Menu
ITALÍNEA DOURADOS
sbado, 20 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

Depois de sete horas de ocupação trabalhadores sem terra liberam acesso ao Ministério

23 Ago 2011 - 16h15Por Agência Brasil

 Depois de quase sete horas de ocupação, manifestantes ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) e à Via Campesina liberaram o acesso ao Ministério da Fazenda. Antes das 7 horas da manhã, os sem-terra ocuparam o saguão de entrada do prédio para pedir rapidez na execução da reforma agrária. Com faixas, cartazes, bandeiras e um carro de som, impediram a entrada dos servidores no ministério.

Os sem-terra decidiram desbloquear a entrada do edifício, na Esplanada dos Ministérios, depois de negociar uma reunião com ministros para discutir as reivindicações do movimento. O encontro foi confirmado pelo secretário nacional de Articulação Social, Paulo Maldos, da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Marcado para às 17 horas no Palácio do Planalto, a negociação será coordenada pelo ministro Gilberto Carvalho, chefe da Secretaria-Geral e responsável pela articulação do governo com os movimentos sociais. Participarão também a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin e o secretário adjunto de Política Econômica, Gilson Bittencourt.

O assentamento de famílias acampadas e a renegociação de dívidas de pequenos agricultores são os dois pontos considerados mais urgentes pelos sem-terra. O movimento estima que 55% dos agricultores familiares do país estão endividados. O MST também quer o assentamento imediato de mais de 160 mil famílias em áreas destinadas à reforma agrária.

O integrante da coordenação nacional do MST, João Paulo Rodrigues cobrou uma posição da presidenta Dilma Rousseff em relação ao assentamento das famílias acampadas. “Não há nenhuma informação, até agora [assentamento]. Esperamos que Dilma oriente seus ministros a atender parte da nossa pauta. A relação com o governo é boa, o problema é o resultado”.

Os sem terra também querem incentivos fiscais para a produção de alimentos sem o uso de agrotóxicos. “Tem incentivo para vender agrotóxico e não tem incentivo para produção de alimentos agroecológicos pelos pequenos produtores”, reclamou Gilberto Cervinski, líder da Via Campesina.

Os movimentos sociais ligados aos sem-terra decidiram ocupar o Ministério da Fazenda porque o órgão é o responsável por definir o destino dos recursos da União. Desde o início do protesto, os manifestantes exigiam uma reunião com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que passou a manhã em uma audiência pública no Senado Federal.

A Polícia Militar do Distrito Federal estimou que o protesto reuniu de 1,2 mil a 2,4 mil pessoas. Após liberar a entrada do prédio do ministério, os manifestantes oassaram a ocupar o estacionamento em frente ao prédio.

Deixe seu Comentário

Leia Também

IBOPE NO MS - PESQUISA
IBOPE em Mato Grosso do Sul, votos válidos: Azambuja, 53%; Odilon, 47%
BONITO - MS - AÇÕES MEIO AMBIENTE
SEMA distribui frutas produzidas no Viveiro de Mudas Nativas de Bonito (MS)
BONITO - MS - REFORMA
Prefeitura reforma instalações do Programa Bolsa Família que atende 650 beneficiários em Bonito (MS)
ELEIÇÕES 2018 - FÁBRICA DE FAKE NEWS
Polícia e Justiça 'explodem' fábrica de fake news de coordenador de Odilon
TRAGÉDIA NAS ESTRADAS DO MS
Empresário e filho de 1 ano que morreram em acidente, retornavam de Bonito (MS)
BONITO - MS - ESPORTE -
Bonito (MS) recebe estadual de beach tennis neste fim de semana
TIRO ACIDENTAL
Pai foge após matar filho de 10 anos com tiro acidental no ouvido em cidade do MS
BONITO - JARDIM - BODOQUENA E BELA VISTA
BONITO e mais 3 cidades recebem auxilio da Agesul na recuperação de estradas devido as chuvas
PESQUISA NO MS
Em nova pesquisa, Reinaldo tem 54.21% e Juiz Odilon 45.79%, VEJA NÚMEROS
DATAFOLHA - PRESIDENTE
Datafolha para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%