Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 15 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Dez anos após ataques nos EUA, Brasil condena excesso de poder militar no mundo

12 Set 2011 - 10h46Por Agência Brasil

Uma década depois dos ataques de 11 de setembro, o Brasil condena as práticas que vão em oposição à busca pela paz e estabilidade no mundo. Em cerimônia em Istambul, na Turquia, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, ressaltou que o mundo atual deve buscar mecanismos de equilíbrio e condenou o que chamou de excesso de “poder militar”.

Patriota se reuniu ontem (11) com o chanceler turco, Ahmet Davuto?lu. Hoje (12) será a vez de ele se encontrar com o presidente da Turquia, Abdullah Gül. O objetivo é organizar a visita da presidenta Dilma Rousseff ao país em outubro.

Ao mencionar o episódio de 11 de setembro, o chanceler referiu-se não só aos ataques terroristas, mas também às guerras no Afeganistão e Iraque, além da crise que atinge a Líbia e a Síria. Segundo ele, as “intervenções” mostraram a incapacidade de solução de conflitos.  "O mundo unipolar acabou", disse Patriota. Segundo ele, as guerras recentes – no Afeganistão e Iraque – indicaram que há mais atores no mundo atual.

"A guerra no Iraque e no Afeganistão mostrou os limites do poder militar, país algum solitariamente pode estabelecer a direção do mundo. Nem os mais poderosos  e temos novos atores presentes", disse o chanceler, destacando a necessidade de reformar o Conselho de Segurança das Nações Unidas para até 25 membros – atualmente são 15, entre fixos e rotativos.

Patriota lembrou que nos últimos conflitos milhares de pessoas morreram, entre militares e civis. O chanceler ressaltou que só há um caminho para alcançar o desenvolvimento e o equilíbrio global: “A paz é que promove a paz. A tolerância da educação é o caminho”. De acordo com ele, o governo brasileiro é favorável ao diálogo e a soluções negociadas.

No discurso para analistas e autoridades turcas, o chanceler lembrou ainda as dificuldades por que passam vários países da África – no Chifre da África, que reúne a Somália e o Quênia, por exemplo, a fome ameaça matar milhares de pessoas, principalmente crianças e adolescentes. “É necessário garantir um sistema de estabilidade global”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SIDROLÂNDIA E MARACAJU
Com tecnologia de R$ 70 mil, produtor usa lavoura para apoiar Bolsonaro em Mato Grosso do Sul
BONITO - MS - MAIS ASFALTO EM RUAS
Asfalto está chegando na Rua das Esmeraldas, ela não estava incluída no projeto original em Bonito
MIRANDA - MS - INVESTIMENTOS DO GOVERNO DO MS
Governo do MS investe R$ 1,9 milhão na recuperação de ruas que estavam abandonadas em Miranda (MS)
BONITO - MS - LEVANTAMENTO DO FESTIVAL DE INV
BONITO (MS): Em levantamento, 84% do público que passou pelo Festival de Inverno eram do MS
CIDADES
Curso para Disseminadores da Educação Fiscal está com inscrições abertas
CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO ESTADO
Divulgado resultado final de Programa que concede recursos para eventos técnico-científicos em MS
BONITO - MS - ATENÇÃO A TODOS
Decreto proíbe entulho de construção em ruas e calçadas em Bonito (MS)
FATALIDADE
Pecuarista de 78 anos morre pisoteado por boi em curral
REFLEXOS INDESEJADOS
Quase metade dos presos de MS são ligados ao tráfico
50%
Caixa oferta 158 imóveis com descontos para venda no Estado