Menu
ITALÍNEA DOURADOS
quarta, 18 de julho de 2018
KAGIVA
Busca

Chuva em excesso fará safra de MS ser 1 das piores dos últimos 10 anos

11 Mar 2011 - 09h37Por Campo Grande News

A Famasul (Federação da Agricultura de Mato Grosso do Sul) está orientando os produtores rurais do Estado a fazerem laudos técnicos sobre as perdas nas lavouras de soja provocadas pelas chuvas, já com vistas a um pedido de prorrogação do prazo de pagamento dos financiamentos contraídos para o cultivo da safra. A produção, que seria recorde, deve ser uma das piores da década, com as perdas provocadas por tantos dias chuvosos, que impediram a colheita.

A previsão anterior era colher 5,4 milhões de toneladas, mas, segundo estimativa do assessor técnico da Famasul, Lucas Galvan, o resultado esperado, agora, é pelo menos 30% menor. Ou seja, o estado deve colher 4 milhões de toneladas de soja, retrocedendo a patamares de 4 a 5 anos atrás.

Em termos de valores, o prejuízo estimado beira R$ 1 bilhão, considerando o que investido para cultivar as lavouras, a maioria expressiva dinheiro vindo dos financiamentos bancários, com destaque para o maior financiador da atividade agrícola, o Banco do Brasil.

É por causa dessa dívida contraída que a Famasul está orientando a confecção de laudos sobre as perdas. “O produtor pode fazer laudos individuais ou coletivos, desde que seja de uma assistência técnica, de engenheiro agrônomo”, explica Galvan.

Em São Gabriel do Oeste, já foi feito um laudo coletivo, que subsidiou a decretação de estado de emergência. A cidade calculou perda de 60% da safra da soja. Dos 40% restantes, ainda falta colher mais de 15%.

De acordo com o assessor técnico da Famasul, a região norte do Estado foi a mais prejudicada com relação às perdas na safra. Mas nem por isso a região sul, grande plantadora, vai ter colher a safra recorde esperada. Em muncípios como Maracaju, as perdas são calculadas em 40% a 50%.

Perdas duplas-Além da área perdida, onde o grão aprodeceu no campo, os produtores também vão perder na qualidade da soja colhida. “Isso vai fazer com que recebem menos na hora de concretizar a venda”, explica Galvan.

Não há nem a expectativa de que, com menos soja no mercado, os preços possam melhorar para alguns. É que isso só aconteceria se houvesse uma quedra de safra em todo o País, ou mesmo no mercado internacional, o que não está previsto.

Este ano, a cotação do grão está em média, mais de 40% acima da safra passada. Esse aumento estava gerando uma expectativa bastante para os sojilcutores do Estado de ter um positivo, o que, agora, aumenta ainda mais o sentimento de frustração.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
TSE vai fiscalizar uso de dinheiro vivo nas eleições
SAÚDE
Pacientes do SUS vão receber notificações de consulta pelo celular
BONITO - MS - AÇÃO DA PMA
PMA autua fazendeiro em R$ 47 mil por desmatamento ilegal de cinco áreas nativas em Bonito
BONITO - MS - DETERMINAÇÃO DA JUSTIÇA
Justiça determina paralisação do loteamento Rio Mimoso em Bonito (MS)
BONITO - MS
Licença para poda ou retirada de árvores é obrigatória
BONITO - MS
Obras do Corpo de Bombeiros devem começar em setembro em Bonito
BONITO - MS
Confira a programação completa do Festival de Inverno de Bonito 2018
BONITO - MS
Agehab e prefeitura entregam Residencial Lago Azul/Etapa I em Bonito
PANTANAL
Cheia recua e parte do gado volta às áreas altas até o fim deste mês
EDUCAÇÃO
IFMS divulga resultado de seleção com 71 vagas para cursos de graduação