Menu
BONITO CÂMARA OUTUBRO 2019
tera, 22 de outubro de 2019
BANNER ANNA
Busca
agencia

Depois de família já ter doado os órgãos, hospital descobre que paciente estava vivo

25 Mar 2011 - 15h04Por Folha.com

A família de um homem vítima de um tiro na cabeça afirma que já havia até autorizado a doação dos órgãos quando, surpresos, foram informados de que, na verdade, ele não havia morrido.

Eles contam que o cobrador Hamilton Souza Maia, 43, foi diagnosticado com morte cerebral num hospital de São Paulo e, no dia seguinte, moveu as pernas, a cabeça e levantou uma mão.

Os movimentos chegaram a ser classificados como "reflexos" pelos enfermeiros. Horas mais tarde, porém, três médicos afirmaram que Maia, internado desde terça no hospital municipal José Storopolli, conhecido como Vermelhinho, estava vivo.

"Já estava com a sala do velório agendada quando vi a cena e tive a informação. Estou chocada", diz a mulher do cobrador, a dona de casa Eva Vilma Souza Maia, 48.

Atingido por um tiro por volta das 22h30 de terça, quando um ladrão tentou levar seu carro, o cobrador foi levado para o Vermelhinho, na Vila Maria, na zona norte.

Como não havia equipamentos de tomografia ali, ele foi encaminhado ao complexo hospitalar do Mandaqui, também na zona norte, onde passou pelo exame.

"Quando ele voltou de lá, o médico disse que a tomografia havia comprovado que ele teve morte cerebral. Até me pediram autorização para doar os órgãos e eu autorizei", afirma Eva.

Anteontem à tarde, ela recebeu a informação de que o marido estava vivo e reagia a impulsos. "O médico beliscou a mão dele e ele se mexeu. Fiz cócegas nos pés e ele reagiu", diz a dona de casa.

Apesar de responder a estímulos, o estado de saúde do cobrador ainda é gravíssimo, diz a família. O projétil está alojado em sua cabeça e ele perdeu massa encefálica.

OUTRO LADO

A Secretaria de Estado de Saúde, órgão responsável pelo complexo hospitalar do Mandaqui, informou que o exame feito em Hamilton Souza Maia aponta que ele estava em coma irreversível. O órgão afirmou ainda que em nenhum momento usou o termo morte cerebral.

Já a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pelo hospital Vermelhinho, disse que abrirá uma investigação preliminar para apurar se houve falhas e se os procedimentos que devem ser adotados em casos de morte encefálica e de doação de órgãos foram seguidos corretamente pelos profissionais

Deixe seu Comentário

Leia Também

Extorsão
Suspeito de extorsão em área de conflito, policial é levado ao Presídio Militar da capital
FATALIDADE
Motociclista cai em vala de água fluvial e morre na BR-158
Tatu na câmara
Polícia captura tatu no pátio de câmara municipal de cidade de MS
Policial
Bebê internada após colocar pedra de crack na boca recebe alta
BONITO - MS - FOTOS
Veja as FOTOS da Festa e Churrasco da Inauguração da Rural Agro Soluções em Bonito (MS)
POSSE
Governo inicia posse de mais 200 novos servidores da Agepen
ELE JÁ TINHA MEDIDA PROTETIVA
EM BONITO: rapaz procura a polícia após sofrer ameaças e perseguições de ex-companheiro
ESFAQUEADO
Homem sai para beber com os amigos e quando chega em casa é esfaqueado pela esposa
Violência
Após agredir esposa, homem sai na rua com a filha no colo e uma faca na mão
SORTEIO
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 21,5 milhões nesta terça-feira