Menu
KAGIVA
quinta, 16 de agosto de 2018
ITALÍNEA DOURADOS
Busca

Cesta básica familiar apresenta recuo de 1,12%

6 Jul 2011 - 12h14Por Correio do Estado

O custo da Cesta Básica Alimentar Familiar, composta por um painel fixo de produtos, que deve preencher as necessidades para higiene, limpeza e alimentação de uma família registrou queda de 1,12% no mês de junho. Os dados são da pesquisa mensal da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, e da Ciência e Tecnologia (Semad).

São pesquisados 32 produtos de alimentação, 05 produtos de higiene pessoal e 07 produtos de limpeza doméstica, selecionados através de hábitos de consumo e suas respectivas quantidades, essenciais à sobrevivência adequada.

No mês de junho, o custo da Cesta Básica Familiar registrou a importância de R$ 1.092,59. No levantamento anterior, foi de R$ 1.105,01. Quanto à variação acumulada nos últimos doze meses registrou alta de 8,91% e no ano 5,07%.

Dentre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 20 apresentaram alta, 21 apresentaram queda de preço, e 03 produtos registraram preço inalterado.

No grupo Alimentação (32 produtos), a pesquisa constatou a queda de 1,25% com os principais produtos em queda: laranja 17,10%; cenoura 17,04%; batata 10,74%; alface 8,29%; mamão 6,50%; açúcar 4,60%; óleo 3,27%; fubá 2,95%; couve 2,70%; café 2,07%; ovos 1,87%; banana 1,47%; carne 1,16% e sal 0,93%. Os produtos em alta foram: tomate 14,71%; alho 6,99%; feijão 5,43%; abobrinha 5,31%; cebola 4,09%; pão 3,11%; margarina 2,50% e queijo 2,49%. Os produtos que não registraram alteração de preços foram: doces, farinha de trigo e peixe.

Bons fatores climáticos no período contribuíram para a produtividade das lavouras de cenoura 17,04% e alface 8,29% registrando queda de preço.

Com o aumento da área plantada do mamão o volume desta safra foi maior, assinalando queda de preço 6,50%.

O alho 6,99% e a abobrinha 5,31% encontram-se no período de entressafra com menores estoques no mercado nacional elevando seus preços.

O Grupo Higiene Pessoal (05 produtos) registrou uma variação positiva de 0,87%. Os produtos que colaboraram para esta alta foram: lâmina de barbear 1,82%; sabonete 1,49%, dentifrício 1,43% e papel higiênico 0,95%. O produto que reduziu de preço foi: absorvente 1,10%.

Grupo Limpeza Doméstica (07 produtos) assinalou uma alta de 0,42%, destacando os seguintes produtos: esponja de (aço) 2,96%, cera em pasta 1,56% e sabão em barra 1,37%. Os produtos que registraram queda foram: detergente 2,06%, desinfetante 0,92%, água sanitária 0,60% e sabão (pó) 0,59%.


Individual
 Já a cesta individual em Campo Grande registrou em junho um decréscimo de 2,48% em relação ao mês anterior. A pesquisa realizada pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente, do Planejamento, e da Ciência e Tecnologia revela que o custo ficou em R$ 250,54, enquanto em maio foi de R$ 256,92.

O levantamento mostra que dos 15 produtos que compõem a Cesta Básica Alimentar, oito registraram queda: laranja, 17,09%; batata, 10,77%; alface, 8,30%; açúcar, 4,53%; óleo, 3,27%; banana, 1,45%; carne, 1,16%; e arroz, 0,81%. Os produtos que acusaram alta de preço foram: tomate, 14,76%; feijão, 5,48%; pão, 3,15%; margarina, 2,43 %; leite, 0,54%; e macarrão, 0,54%. O sal manteve seu preço inalterado.

Análise

Com o aumento do volume no mercado interno da oferta da laranja devido à boa safra paulista, foi registrada queda de preço de 17,09%. As regiões produtoras de batata estão no período de colheita, com volume elevado diminuindo seu preço no equivalente a 10,77%.

O clima desfavorável para as lavouras de tomate ocasionou perda de produção o que elevou o preço 14,76%. Devido ao estoque menor do feijão no mercado nacional no período pesquisado, houve aumentou de preço de 5,48% em relação ao mês anterior.

Semestre

As variações acumuladas registraram percentuais positivos. Nos últimos 12 meses, o acréscimo equivale a 1,46%; e neste ano, a 4,85%.

Nos últimos seis meses, os produtos que apresentaram maiores quedas foram: feijão, arroz, laranja, banana e carne. As maiores altas ficaram por conta do tomate, alface, batata, margarina e macarrão.

Quanto à renda mensal, a pesquisa constatou que o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 545,00 precisou comprometer 45,97% do seu salário em junho para aquisição da Cesta Alimentar; esse comprometimento representava no mês anterior 47,14%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - ATENÇÃO MÃES
Dia 'D' contra poliomielite e sarampo será neste sábado em Bonito (MS)
BONITO - MS - NAS ESTRADA VICINAIS
Agesul e prefeitura recuperam 120 Km de estradas vicinais em Bonito (MS)
BONITO - MS
Incêndio de grandes proporções destrói imóvel do Instituto Internacional Visão de Vida de Bonito
ELEIÇOES 2018 NO ESTADO
Renúncia de Chaves abre crise e tensão na campanha de Odilon
COMPORTAMENTO
Colégio Militar pula página com foto de gays para não falar de homossexualidade
CULTURA
Aniversário de 100 anos da Morada dos Baís terá concerto, espetáculo e memórias
ESPORTE
Lutador de MS é convocado para Mundial em outubro na Turquia
POLÍTICA
Com fim da hegemonia da TV, internet pode ser decisiva nestas eleições
POLÍTICA
TSE registra mais de 23 mil candidatos às eleições de outubro
MEIO AMBIENTE - JARDIM E BONITO
A condenação do rio da Prata, essencial para a biodiversidade em Jardim e Bonito (MS)