Menu
KAGIVA
quarta, 17 de outubro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Conheça a fórmula para medir a sensação térmica

6 Jul 2011 - 16h00Por Revista veja online

Os termômetros da cidade catarinense de Urubici chegaram a marcar - 6,2 graus Celsius nesta segunda-feira (4), e a previsão é que as mínimas continuem abaixo de zero por toda a semana. Frio, sem dúvida. Mas isso é o de menos: o que impressionou os moradores foi a combinação das baixas temperaturas com ventos de 60 a 70 quilômetros, que resultaram na sensação térmica de -27 graus Celsius, conforme o Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina (Ciram).

Para entender isso, é preciso saber que temperatura e sensação térmica são coisas diferentes. A temperatura é a medida da energia interna de um dado sistema. Isso depende da agitação de suas moléculas: quanto mais calor, maior a movimentação de átomos de um material e maior a temperatura. Já a sensação térmica se refere à percepção que uma pessoa tem da quantidade de calor que ela perde e ganha para o ambiente. É a temperatura virtual ou a combinação de temperatura e outros impactos da natureza sobre a nossa pele.

Uma camada limite de ar, ao redor do nosso corpo, funciona como uma espécie de micro colchão para nos proteger da temperatura ambiente. “É o que vai resguardar a pele na troca de calor, e que depende das características da pele de cada pessoa”, explica Rodrigo de Camargo, professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo. “O que é um arrepio? É justamente o que ocorre quando os pelos formam um ‘colchãozinho’ maior de ar para nos proteger do frio”.

O vento, neste sentido, é um fator crucial para determinar a sensação térmica de um ambiente. Em primeiro lugar, ele é capaz de quebrar a ‘camada limite’. Em outras palavras: o vento tira a armadura que protege o corpo do frio. Além disso, quanto mais rápido ele sopra, mais moléculas de ar são trazidas para entrar em contato com a pele.

Fórmula da sensação térmica

ST = 33 + ( 10 x √v + 10,45 – V) x (T – 33) / 22

Em que:

ST = Sensação térmica (graus Celsius)

V = Velocidade do vento (metros por segundo)

T = Temperatura (graus Celsius)

Equação do frio – Para entender melhor como a temperatura é percebida pelo nosso corpo, o cientista americano Paul Siple – cuja bagagem conta com seis expedições à Antártica realizadas na primeira metade do século 20 – submeteu pessoas a várias condições de temperatura e velocidade do vento. Também fez experiências com recipientes plásticos cheios de água. 

Ao determinar o tempo que a água demorava para congelar em diferentes circunstâncias, ele conseguiu estimar a quantidade de calor dissipada pela ação de elementos meteorológicos. Assim, desenvolveu uma equação que relaciona a perda de calor do corpo humano com a temperatura do ar e a velocidade do vento. “É um dado empírico, não é uma relação física”, explica Franco Villela, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). “Não é uma equação derivada por meio da teoria física, mas também evita a conotação tão pessoal à percepção que pessoas podem ter da temperatura do ambiente”. A fórmula da sensação térmica devidamente estudada e com parâmetros controlados é usada em todo o mundo e não leva em consideração a umidade.

A tabela disponibilizada no site do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) calcula que a sensação térmica diminui cerca de um grau Celsius cada vez que o vento chega a sete quilômetros por hora. Portanto, se a temperatura do ar está a 10 graus Celsius, mas os ventos estão a sete quilômetros por hora, a sensação térmica será de 9 graus e diminuirá conforme a velocidade dos ventos aumenta.

Equação do calor – Sim, a umidade influencia a percepção da temperatura ambiente porque a água, como a pele e outras moléculas, é capaz de conduzir energia. Quando o vento está úmido, a transferência de calor entre uma partícula do ar e a pele de uma pessoa pode ser maior. Em lugares secos, esta transferência é menor. Contudo, este fator não faz tanta diferença, exceto se for usado para avaliar o conforto térmico. “Imagine que você está em Manaus, suando demais (o suor ‘rouba’ calor do seu corpo para resfria-lo) até na sombra, porque o ar está completamente úmido”, diz Camargo. “Você não consegue fazer o seu suor evaporar”. Por esta razão, a umidade é fundamental quando se fala em temperaturas elevadas e o vento, capaz de diminuir a sensação térmica, traz alívio. “Se uma pessoa estiver com frio, o corpo não quer trocar calor com o ambiente, mas no calor ele quer e o vento faz isso”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

ENTRETENIMENTO
FAZENDA 10: Dívida de Perlla com ex-empresário ultrapassa R$ 1 milhão
A FAZENDA 10 - ENTRETENIMENTO
'Vaza' passado cabeludo de Fernanda Lacerda e Léo Stronda fora da Fazenda
A FAZENDA 10 - FOGO NO FENO
Mulher de Rafael Ilha detona Gabi Prado e dispara contra peoa: 'Deve sofrer de alguma doença'
RETA FINAL - NOVELA DA GLOBO
Beto confronta Karola: 'Você roubou a vida de outra mulher' em Segundo Sol
OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL
Temer recebeu R$ 5,9 mi em propinas do setor portuário, diz PF
BONITO - MS - RESULTADO DO CONCURSO
Confira os aprovados no concurso público da Câmara em BONITO (MS)
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Em quatro anos, governo de MS investe R$ 265 milhões em Corumbá
NA REGIÃO DE BONITO
Motorista morre após caminhão cair de serra na MS-382 na região de Bonito (MS)
ESPORTES
Sete atletas representam MS no Brasileiro de Futebol de Mesa
EDUCAÇÃO
Horário de verão vai começar no mesmo dia da primeira prova do Enem