Menu
KAGIVA
tera, 18 de setembro de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
Internacional - Egito

Confrontos continuam no Cairo e ao menos 14 morrreram nos últimos dias

Adel Adaui, afirmou que 201 pessoas ficaram feridas no domingo. A estimativa é de que mais de 500 pessoas tenham sofrido ferimentos nos últimos quatro dias.

19 Dez 2011 - 08h32Por Folha Online

O ministério egípcio da Saúde confirmou a morte de mais três manifestantes nesta segunda-feira durante os confrontos com as forças de segurança no centro de Cairo, elevando para ao menos 14 o saldo de mortos nos protestos dos últimos quatro dias.

Já de acordo com o médico Ahmed Saad, de um hospital próximo à praça Tahrir, epicentro dos confrontos, seis pessoas morreram nos atos de violências desta segunda-feira, todas por ferimentos com armas de fogo.

De acordo com a televisão egípcia, além de elevar o número de mortos desde sexta-feira, o subsecretário de Saúde, Adel Adaui, afirmou que 201 pessoas ficaram feridas no domingo. A estimativa é de que mais de 500 pessoas tenham sofrido ferimentos nos últimos quatro dias.

Os confrontos se intensificaram desde a última sexta-feira nas proximidades da praça Tahrir, próximo à sede do Conselho de Ministros e ao Parlamento, local que também foi o centro de protestos do levante popular que levou à queda do ex-ditador Hosni Mubarak, em fevereiro.

As forças de segurança têm reprimido com violência os protestos populares que pedem a transferência imediata do poder para um governo civil. Desde a queda de Mubarak, uma junta militar governa o país.

Uma fonte das equipes de segurança disse à agência Efe que os enfrentamentos entre manifestantes e a polícia continuaram nesta segunda-feira, e que a polícia contou com reforço de efetivos dos serviços da Segurança Central.

De acordo com a fonte, os participantes do protesto lançaram pedras contra os agentes de segurança. Entretanto, o ativista Saad Zaglul, presente no local, afirmou que a polícia militar e os membros da Segurança Central atacaram os manifestantes com pedras e balas de borracha.

Zaglul destacou que muitas pessoas se uniram ao protesto após verem as fotografias e vídeos da repressão contra os manifestantes.

"Nós pedimos a saída do Conselho Supremo das Forças Armadas e a entrega do poder aos civis", disse o ativista.

Os enfrentamentos, iniciados no último dia 16, continuaram durante toda a noite de domingo.

Os generais do governo classificaram os confrontos dos últimos dias como parte de uma "conspiração" contra o Egito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEDULA ÓSSEA
MS tem 2° maior cadastro de doadores de medula
CRUELDADE - POLÍCIA
Por mãe estar sem o celular, ladrão dá facada em bebê de 3 meses
R$ 10 MILHÕES
Multa máxima à MSVia não ultrapassa 3,5% da receita anual
PREFEITURA EM MS - OPORTUNIDADES
Prefeitura abre concurso público com mais de 300 vagas e salários de até R$ 6 mil em MS
ELEIÇÕES 2018
TRE-MS recebe 108 denúncias de infrações no período eleitoral
ELEIÇÕES 2018 - CANDIDATO AO GOVERNO DO MS
MPF manda Polícia Federal investigar Odilon de Oliveira, denunciado por crimes na 3ª Vara Federal
TECNOLOGIA
Anatel começa domingo bloqueio de celular irregular em MS e mais 11 estados
POLÍTICA
MPF reforça alerta sobre prisão por compra de voto e boca de urna
ENTRETENIMENTO
Dupla de MS projeta jogo inspirado em desenhos dos anos 1980
POLÍTICA
'Violência se combate com inteligência', diz Meirelles em visita a MS