Menu
KAGIVA
tera, 16 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Diretor do filme Avatar acusa o Brasil de ignorar índios para construir Belo Monte

24 Jun 2011 - 10h14Por Midiamax

O cineasta James Cameron afirmou nesta quinta-feira (23), nos Estados Unidos, que tribos na floresta amazônica brasileira podem recorrer à violência para bloquear a construção da barragem da usina de Belo Monte. A declaração foi feita em Washington, onde foi nomeado "explorador em residência" da revista National Geographic.

Os Caiapós estão indo lutar. Eles não vão simplesmente dar de ombros e ir embora. Eles são a tribo mais agressiva na área.

-O povoado indígena a que ele se refere vive na bacia do rio Xingu, onde o governo brasileiro está avançando com os planos para construir a barragem de Belo Monte, de US$ 11 bilhões, apesar dos protestos de moradores contrários ao projeto.

- O governo brasileiro não está ouvindo a comunidade indígena. Eles estão determinados a construir esta barragem, que vai ser a terceira maior e, provavelmente, a mais ineficiente do mundo.

Cameron é diretor do filme Avatar, que conta a história de como o povo pacífico Na'Vi, do planeta Pandora, é forçado a lutar contra mineiros do planeta Terra que tentam destruir sua sociedade para colocar as mãos em um recurso mineral precioso. Desde que terminou seu trabalho em Avatar, Cameron fez três viagens à região amazônica onde a represa será construída.

O governo brasileiro argumenta que a barragem é necessária para atender às necessidades crescentes de energia do Brasil e para impulsionar o crescimento econômico, com o intuito de elevar o padrão de vida da maioria dos brasileiros.

- Eles poderiam facilmente resolver suas necessidades energéticas através de iniciativas eficientes por uma fração do custo de construção da barragem, e eles não teriam que destruir tanta floresta tropical e deslocar 25.000 indígenas.

Em abril, a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos) pediu ao Brasil que "suspendesse imediatamente o processo de licenciamento" da barragem, e convocou a proteção dos povos indígenas na bacia do rio Xingu, cujas vidas e "integridade física" seriam ameaçadas pelo projeto.

A barragem desviaria 80% do fluxo do rio Xingu para um reservatório artificial, "potencialmente levando ao deslocamento forçado de milhares de pessoas", afirma a entidade sem fins lucrativos Amazon Watch, que luta pelos direitos dos povos indígenas e pela proteção do meio ambiente na Amazônia, em seu site.

No entanto, há duas semanas, o governo brasileiro concedeu uma licença de instalação para a hidrelétrica de Belo Monte, abrindo caminho para o início da construção já no próximo mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DESAPARECEU
Servidora pública com depressão desaparece e preocupa família
PESQUISA IBOPE PARA PRESIDENTE
IBOPE: Para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%
BONITO - MS - RIO MIRANDA
Em Bonito, Rio Miranda volta ao nível normal e Defesa Civil monitora as regiões mais afetadas
MUNDO DA TV
Com paralisia, Liminha segue internado e sem previsão de alta
ENTRETENIMENTO
Na reta final de “Sol”, Remy descobrirá que é tio da Karola
ANIMAIS COM VONTADE DE VIVER
Cachorro com câncer anda em balão, toma sorvete e acampa
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Caravana da Saúde salvou e continuará salvando vidas, diz Reinaldo Azambuja
VENDAVAL NO MS
Vendaval destelha barracão e danifica máquinas agrícolas em fazenda
OPORTUNIDADES NO MS
Concursos em MS oferecem mais de 1,9 mil vagas e salários até R$ 8,6 mil
ELEIÇÕES 2018 - ARTICULAÇÕES
Odilon Jr. visitou Puccinelli na prisão antes de apoio do MDB