Menu
KAGIVA
domingo, 19 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

China reduz velocidade do seu trem-bala por custos e segurança

15 Abr 2011 - 16h06

A China, dona de 31% dos trens de alta velocidade em operação, em construção ou em planejamento no mundo, vai reduzir a velocidade do trem-bala a fim de torná-lo mais seguro e mais barato.

A velocidade comercial de 350 km/h será baixada para 300 km/h a partir de julho.

"Isso oferecerá mais segurança. Ao mesmo tempo, permitirá uma variação maior no preço das passagens segundo princípios de mercado", explicou o ministro das ferrovias, Sheng Guangzu.

A decisão chinesa está diretamente relacionada a um debate que ocorre no trem-bala planejado para ligar Campinas, São Paulo e Rio. O leilão da obra está marcado para julho, anteontem o Senado aprovou a criação de uma estatal para o trem-bala.

O projeto brasileiro prevê velocidades acima de 300 km/h. A meta do governo federal é ter uma conexão entre São Paulo e Rio de Janeiro em até 93 minutos.

Mas há quem defenda que a prioridade deveria ser construir trens com velocidade mais baixa, o que tende a torná-los mais baratos. É o caso da empresa francesa Alstom, uma das interessadas em participar da disputa.

Já o governo paulista iniciou estudos para avaliar a implantação de trens rápidos a partir dos quais poderá haver conexões entre a capital paulista e cidades como Campinas, São José dos Campos, Sorocaba e Santos.

A ideia é usar trens com velocidade entre 160 km/h a 180 km/h. São considerados trens de alta velocidade apenas os que operam acima de 250 km/h.

O governo de São Paulo avalia que o trecho entre a capital e Campinas, por exemplo, poderia receber composições com velocidade menor, o que baratearia a obra.

O trem-bala brasileiro está oficialmente orçado em R$ 33,1 bilhões. Já a China tem planos de investir, só neste ano, US$ 106 bilhões (R$ 168 bilhões) em ferrovias.

CUSTOS

Segundo explicou um executivo do setor ao jornal "The Wall Street Journal", um trem acima de 330 km/h exige motores maiores e consome mais eletricidade, além de elevar muito os gastos com manutenção e conserto.

"Eles [o governo chinês] não deveriam estar construindo tanto trem de alta velocidade", afirma Zhao Jian, da Universidade Jiaotong, de Pequim. "Mas é uma boa decisão baixar a velocidade."

Para o consultor Plínio Assmann, ex-presidente do Metrô, velocidades menores "não significam aumento de segurança". A decisão da China, diz ele, "pode ter sido tomada para ajustar uma questão comercial em determinado trecho".

O consórcio que vencer o leilão no Brasil terá de ofertar um sistema competitivo e a redução da velocidade torna o trem-bala menos atrativo em relação ao avião.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADES NO MS
Governo de MS tem quatro concursos com 2,3 mil cargos ainda em 2018
NOVA FRENTE FRIA - VEJA A PREVISÃO
Nova frente fria chega a Mato Grosso do Sul e mínima será de 6ºC
AÇÕES DO GOVENO DO MS
Governador afirma que pavimentação asfáltica da MS-223 começa nos próximos dias em Costa Rica
INELEGÍVEL
Procuradoria pede impugnação de candidatura do Zeca do PT
BONITO - MS - INAUGURAÇÃO
HOJE tem inauguração do Santo Rock Bar, caipirinha FREE para mulheres até meia-noite em Bonito (MS)
POLÍTICA
Parecer do TRE-MS dá aval para cassar vereadora Cida Amaral
MEIO AMBIENTE
Em fase final, projeto visa recuperar o Taquari com manejo correto do solo
BONITO - MS - AÇÕES NO ÁGUAS DO MIRANDA
BONITO (MS): Obras realiza serviços de revitalização no distrito Águas do Miranda
BONITO - MS
Almoço beneficente em prol do Instituto Visão de Vida acontecerá neste sábado em Bonito
CASO MAYARA
Acusado de matar a musicista Mayara Amaral diz que estava 'possuído'