Menu
mutantes
quinta, 21 de maro de 2019
ASSOMASUL MARÇO
Busca
ITALÍNEA DOURADOS

Comissão do Senado aprova unificar eleições em 2018 e mantém reeleição

24 Jun 2011 - 10h04Por Folha.com

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou nesta quarta-feira a unificação das eleições gerais e municipais, que atualmente ocorrem em períodos diferentes, com dois anos de diferença. A comissão ainda decidiu manter a reeleição no país, assim como os mandatos de quatro anos para os cargos eletivos.

Pela proposta do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), as eleições serão unidas no ano de 2018. Em 2016, os prefeitos eleitos terão mandato de apenas dois anos para que, em 2018, haja a coincidência das eleições.

A comissão aprovou ainda a mudança na data da posse do presidente da República, governadores e prefeitos. Todos atualmente são empossados no dia 1º. de janeiro. A proposta aprovada institui as posses dos prefeitos no dia 5 de janeiro, dos governadores no dia 10 de janeiro e do presidente da República no dia 15 de janeiro.

"A data de 1º de janeiro tem inconvenientes que recomendam a sua modificação, a começar pelo fato de que o primeiro dia do ano é reconhecido como data que não estimula, mas, antes, inibe a participação de chefes de Estado e outras autoridades representativas dos diversos países", afirmou Renan.

As propostas são contrárias às aprovadas pela Comissão Especial do Senado que discutiu a reforma política. A comissão havia aprovado o fim da reeleição e o aumento dos mandatos eletivos para cinco anos. Na CCJ, apenas quatro senadores votaram a favor do fim da reeleição e ampliação dos mandatos.

Em defesa da reeleição, Renan disse que os benefícios da continuidade dos mandatos foram percebidos nos últimos anos na presidência da República, onde os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram reeleitos.

"Os casos de insucesso demonstram que as vantagens competitivas dos mandatários não são insuperáveis e que a legislação eleitoral dispõe de meios eficazes para prevenir o uso indevido da máquina pública em favor dos candidatos à reeleição à chefia do Poder Executivo", afirmou.

Contrário à reeleição, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) afirmou que o instrumento permite o uso da máquina pelo titular do cargo em benefício do seu novo mandato. "A máquina pública tem sido usada ostensiva, abusiva e arbitrariamente. Não temos um processo de arbitragem que seja célere e ocorra em tempo. Portanto, a reeleição possa vir a ser conveniente para o país quando alcançarmos um estágio mais avançado na vida pública brasileira."

As duas PECs (propostas de emendas constitucionais) seguem agora para análise do plenário do Senado. Como os parlamentares estão divididos sobre o tema, a expectativa é de um amplo debate sobre a reeleição e a ampliação dos mandatos. 

Deixe seu Comentário

Leia Também

ALERTA
Mesmo sem chuva, nível no Rio Miranda sobe e alerta é mantido
BONITO - MS - NA TRIBUNA
CORPO DE BOMBEIROS: Vereadora solicita ao Governo do estado o inicio da construção
CONTA DE LUZ
Conta de luz pode ter aumento de 15% a partir de abril em MS
POLÍCIA
Brasileira estuprada por policiais em prisão da Bolívia é colocada em liberdade
POLÍTICA
Filhos e vítimas de violência doméstica podem ter prioridade na matrícula escolar
POLÍTICA
Em MS, deputados petistas destacam possibilidade de defesa para Temer após prisão
EMPREGOS E CONCURSOS
Marinha abre concurso com 54 vagas e salários de até R$ 11 mil
BONITO - MS
Imasul inicia plano para explorar turismo no entorno da Gruta do Lago Azul em Bonito
ESPORTES
Representantes do MS brilham em seletivas de Jiu-Jitsu e Judô
GERAL
Ampliação de linhões de energia em MS vai favorecer atração de indústrias