Menu
mutantes
quarta, 20 de fevereiro de 2019
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Dólar eleva os custos dos agricultores às vesperas da safra

29 Set 2011 - 14h30Por Portal Agronotícias/MT

Apesar de os agricultores brasileiros terem adquirido os insumos para a safra de verão 2011/12 com maior antecedência neste ano, os custos da temporada – que já são superiores aos do ano passado – tendem a aumentar com a disparada do dólar. Ao mesmo tempo em que a moeda norte-americana impulsiona os preços dos grãos em reais tornando as exportações mais rentáveis, as matérias-primas utilizadas pelas indústrias de fertilizantes (adubos) e defensivos (agrotóxicos) ficam mais caras, já que maior parte delas vem de fora do país. O produtor tende a gastar R$ 20 a mais por hectare, o que pode elevar os custos da produção de milho e soja no Paraná em R$ 100 milhões (2%).

Ano passado, o Brasil importou volume equivalente a 60% do consumo de fertilizantes e 80% do de defensivos, conforme as entidades que representam o setor. Depois de ver os preços caírem ligeiramente no último ano, a indústria de defensivos (agrotóxicos), que movimenta 70% de seu faturamento no segundo semestre, avalia a situação e está prestes a reajustar os preços de seus produtos. Os defensivos são, ao lado dos adubos e atrás apenas da operação de máquinas, uma das despesas mais pesadas do produtor de soja e milho.

Se os preços dos agrotóxicos subirem 10%, conforme estimam os especialistas, voltarão aos patamares da safra 2010/11. O item era o único a apresentar redução. No Paraná, os gastos totais subiram 4% para a soja e 17% para o milho no último ano, segundo a Secretaria Estadual da Agricultura (Seab). E agora tendem a subir ainda mais. Os agrotóxicos e fertilizantes, juntos, representam 40% dos custos de cultivo.

Para o diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal (Andef), Eduardo Daher, a interferência do câmbio é certa e acontecerá gradualmente. “O dólar não afetará os preços em um só golpe.” Diferente do que ocorre no mercado de adubos, em que as compras se concentram antes do início do plantio, no mercado de agrotóxicos muita água ainda vai rolar. “A sazonalidade dos defensivos se concentra no final do ano. Nosso grande volume de entregas acontece em outubro, novembro e dezembro”, disse Daher. Ao produtor, cabe torcer para que a influência da moeda americana nos preços dos grãos, no momento da venda, compense com folga os gastos reajustados.

A indústria de agrotóxicos prevê aumento no faturamento. Mesmo que o resultado de 2012 não atinja os US$ 8,2 bilhões previstos inicialmente, ficando ao redor dos US$ 8 bilhões estimados atualmente, o valor é maior que os US$ 7,2 bilhões de 2010 (cerca de US$ 900 milhões arrecadados no Paraná). Esse crescimento está relacionado à expansão da safra brasileira de grãos, cujas projeções oficiais começam a ser divulgadas em outubro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança