Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
quinta, 21 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Custo para fazer carro no Brasil é 60% maior do que na China

30 Jun 2011 - 15h17Por Folha.com

O custo de produção de um carro no Brasil é 60% maior do que na China, considerando modelos equivalentes com motorização 1.3 a 1.5, segundo estudo sobre a competitividade do setor divulgado nesta quarta-feira pela Anfavea (associação das montadoras).

Índia e México, com custo 5% e 20% superior, respectivamente, foram os outros dois países avaliados nesse comparativo pela consultoria PricewaterhouseCoopers, responsável pelo levantamento.

A mão de obra é uma das responsáveis por essa diferença, custando 5,3 euros por hora, incluindo na conta os encargos sociais. O valor é mais do dobro do registrado no México (2,6) e muito acima do contabilizado na Índia (1,2) e na China (1,3).

Questionado, o presidente da Anfavea, Cledorvino Belini, não quis mensurar o peso das despesas com o trabalhador no custo final de um carro. "Vai depender de cada montadora."

A solução proposta pela associação ao governo federal, ao qual o estudo foi apresentado nas duas últimas semanas a vários ministérios, é investir em inovação, o que inclui engenharia, tecnologia de produtos e processos e pesquisa de materiais de origem local para a produção.

"O caminho que encontramos foi a oportunidade por meio da inteligência automotiva. Não adianta pedir redução do imposto sobre o aço, do custo do dinheiro", afirmou Belini, citando entraves à competitividade sempre lembrados pelo setor em ocasiões anteriores.

O preço do aço foi outro item analisado na pesquisa, sendo 40% superior no Brasil ao valor encontrado no México, na China e na Índia.

POLÍTICA INDUSTRIAL

A expectativa da Anfavea é fazer parte da nova política industrial que está sendo elaborada pelo governo. De acordo com o presidente da entidade, um grupo foi formado com representantes dos ministérios do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fazenda e Ciência e Tecnologia para avaliar o estudo do setor.

A projeção é que, caso haja esse incentivo à inovação, o saldo comercial entre importações e exportações possa voltar a ser equilibrado até 2016.

Perguntado sobre o interesse das montadoras que já anunciaram a instalação de fábricas no Brasil ou expansão nos próximos anos, apesar dos dados desfavoráveis em relação a outros países, Belini disse que a atração se justifica pelo mercado consumidor interno e seu potencial de crescimento.

A perspectiva é que as vendas cheguem a 3,69 milhões de veículos (automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões) neste ano, com crescimento de 5% ante 2010, e a 6 milhões em 2020.

Apesar do horizonte positivo, o executivo destacou que a produção deve crescer 45% no comparativo entre 2005 e a projeção para o fechamento de 2011 (3,42 milhões de unidades), enquanto os licenciamentos terão expansão de 115% no mesmo intervalo. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança