Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
quinta, 21 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Crise internacional pode reduzir investimentos diretos e tornar país mais vulnerável

15 Ago 2011 - 09h03

O aprofundamento da crise financeira internacional pode tornar o Brasil mais vulnerável às turbulências globais por meio de um mecanismo que fundamentalmente tem servido como fonte de compensação para os rombos nas contas externas: os investimentos estrangeiros diretos. A avaliação é de economistas ouvidos pela Agência Brasil.

Os especialistas acreditam que o agravamento da crise nas nações desenvolvidas provocará uma queda no fluxo de investimentos diretos que entram no país. A diferença entre as avaliações está na intensidade do fenômeno e nos possíveis efeitos da redução desse tipo de recurso sobre a economia brasileira.

Os investimentos estrangeiros diretos são os recursos que entram no país para criar empregos e expandir ou modernizar a capacidade produtiva, como a construção de fábricas e a compra de equipamentos. As dificuldades nos países avançados podem fazer as matrizes de empresas multinacionais adiarem ou cancelarem investimentos nas filiais em outros países.

A economista sênior do banco RBS para a América Latina, Zeina Latif, acredita que a retração dos investimentos diretos deverá ser transitória por causa do aquecimento das economias emergentes, que pode manter o interesse das empresas estrangeiras no Brasil. “Um pouco depois de a Grécia fechar o pacote de ajuda internacional, houve um impacto nos investimentos diretos, mas a desaceleração durou pouco tempo”, diz.

Com o rebaixamento da nota da dívida pública norte-americana e a ameaça de que a crise fiscal na Europa atinja as grandes economias do continente, Zeina acredita que os investimentos estrangeiros diretos se retrairão nos próximos meses. “Pode ser que ocorra uma acomodação, mas o problema é mundial, nada específico do Brasil”, avalia.

O professor de economia internacional André Nassif, da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Fundação Getulio Vargas (FGV), é menos otimista. Para ele, é falsa a impressão de que o país está mais preparado para enfrentar uma nova crise global do que em 2008, como declararam na última semana o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

Segundo o professor, o país está mais sujeito às turbulências internacionais por causa do rombo das contas externas, que aumentou consideravelmente nos últimos anos. “Em 2008, o Brasil tinha superávit em transações correntes [contas externas]. Em 2011, o país fechou o primeiro semestre com déficit de US$ 25 bilhões e o Banco Central projeta que o rombo vá fechar o ano em US$ 60 bilhões”, observa.

Para financiar o rombo nas contas externas e impedir que as reservas internacionais, atualmente em torno de US$ 350 bilhões, sejam consumidas e o dólar dispare, o país conta com os investimentos no mercado financeiro, de caráter especulativo, e os investimentos diretos, que estimulam a produção. O problema, alega o professor, consiste no fato de que as estatísticas do Banco Central incluem, entre os investimentos diretos, empréstimos entre matrizes e filiais de empresas que podem ser aplicados no mercado financeiro.

“Em caso de deterioração no cenário internacional, esses empréstimos intercompanhia [nome dado às operações entre matrizes e filiais] podem fugir do país e uma das principais fontes de financiamento das contas externas pode secar”, adverte.

Nos seis primeiros meses do ano, os investimentos diretos líquidos bateram recorde e somaram US$ 42,7 bilhões, segundo o Banco Central. Esse valor representa a diferença entre o que as empresas estrangeiras investem no Brasil e o que as companhias brasileiras investem no exterior. Desse total, o ingresso de recursos por meio de empréstimos intercompanhia soma US$ 23,8 bilhões, dos quais US$ 17,1 bilhões vêm de filiais de multinacionais brasileiras que devolvem dinheiro para a matriz no país. Esse valor tinha sido US$ 15,2 bilhões em todo o ano passado e é cinco vezes maior que os US$ 3,2 bilhões registrados no primeiro semestre de 2010. “É difícil acreditar que pelo menos parte desse dinheiro não esteja sendo usada para especulação”, ressalta Nassif.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança