Menu
KAGIVA
quarta, 23 de janeiro de 2019
ITALÍNEA DOURADOS
Busca
UNIPAR_PC

Concentração é a tendência entre universidades privadas

26 Set 2011 - 12h02Por Revista Veja online

A Anhanguera Educacional anunciou no início desta semana a aquisição da Universidade Bandeirante (Uniban) por 510 milhões de reais. É um episódio em que gigante engole gigante. O movimento no segmento de ensino superior privado do Brasil deve se manter nos próximos anos, acreditam analistas, a tal ponto que, em 2016, segundo a consultoria Hoper Educacional, apenas 12 grupos deverão abocanhar metade do mercado hoje estimado em 28 bilhões de reais ao ano – atualmente, 16 empresas respondem por 30%. Mais importante é que, segundo especialistas em educação, a tendência pode provocar o aprimoramento dessas instituições. Em outras palavras, a qualidade do ensino que elas oferecem pode melhorar.

Compras vultosas não são uma novidade no segmento. Desde 2007, quando importantes grupos abriram capital na bolsa de valores, aquisições vêm se somando: foram 162 operações. Nesse período, a Anhanguera multiplicou por quatro seu número de estudantes, chegando a mais de 400.000. A tendência para o futuro próximo é de concentração, apostam os analistas. "A Anhanguera já manifestou interesse em atingir a marca de 1 milhão de estudantes. Esse é um dos sinais de que o mercado deve continuar aquecido", diz Marcos Boscolo, sócio da consultoria KPMG. A Hoper estima que mais de 150 fusões ou aquisições deverão ocorrer até 2013. "A tendência é que haja negociações entre os grandes grupos", afirma Ryon Braga, da Hoper. "Antes, as empresas de pequeno e médio portes eram alvo dos grandes grupos. Agora, as grandes miram as grandes."

O Brasil conta atualmente com 2.069 instituições de ensino superior privado, que abrigam 74% do alunato do país. O ponto de mudança nesse setor foi o ano de 1996, quando foi sancionada a lei que permitia a abertura de universidades com fins lucrativos. Até então, elas se restringiam à filantropia, como é o caso Pontifícia Universidade Católica (PUC). Seguiu-se, então, a criação dos grandes grupos, como as Faculdades Pitágoras, do grupo Kroton, quinto maior do país. Essas instituições passaram a atender uma demanda até então reprimida por cursos de nível superior, já que nem de longe as universidades públicas cuidavam dessa necessidade. O setor privado respondeu: entre 2002 e 2009, ele ampliou sua oferta de vagas em 55%, ante um crescimento público de 17%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRÂNSITO
Acidente entre dois carros na MS-276 deixa mulher presa nas ferragens
BRASIL
Cápsula com césio-137 é achada em ferro velho de Alagoas
GERAL
PVA 2019: pagamento à vista ou primeira parcela vencem dia 31 de janeiro
BONITO - MS
Obras inicia trabalhos de recuperação da estrada da La Lima
LOTERIA
Mega-Sena vai sortear R$ 38 milhões na noite desta quarta-feira
MEIO AMBIENTE
Mais quente do país, MS teve 45ºC de sensação térmica em duas cidades
POLÍCIA
Brasil e Paraguai cercam traficantes em nova rota
PRESIDÊNCIA DO SENADO
Sem acordo, Simone e Renan vão para o enfrentamento
CIDADES
Com licença ambiental, Estado prioriza reinício da obra da MS-228 no Pantanal
TEMPO E TEMPERATURA
Quarta-feira de tempo firme na maior parte do MS; umidade do ar em estado de atenção