Menu
KAGIVA
tera, 13 de novembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
Internacional - Egito

Confrontos continuam no Cairo e ao menos 14 morrreram nos últimos dias

Adel Adaui, afirmou que 201 pessoas ficaram feridas no domingo. A estimativa é de que mais de 500 pessoas tenham sofrido ferimentos nos últimos quatro dias.

19 Dez 2011 - 08h32Por Folha Online

O ministério egípcio da Saúde confirmou a morte de mais três manifestantes nesta segunda-feira durante os confrontos com as forças de segurança no centro de Cairo, elevando para ao menos 14 o saldo de mortos nos protestos dos últimos quatro dias.

Já de acordo com o médico Ahmed Saad, de um hospital próximo à praça Tahrir, epicentro dos confrontos, seis pessoas morreram nos atos de violências desta segunda-feira, todas por ferimentos com armas de fogo.

De acordo com a televisão egípcia, além de elevar o número de mortos desde sexta-feira, o subsecretário de Saúde, Adel Adaui, afirmou que 201 pessoas ficaram feridas no domingo. A estimativa é de que mais de 500 pessoas tenham sofrido ferimentos nos últimos quatro dias.

Os confrontos se intensificaram desde a última sexta-feira nas proximidades da praça Tahrir, próximo à sede do Conselho de Ministros e ao Parlamento, local que também foi o centro de protestos do levante popular que levou à queda do ex-ditador Hosni Mubarak, em fevereiro.

As forças de segurança têm reprimido com violência os protestos populares que pedem a transferência imediata do poder para um governo civil. Desde a queda de Mubarak, uma junta militar governa o país.

Uma fonte das equipes de segurança disse à agência Efe que os enfrentamentos entre manifestantes e a polícia continuaram nesta segunda-feira, e que a polícia contou com reforço de efetivos dos serviços da Segurança Central.

De acordo com a fonte, os participantes do protesto lançaram pedras contra os agentes de segurança. Entretanto, o ativista Saad Zaglul, presente no local, afirmou que a polícia militar e os membros da Segurança Central atacaram os manifestantes com pedras e balas de borracha.

Zaglul destacou que muitas pessoas se uniram ao protesto após verem as fotografias e vídeos da repressão contra os manifestantes.

"Nós pedimos a saída do Conselho Supremo das Forças Armadas e a entrega do poder aos civis", disse o ativista.

Os enfrentamentos, iniciados no último dia 16, continuaram durante toda a noite de domingo.

Os generais do governo classificaram os confrontos dos últimos dias como parte de uma "conspiração" contra o Egito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - PONTO FACULTATIVO
Prefeitura terá ponto facultativo nesta sexta-feira (16) em Bonito (MS)
CIDADES
Após 10 anos, mulher ganha direito de ter sobrenome de 2 mães já falecidas
ALERTA
Imunização contra febre amarela deve ser feita de forma antecipada
OPERAÇÕES DA PF NO ESTADO
De quarta a domingo, PRF reforça fiscalização nas rodovias do Estado
EDUCAÇÃO
MS terá Centro Nacional de Mídias para implantação do Novo Ensino Médio
CIDADES
Vencedores do XIII Prêmio de Gestão Pública serão conhecidos no dia 19
ECONOMIA
Bandeira tarifária de energia é amarela em novembro
BONITO - MS - BALNEÁRIO MUNICIPAL
Prefeitura renova permanência de quiosques no Balneário Municipal em Bonito (MS)
CIDADES
Advogada que defenderia traficante Jarvis Pavão é executada em cidade paraguaia na fronteira com MS
CIDADES
Briga por carrinho de compras em supermercado termina com homem perfurado por chave de carro em MS