Menu
KAGIVA
segunda, 10 de dezembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Contrato de amistoso da seleção contra Portugal em Brasília é alvo de investigação

15 Ago 2011 - 14h17Por O Globo

 A polícia do Distrito Federal investiga fraude na contratação da empresa que promoveu um amistoso entre a seleção brasileira e Portugal, em novembro de 2008, que terminou com vitória do Brasil por 6 a 2 na reinauguração do estádio Bezerrão, no Gama, região metropolitana de Brasília. Policiais civis cumpriram mandados de busca e apreensão, neste sábado, no Rio de Janeiro.

Segundo as investigações, o amistoso, organizado pela empresa Ailanto Marketing, com sede no Rio, custou R$ 9 milhões ao governo do Distrito Federal. A empresa, de propriedade de Vanessa Almeida Precht e de Alexandre Russel Feliu, iniciou suas atividades pouco mais de um mês antes da realização do amistoso. A polícia diz que a Ailanto Marketing não possuía sequer telefone fixo, e tinha um capital social de apenas R$ 800.

Uma equipe formada por 12 policiais civis do Distrito Federal foram ao Rio para cumprir mandados de busca e apreensão na sede da empresa, no Leblon, na Zona Sul da cidade. A polícia de Brasília afirma que para negociar com o governo do DF, a Ailanto obteve do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, a cessão de direitos sobre o jogo.

Segundo a investigação, o então governador José Roberto Arruda, ao assinar contrato com a empresa, juntamente com o então secretário de Esportes, Aguinaldo Silva de Oliveira, ignorou a decisão da procuradoria do Distrito Federal, que considerou imprestáveis os motivos que justificavam o valor do espetáculo. Arruda foi preso em fevereiro do ano passado sob acusação de tentativa de suborno no escândalo conhecido como "mensalão do DEM de Brasília". O mandato dele foi cassado em março do mesmo ano pelo TRE por infidelidade partidária.

Rombo ultrapassou R$ 9 milhões, diz polícia

A polícia afirma que o rombo nos cofres públicos do Distrito Federal ultrapassou os R$ 9 milhões, uma vez que as despesas com o jogo, que eram de responsabilidade da empresa Ailanto Marketing, foram pagas pela Federação Brasiliense de Futebol, à época presidida por Fábio Simão, que também foi chefe de gabinete do ex-governador Arruda.

O advogado do ex-governador, Edson Smaniotto, disse que há exceções que permitem aos governos fazer contratos sem licitação. Para o advogado, por exemplo, não há como fazer licitação quando se trata de seleção brasileira.

Fábio Simão disse que em nenhum momento os R$ 9 milhões referentes à promoção da partida passaram pela Federação Brasiliense de Futebol.

O assessor de imprensa da CBF, Rodrigo Paiva, informou que os jogos da seleção brasileira são vendidos a uma empresa da Arábia Saudita, que detém os direitos de negociação, contratação e produção dos eventos. Segundo o assessor da CBF, deveria ter sido esta empresa a vendedora dos direitos à Ailanto Marketing. Portanto, diz o assessor, a CBF não tem relação com as irregularidades.

Os donos da Ailanto e Aguinaldo de Jesus, ex-secretário de Esportes do Distrito Federal, foram procurados pelo "Jornal Nacional", mas não foram encontrados para falar do caso.  

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES NO MS
UFMS abre 74 vagas para professores substitutos com salário de até R$ 6 mil em 7 cidades do MS
VÍDEO - UFC - MARRETA
Assista ao nocaute de Thiago Marreta sobre Manuwa no UFC
DOURADOS - ASSALTO À IDOSA
Idosa é espancada, esfaqueada e vai parar na UTI após assalto em Dourados
AÇÕES DA G.M DE BONITO
Guarda Municipal de Bonito prende condutor embriagado em flagrante
AÇÕES DA GUARDA MUNICIPAL DE BONITO
Menores são presos por estarem destruindo o patrimônio público em Bonito
CONCURSOS
EDITAL da Polícia Militar abre 120 vagas com salário de R$ 5.769,42
TECNOLOGIA - ANDROIDS
Estes 22 apps detonam a bateria de milhões de Androids; veja a lista
BONITO - MS - NO JAPÃO - MMA
Bonitenses Sidy Rocha e a Edna Trakinas lutam neste domingo em Tokyo no Japão
BONITO - MS - AÇÕES DO GOVERNO DO MS
Governador entrega na terça-feira mais de R$ 36 milhões em obras em Bonito (MS)
DOR E TRISTEZA
Gabrielly começou a ser agredida por colegas após presentear professora, diz família