Menu
BONITO_PREFEITURA_FEVEREIRO_2019
quinta, 21 de fevereiro de 2019
mutantes
Busca
ITALÍNEA DOURADOS
Mudando de vida

Chamados de loucos pelos amigos, eles trocaram o mundo por um negócio em Bonito

1 Ago 2011 - 08h16Por Correio do Estado

  "Vocês são loucos de ir para o Brasil", disseram os amigos da portuguesa Ana Maria Silvestre, 49, e do belga Didier Jacob, 48, quando souberam que eles venderiam tudo para abrir uma pousada em Bonito, capital turística de Mato Grosso do Sul, em 2007.

 Hoje, a família de Ana, que mora na cidade portuguesa de Cintra, lamenta não ter vindo junto. "Eles falam ‘aqui tá péssimo’, como vocês fizeram certo de ter ido", conta a empresária, às gargalhadas.

A cidade paradisíaca, que bateu recorde de turistas no ano passado (180 mil), tem ímã para estrangeiros em busca de tranquilidade — na vida e nos negócios. O alemão Frank Stolzenberg, 57, deixou a vida de recém-aposentado na Escócia, onde trabalhou como geólogo numa multinacional, para curtir a rotina da cidade de 19,5 mil habitantes.

No começo ele teve "arrepios", admite, por causa do tamanho do lugar, mas hoje sente-se brasileiro. "Ando mais devagar e minha pele está mais escura, por causa do sol. Fui para a Alemanha, nesse ano, e achavam que era um brasileiro que falava muito bem alemão", conta o dono de pousada, rindo à brasileira. "A vida aqui é do lado de fora, não dentro, como na Europa", compara.

Bonito atrai também brasileiros como o gaúcho Alex Furtado. Dono de uma agência de turismo e investidor de hotéis, ele viveu em alto mar por dez anos, época em que escreveu sobre viagens para a edição brasileira da Playboy. Enjoado da solidão, e com mais conhecimento em selva do que em gestão (ele viajou dois anos e meio pela América do Sul, num jeep), Alex decidiu aventurar-se no que hoje é a maior agência de turismo da cidade, a Ar.

O negócio cresce 50% e ele não quer mudar de vida. Não ficou milionário, mas pode manter as portas abertas 24 horas, sem medo de assalto, e criar o filho com tranquilidade. "Bonito é um lugar para ser, não para ter", filosofa.

Ana e Didier sentem-se à vontade na Pousada Moinho dos Ventos, comprada de um holandês. O lugar, no pé da Serra da Bodoquena, é amplo, arborizado e tem, claro, uma réplica, em miniatura, de um típico moinho da Holanda. O jardim tem atenção especial de Didier, que é tão brasileiro quanto a caipirinha — embora sua bebida preferida sejo o licor Ricard, trazido da França.

Quando esteve no Brasil pela 1ª vez, em 2007, o belga, ex-dono de marcenaria, chorou para não voltar. Um dos motivos das lágrimas: o estilo light de vida por aqui. "Na Bélgica eu trabalhava 12 horas por dia, cansou", compara Didier. O sotque entrega  colonização francesa da Bélgica.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GESTÃO PÚBLICA
Reinaldo Azambuja fala sobre desafios da nova gestão em entrevista à GloboNews
BONITO - MS - CONGRESSOS DE NETWORKING
Bonito (MS) receberá pelo menos 10 mil visitantes na baixa temporada em busca de networking em 2019
AGORA DEU MEDO
PMA captura cascavel de 1,3 metros em residência na Capital
GERAL
Em MS, 38 radares voltam a operar na BR-163 a partir da próxima semana
TEMPO E TEMPERATURA
Alerta: 24 cidades de MS estão com aviso de tempestade de perigo potencial
BONITO - MS - POLÍCIA
Vítima de 'estupro virtual' volta para casa e retoma rotina na escola em Bonito (MS)
GERAL
Sistema do Detran-MS continua fora do ar nesta quarta-feira
GERAL
Gabaritos do Enade 2018 já estão disponíveis no site do Inep
COTA ZERO
Deputados pedem que caça do jacaré seja liberada
POLÍCIA
Homem é preso, suspeito de exploração sexual de criança