Menu
ITALÍNEA DOURADOS
segunda, 20 de agosto de 2018
KAGIVA
Busca

Com doença pouco conhecida, celíacos querem conscientizar população de MS

14 Mai 2011 - 14h23Por Midiamax - Eliane de Souza

Kelle Caroline Dias descobriu que a filha de nove meses de vida era portadora de uma doença pouco conhecida. Antes do diagnóstico, a mãe tentou solucionar o problema desconhecido com troca do leite em pó servido nas mamadas, mas de nada adiantou até que uma noite enquanto ela e o marido jantavam em uma pizzaria tiveram que ir às pressas para um pronto socorro infantil. A menina ficou com intestino preso ao ponto de sofrer de hemorróidas. Naquela noite descobriram a doença celíaca no bebê, que hoje tem 11 meses.

A história da família de Kelle é parecida com a de milhares de pessoas no mundo, que também descobriram precocemente a doença celíaca, que é uma intolerância aos alimentos com glúten (contido no trigo, cevada, aveia e centeio). Existem também casos de aparecimento em adultos.

“A médica explicou pra nós que tem paciente que prende o intestino, mas outros acabam tendo muita diarréia, por isso os pais acabam confundindo com infecção intestinal ou outra doencinha de criança”, diz Kelle que solucionou o problema da filha com a troca do leite por um sem gluten na composição.

O presidente da Associação dos Celíacos do Brasil- Seção Mato Grosso do Sul (AcelbraMS), Valdir Villa Nova destaca que os celíacos podem ter uma vida normal como toda pessoa com saúde, desde que respeitando a dieta de não comer alimentos com gluten. Ele tem um filho de 27 anos que há 25 convive com a doença. “Na fase adulta já é mais fácil a dieta. O difícil é quando criança”, diz.

O filho de Valdir, Wellington Villa Nova, é formado em engenharia civil pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, O pai conta que na descoberta da doença, aos dois anos de idade, foi preciso uma dieta alimentar que envolveu toda família, o que é bastante comum.

Na fase adulta foi mais fácil lidar com a situação, inclusive pela quantidade de alimentos que podem substituir os com glúten. “A indústria evoluiu bastante e até os preço diminuíram um poço. Antes um pacote de macarrão tinha um preço absurdo. Hoje se encontra mais opções de marcas com preços entre 15% e 20% mais caros que os ditos convencionais”, diz.

Panfletagem

Na manhã deste sábado, celíacos e familiares vão distribuir panfletos na Praça Ary Coelho, a partir das 8h, em Campo Grande. O material explica sobre a doença, sintomas, diagnóstico e dieta. O objetivo é despertar outras famílias sobre a possibilidade de ter um ente com a doença. Além disso, vão mostrar que existe uma entidade, a AcelbraMS capaz de orientá-los.

Macarronada

Neste domingo, 15, a Acelbrams promove a quarta macarronada da entidade. A finalidade é angariar recursos para os projetos sociais da entidade e assistência às famílias com celíacos. O evento acontece no Barracão dos Amigos, que fica na Rua Hermenegildo Pereira, 433, esquina com Marechal Floriano, Vila Bandeirantes.

O convite individual custa R$ 12,00 e os participantes precisam levar pratos e talheres. O macarrão servido é feito a base de arroz, com molhos tradicionais. Informações: 9958-5631, com Valdir Villa Nova.

Perguntas frequentes

Embora a doença celíaca seja reconhecida desde o século XI, foi somente em 1888 que Samuel Gee, um pesquisador inglês, a descreveu em detalhes e achou que as farinhas poderiam ser as causadoras da moléstia.

Em 1950, Dicke, um pediatra holandês, observou que durante a guerra, quando o pão esteve escasso na Europa, diminuíram os casos de doença celíaca. Três anos depois ele conseguiu comprovar sua teoria, deixando claro o papel do glúten (contido no trigo, cevada, aveia e centeio) na provocação da doença

O que é?

É uma intolerância permanente (por toda a vida) ao glúten, que se manifesta em algumas pessoas, crianças ou adultos, com predisposição genética. Ocorre uma grave alteração no intestino delgado que impede a absorção dos alimentos.

Quando aparece?

Pode surgir na infância, geralmente durante o primeiro ao terceiro ano de vida, ou manifestar-se em qualquer idade, inclusive no adulto.

Como se manifesta?

Os sintomas mais comuns são diarréia, emagrecimento e parada do crescimento, mas em algumas crianças podem ocorrer vômitos, anemia que não cura com tratamento, ou até mesmo "prisão de ventre", sempre associados à baixa estatura. A criança fica irritada, sem apetite, com o abdome distendido e bastante emagrecida, com sobras de pele, principalmente nas nádegas. O adolescente costuma ter pouco ou nenhum sintoma.

O que é o "glúten"? É uma proteína que está contida no trigo, aveia, cevada e centeio e todos os alimentos fabricados com esses cereais. A sua fração mais tóxica para o celíaco é a gliadina.

Como se trata a doença celíaca?

O único tratamento é a dieta, pelo resto da vida. O glúten não pode ser mais consumido pelo paciente, criança ou adulto. Qualquer quantidade é prejudicial, mesmo que seja "um pedacinho" de pão.

Quando se inicia a dieta isenta de glúten a melhora é rapidamente notada. Em poucas semanas ou dias, aumenta o apetite da criança, pára a diarréia e ela engorda e muda o humor. A aceleração do crescimento é mais lenta e só se nota após 2 ou 3 meses. O intestino se recupera completamente. (Fonte: www.acelbrams.org.br).

Deixe seu Comentário

Leia Também

PROPAGANDA ANTECIPADA
Juiz rejeita recurso e mantém multa de R$ 31,5 mil a Odilon por uso de outdoors
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Em 4 anos, Governo Reinaldo entrega mais pontes de concreto do que em toda história do Estado do MS
BONITO - MS
Jogos Escolares 2018 terão início nesta segunda-feira, dia 20 em Bonito
EM MIRANDA - MS - CASO DE POLÍCIA
Donos de casa noturna são presos por estupro coletivo de adolescente em Miranda
STOCK CAR
Vítima atropelada na Stock Car Light permanece no CTI
TJMS
Tribunal de Justiça triplica valor do "auxílio saúde" para juízes e desembargadores
ECONOMIA
Tesouro pagou em julho R$ 602,43 milhões em dívidas de estados
EDUCAÇÃO
Começam hoje inscrições para bolsas remanescentes do ProUni
JUSTIÇA
Ministras do STF conclamam mulheres a buscar igualdade pelo voto
ESTUDANTE DE MEDICINA NO PARAGUAI
Estudante de medicina foi morta com mais de 16 facadas na fronteira; namorado é principal suspeito