Menu
ITALÍNEA DOURADOS
sbado, 15 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC

Compra de motor velho com nota fria no interior pode deixar ex-prefeito inelegível

16 Jun 2011 - 13h46Por Midiamax/Hora da Notícia

O ex-prefeito Waldeli dos Santos Rosa poderá ter os direitos políticos suspensos por até dez anos. Uma ação declaratória de improbidade administrativa com reparação de danos tramita desde o ano 2002 e deve chegar à mesa do juiz da comarca de Costa Rica nos próximos dias para ser sentenciada.

De acordo com a ação movida pelo Ministério Público Estadual, o ex-prefeito adquiriu do funcionário da prefeitura, Hélio Belarmino, um motor Perkins "velho" no valor de R$ 3.500 e ainda utilizou de nota fiscal “fria”, ou seja, a empresa que emitiu a nota referente a aquisição do motor havia fechado no ano de 1999.

De acordo com a ação, Hélio queria vender o motor para a prefeitura, porém era preciso legalizar a aquisição, o município jamais poderia comprar o motor velho de um funcionário então a solução encontrada foi emitir nota fiscal através da extinta empresa Ferreira e Amaral Ltda ME, estabelecida na cidade de Paranaíba/MS.

O Ministério Público produziu provas e apurou que a empresa na época da emissão da nota fiscal já não encontrava mais em funcionamento e no endereço que constava da nota funcionava uma panificadora ao invés da empresa Ferreira e Amaral.

Waldeli é acusado pelo Ministério Público de ter comprado do funcionário público um motor velho e usando nota “fria” para legalizar o bem. De acordo com a ação depois de efetuada a venda para a prefeitura, Hélio providenciou para que o sócio da empresa Ferreira Amaral endossasse o cheque e em seguida repassou para o proprietário da empresa João Batista Alves - Auto Peças ME que efetuou o depósito do valor em sua conta corrente.

O prefeito pagou pelo motor no dia 03 de julho de 2002. No dia 20 de agosto de 2002, Mário Altivo Peres requereu ao Ministério Público a abertura da ação. Hélio que prestava serviços na Secretaria de Obras da Prefeitura pediu demissão do cargo de mecânico no dia 03 de outubro de 2003.

O promotor de justiça, Bolívar Luiz da Costa Vieira, deu parecer na ação no último dia 10 de maio e pediu a condenação do ex-prefeito Waldeli e dos outros envolvidos no artigo 12 da lei nº 8.429, lei de improbidade administrativa.

A lei estabelece perda da função pública para aqueles que exercerem cargo público, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, ressarcimento integral do valor, pagamento de multa, proibição de contratar com Poder Público e de receber incentivos fiscais.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - MEDIDAS TOMADAS
Governo de MS adota medidas de contenção de erosão para preservar os rios de Bonito
BONITO - MS - HOMENAGEADO
Gruta do Lago Azul era para dar tiro e fazer churrasco, conta guia pioneiro de Bonito (MS)
GOVERNO DO MS - CONQUISTA
Com 86% das metas cumpridas, Reinaldo se reúne com eleitos e traça projetos para 2019
BONITO - MS - RÉVEILLON 2019 -
Prefeitura divulga regulamento sobre as festividades do Réveillon 2019 em Bonito (MS)
CORPO ENCONTRADO EM RIO DE MS
Bombeiros localizam o corpo do homem que sumiu na pescaria em MS
BONITO - MS - NOVA DIRETORIA DA OAB
Nova diretoria da 23ª subseção da OAB de Bonito toma posse
RIO DA PRATA DE VOLTA
'Clareza' do Rio da Prata aparece e semana é marcada por audiência e clamor popular em Bonito (MS)
DUAS MORTES POR RAIOS NO MS
Tempestade surpreende e dois morrem atingidos por raios em MS
GOVERNO DO MS - EM 2019
No 2º mandato, Reinaldo vai doar metade do salário a entidades
BONITO - MS - TÁ NA CONTA
Prefeitura Municipal deposita 2ª parcela do 13º salário em Bonito (MS)