Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 21 de novembro de 2018
KAGIVA
Busca

Dieta radical reverte diabetes tipo 2 em pacientes

24 Jun 2011 - 16h05Por Folha.com

Um estudo publicado em uma revista científica no Reino Unido sustenta que uma dieta radical de 600 calorias por dia, durante oito semanas, pode reverter diabetes tipo 2 em pessoas recém-diagnosticadas com a doença.

O artigo dos pesquisadores da universidade de Newcastle, publicado na revista científica "Diabetologia", indicou que a dieta reduziu os níveis de gordura no fígado e no pâncreas de 11 pacientes estudados, ajudando os níveis de insulina a voltar ao normal.

Todos os 11 haviam sido diagnosticados com diabetes tipo 2 até quatro anos antes. Três meses após o tratamento, sete estavam livres da doença. O nível de produção de insulina se manteve estável mesmo após a volta à alimentação normal.

Os pesquisadores disseram que é preciso continuar os estudos para verificar se o efeito é permanente.

O diretor do Centro de Ressonância Magnética da Universidade de Newcastle, Roy Taylor, disse que não recomenda a dieta e que o experimento teve como única finalidade observar efeitos científicos.

"Esta dieta foi usada apenas para testar a hipótese de que, ao perder peso substancialmente, as pessoas 'perdem' também a diabetes", disse o acadêmico.

"Embora este estudo seja com pessoas diagnosticadas com diabetes apenas nos últimos quatro anos, há potencial para as pessoas com diabetes de mais longo prazo tentarem reverter as coisas."

REDUÇÃO DE PESO

A diabetes tipo 2 ocorre quando a produção de insulina, responsável por quebrar as moléculas de açúcar no sangue, é insuficiente ou quando a insulina produzida não funciona corretamente. Dá-se então um acúmulo de açúcar no corpo.

A dieta fez com que os participantes da pesquisa cortassem radicalmente a ingestão de calorias por dois meses, consumindo apenas alimentos dietéticos líquidos e legumes sem amido.

Depois de uma semana fazendo o experimento, os pesquisadores observaram que os níveis de açúcar no sangue dos pacientes antes do café da manhã já haviam voltado ao normal.

Imagens de ressonância magnética mostraram que os níveis de gordura nos pâncreas dos estudados haviam caído de cerca de 8%, um nível elevado, para em torno de 6%.

Três meses após o fim da dieta, quando os participantes haviam voltado a se alimentar normalmente com ajuda de nutricionistas e dicas de alimentação saudável, os médicos perceberam que a maioria já não sofria da condição.

A pesquisadora Ee Lin Lim, que fez parte da equipe, disse que nem todos se curaram da doença porque "tudo depende de quanto os indivíduos são suscetíveis" a ela.

"Precisamos descobrir por que algumas pessoas são mais suscetíveis que outras, e então trabalhar com elas. Nesse estudo, não chegamos a essas conclusões", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Com 115 vagas em MS, Mais Médicos abre inscrições para substituir cubanos
MELHOR DESEMPENHO
Sul-mato-grossense de 3 anos é destaque nacional por desempenho escolar
TECNOLOGIA
Novo aplicativo moderniza interação com consumidor e ajuda a entender tarifa de energia
TEMPO E TEMPERATURA
Tempo em Mato Grosso do Sul continua instável
RALLY DOS SERTÕES - LARGADA NA CAPITAL
Para Reinaldo, Rally dos Sertões é aposta para fomentar turismo e economia em MS
SORTEIO DE CARRO 0KM
Hotel Cassino Amambay fará sorteio de um carro Prisma 0 KM, veja como participar
FAMOSIDADE
Mãe do filho de Neymar compartilha clique de biquíni e enlouquece a web
NOVO GOVERNO - 1º ESCALÃO
Bolsonaro anuncia deputado Mandetta como futuro ministro da Saúde
TODO CUIDADO É POUCO
Adolescente morre ao tocar em cerca elétrica em Dourados
LUTANDO PELA VIDA
Lutando pela vida: mesmo após 2 transplantes, leucemia volta e jovem precisa fazer tratamento em SP