável; e uma redução dos juros mais drástica que o previsto.

Diante da incerteza, a recomendação é começar a comprar de forma gradativa. Se a moeda recuar, a pessoa pegará uma boa taxa. Se subir, vai ter garantido um preço ainda bom.

Como o cartão de crédito ficou mais caro por causa do IOF mais alto e os travellers-checks caem em desuso, há duas alternativas que o turista deve considerar para sua próxima viagem: o cartão pré-pago ou o tradicional cartão de débito, mas habilitado para fazer operações (saques e compras) no exterior.

O primeiro tem a vantagem não desprezível de livrar o viajante do risco cambial.

"A ideia é comprar um cartão [pré-pago] e ir carregando em parcelas. É interessante também que o turista leve alguma quantia em moeda, já que eventualmente pode encontrar algum estabelecimento que não aceite o produto", aconselha Carlos Abdalla, diretor de câmbio da corretora Renova.

A outra opção, o cartão de débito, pode ser uma saída de emergência para o turista.

"O IOF é o mesmo do traveller-check, você tem segurança e não precisa andar com dinheiro em espécie no bolso", diz Frederico Souza, do Itaú-Unibanco.

Nos dois casos, o usuário tem que ficar atento às tarifas. O cartão pré-pago costuma ter um custo de emissão, enquanto o "débito" tem tarifas para saques, enquanto as compras são isentas.

Esse produto também embute um certo nível de risco cambial: a praxe é que os bancos cobrem a taxa do dia para fazer o débito da conta corrente, mas é difícil saber exatamente qual será essa cotação por conta das práticas distintas de cada instituição.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS
Certificado inclui Bonito no Mapa do Turismo Brasileiro
PESQUISA 2º TURNO - GOVERNADOR
Reinaldo tem 54% em nova pesquisa divulgada nesta segunda-feira 22 de outubro
EMPREGOS
MS tem mais de 2 mil vagas em concursos e salários de até R$ 11 mil
CIDADES
Discussão por xenofobia termina com baiano esfaqueado em MS
CINEMA
Com crítica política, animação brasileira é destaque em festival
GERAL
Para presidente da CBL, falta de leitura favorece notícias falsas
EDUCAÇÃO
Inscritos no Enem podem checar local de provas a partir de hoje
BONITO - MS - APROVADO NA CÂMARA
Câmara aprova projeto de proibição da taxa de religação de água pela Sanesul em Bonito (MS)
NOVELA DA GLOBO
Segundo Sol: Por Karola, Deborah Secco passa a tesoura no cabelão; veja o novo visual
MUNDO DA TV
Fábio Porchat pede demissão da Record