Menu
BANNER ANNA
segunda, 20 de janeiro de 2020
Busca
BONITO AGUAS DE BONITO

Depois de família já ter doado os órgãos, hospital descobre que paciente estava vivo

25 Mar 2011 - 15h04Por Folha.com

A família de um homem vítima de um tiro na cabeça afirma que já havia até autorizado a doação dos órgãos quando, surpresos, foram informados de que, na verdade, ele não havia morrido.

Eles contam que o cobrador Hamilton Souza Maia, 43, foi diagnosticado com morte cerebral num hospital de São Paulo e, no dia seguinte, moveu as pernas, a cabeça e levantou uma mão.

Os movimentos chegaram a ser classificados como "reflexos" pelos enfermeiros. Horas mais tarde, porém, três médicos afirmaram que Maia, internado desde terça no hospital municipal José Storopolli, conhecido como Vermelhinho, estava vivo.

"Já estava com a sala do velório agendada quando vi a cena e tive a informação. Estou chocada", diz a mulher do cobrador, a dona de casa Eva Vilma Souza Maia, 48.

Atingido por um tiro por volta das 22h30 de terça, quando um ladrão tentou levar seu carro, o cobrador foi levado para o Vermelhinho, na Vila Maria, na zona norte.

Como não havia equipamentos de tomografia ali, ele foi encaminhado ao complexo hospitalar do Mandaqui, também na zona norte, onde passou pelo exame.

"Quando ele voltou de lá, o médico disse que a tomografia havia comprovado que ele teve morte cerebral. Até me pediram autorização para doar os órgãos e eu autorizei", afirma Eva.

Anteontem à tarde, ela recebeu a informação de que o marido estava vivo e reagia a impulsos. "O médico beliscou a mão dele e ele se mexeu. Fiz cócegas nos pés e ele reagiu", diz a dona de casa.

Apesar de responder a estímulos, o estado de saúde do cobrador ainda é gravíssimo, diz a família. O projétil está alojado em sua cabeça e ele perdeu massa encefálica.

OUTRO LADO

A Secretaria de Estado de Saúde, órgão responsável pelo complexo hospitalar do Mandaqui, informou que o exame feito em Hamilton Souza Maia aponta que ele estava em coma irreversível. O órgão afirmou ainda que em nenhum momento usou o termo morte cerebral.

Já a Secretaria Municipal de Saúde, responsável pelo hospital Vermelhinho, disse que abrirá uma investigação preliminar para apurar se houve falhas e se os procedimentos que devem ser adotados em casos de morte encefálica e de doação de órgãos foram seguidos corretamente pelos profissionais

Deixe seu Comentário

Leia Também

O BICHO PEGOU
Escreveu não leu, pau comeu, Homem é agredido com facão após não juntar roupa
ASSUSTADOR
Gatos são encontrados mutilados na frente de residência
ATENÇÃO BONITO - MS -
Agendamento já começou para o atendimento da Carreta do Hospital do Câncer em Bonito (MS)
BONITO - MS -
Movimento quer preparar a cidade para impactos da sua expansão econômica em Bonito (MS)
BONITO - MS - AÇÕES CONTRA A DENGUE
Com multa de mais de R$ 5 mil, Prefeitura e MP notificam proprietários de terrenos sujos em Bonito
INSCRIÇÃO
Estudantes podem se increver no Sisu a partir desta terça-feira
Contrabando
Denúncia anônima leva DOF até contrabando em caminhão camuflado
AMEAÇA É CRIME!
Marido ameaça esposa de morte após mulher ir até a casa de uma amiga, em Bonito
Irmãs siamesas
Após 17 dias, morrem gêmeas siamesas nascidas em Campo Grande
Afogado
Menino de dois anos morre afogado em caixa d’água durante brincadeira