Menu
ITALÍNEA DOURADOS
sbado, 20 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

Dilma defende quebra de patente de drogas para diabete e hipertensão

21 Set 2011 - 15h16

Em seu primeiro dia nas Nações Unidas, a presidente Dilma Rousseff defendeu a quebra de patentes de remédios para doenças não transmissíveis como diabete, hipertensão e câncer, em casos considerados de necessidade pública.

Em sua fala na reunião de Alto Nível sobre Doenças Crônicas Não Transmissíveis, Dilma argumentou que o acesso a medicamentos faz parte do direito à saúde. "Sabemos que é elemento estratégico para a inclusão social, para a busca da equidade e para o fortalecimento dos sistemas públicos de Saúde".

Também afirmou que não pode haver diferença no tratamento de doenças transmissíveis e não transmissíveis. "A defesa pelo acesso a medicamentos e a promoção à prevenção à saúde devem caminhar juntas. O Brasil respeita seus compromissos em matéria de propriedade intelectual, mas estamos convencidos de que as flexibilidades previstas em acordos globais (...) são indispensáveis para políticas que garantam o direito à saúde", afirmou Dilma.

Entre os acertos globais citados pela presidente estão o acordo internacional de propriedade intelectual (Trips, em inglês) da Organização Mundial do Comércio (OMC), a Declaração de Doha sobre Trips e saúde pública e a Estratégia Global sobre Saúde Pública.

Em 2001, após muita discussão, a Declaração de Doha sobre Trips determinou que, em casos de necessidade pública, países poderiam quebrar patentes em vigor de medicamentos necessários ao controle de epidemias.

No entanto, a declaração tratava apenas de doenças transmissíveis que podem se alastrar rapidamente, como aids - cujos medicamentos foram os primeiros a ter patentes quebradas e, mais recentemente, a gripe suína.

Ironicamente, os Estados Unidos, um dos países mais contrários à quebra de patentes, foram um dos primeiros a usar o expediente para fabricar em larga escala o Tamiflu, droga usada no combate à gripe suína.

De acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que acompanha a presidente em Nova York, o Brasil não teria planos ou necessidades imediatas de quebrar patentes no momento.

No entanto, ele reforçou o discurso de Dilma, defendendo que as doenças não transmissíveis, responsáveis pela morte de 36 milhões de pessoas ao ano, a maioria em países em desenvolvimento, precisam ter o mesmo tratamento das contagiosas.

"A distinção entre doenças transmissíveis e não transmissíveis é uma discussão ultrapassada, e o Brasil não aceita isso", disse Padilha. "Quando a ONU traz essa discussão para os chefes de Estado é porque reconhece como um problema de saúde pública mundial."

Estreia. Em seu primeiro discurso nas Nações Unidas, a presidente falou rapidamente, menos de cinco minutos.

Em nenhum momento Dilma citou o fato de ser ela mesma uma vítima de câncer, uma das doenças não transmissíveis mais caras e difíceis de tratar. A presidente, porém, demonstrou emoção quando começou a falar sobre o tema.

1ª patente caiu em 2007

Em abril de 2007, o Ministério da Saúde, à época liderado por José Gomes Temporão, declarou de "interesse público" o antirretroviral Efavirenz, medicamento utilizado no tratamento da aids. Foi o primeiro passo para a quebra da patente da droga, o que ocorreu no mês seguinte. O motivo foi o laboratório Merck Sharp & Dohme , detentor da patente do Efavirenz, não ter aceitado uma proposta de redução de preço. Titulares anteriores da pasta, como Humberto Costa e José Serra, haviam ameaçado farmacêuticas com a quebra de patentes de remédios, mas acordos foram realizados.

Metas são do ano 2000

Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio são metas pactuadas pelo Brasil e outros 190 países da Organização das Nações Unidas para melhorar indicadores sociais, ambientais e econômicos até 2015. As oito metas foram definidas em reunião da Cúpula do Milênio, realizada em Nova Iorque, em 2000. Subdividem-se em 18 objetivos e 48 indicadores. O Brasil tem se destacado em algumas áreas, principalmente na promoção da igualdade entre os sexos e no combate à pobreza extrema e à fome, assim como à mortalidade infantil. Objetivos relativos a educação e meio ambiente foram alcançados em parte.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IBOPE NO MS - PESQUISA
IBOPE em Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 53%; Odilon, 47%
BONITO - MS - AÇÕES MEIO AMBIENTE
SEMA distribui frutas produzidas no Viveiro de Mudas Nativas de Bonito (MS)
BONITO - MS - REFORMA
Prefeitura reforma instalações do Programa Bolsa Família que atende 650 beneficiários em Bonito (MS)
ELEIÇÕES 2018 - FÁBRICA DE FAKE NEWS
Polícia e Justiça 'explodem' fábrica de fake news de coordenador de Odilon
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS DO MS
Empresário e filho de 1 ano que morreram em acidente, retornavam de Bonito (MS)
BONITO - MS - ESPORTE -
Bonito (MS) recebe estadual de beach tennis neste fim de semana
TIRO ACIDENTAL
Pai foge após matar filho de 10 anos com tiro acidental no ouvido em cidade do MS
BONITO - JARDIM - BODOQUENA E BELA VISTA
BONITO e mais 3 cidades recebem auxilio da Agesul na recuperação de estradas devido as chuvas
PESQUISA NO MS
Em nova pesquisa, Reinaldo tem 54.21% e Juiz Odilon 45.79%, VEJA NÚMEROS
DATAFOLHA - PRESIDENTE
Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%