Menu
ITALÍNEA DOURADOS
tera, 16 de outubro de 2018
KAGIVA
Busca

Centros de dados consomem menos energia do que o esperado

4 Out 2011 - 12h18Por Folha.com

A sede incontível de eletricidade pelos centros de dados foi reduzida pela recessão global e por uma combinação de novas tecnologias que poupam energia, segundo um relatório independente sobre o consumo de energia por centros de dados entre 2005 e 2010.

O relatório, elaborado por Jonathan G. Koomey, um professor no departamento de engenharia ambiental e civil da Universidade Stanford, na Califórnia, concluiu que o número de servidores de computadores diminuiu significativamente, comparado com as previsões de 2010, por causa da redução da demanda por computação, da crise financeira de 2008 e do surgimento de tecnologia como chips de computador mais eficientes e virtualização de servidores, que permitem que menos máquinas rodem mais programas.

A desaceleração do crescimento do consumo contraria uma previsão de 2007 da EPA (Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos) de que a expansão explosiva da internet e a informatização da sociedade levariam à duplicação da energia consumida por centros de dados entre 2005 e 2010.

No novo estudo, preparado a pedido de "The New York Times", Koomey descobriu que a eletricidade usada pelos centros de dados em todo o mundo cresceu significativamente, mas foi um aumento de apenas 56% de 2005 a 2010. Nos EUA, o consumo de energia aumentou 36%, segundo o relatório de Koomey, intitulado "Crescimento no Uso de Energia em Centros de Dados de 2005 a 2010".

"Principalmente por causa da recessão, mas também de algumas mudanças no modo como essas instalações são projetadas e operadas, o consumo de eletricidade nos centros de dados é claramente muito menor do que se esperava, e esse é realmente o fato principal", disse Koomey.

A redução do consumo é surpreendente porque os centros de dados, edifícios que abrigam uma série de computadores, tornaram-se centrais para a vida moderna. Eles são usados para processar e-mails, realizar pesquisas na web e tratar de transações on-line.

O relatório da EPA em 2007 estimava que o consumo de energia por servidores de computadores e centros de dados quase duplicaria entre 2005 e 2010, atingindo 100 bilhões de quilowatts-hora de energia, a um custo anual de US$ 7,4 bilhões. Ele previa que a demanda de energia desses centros nos EUA aumentaria de 7 gigawatts, ou a produção de cerca de 15 grandes usinas elétricas, para 12 gigawatts até 2011, ou 25 usinas.

"Os números fazem sentido", disse Kenneth Brill, fundador do Instituto Uptime, um grupo de consultoria da indústria baseado no Novo México. "Mas eles não devem ser considerados indicadores de que o problema terminou. Certamente existe um consumo maior de energia, e isso deve ser uma preocupação para todos."

O Google revelou recentemente que usa eletricidade suficiente para abastecer 200 mil residências. Toda vez que uma pessoa faz uma pesquisa no Google, assiste a um vídeo no YouTube ou envia uma mensagem pelo Gmail, os centros de dados da companhia usam eletricidade. Esses centros consomem quase 260 milhões de watts --cerca de um quarto da produção de uma usina nuclear.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BRIGA INTERNA EM PLENA CAMPANHA
Conselho de Ética do PDT pede 'cabeça' de Odilon por apoio a Bolsonaro
BONITO - MS - OBRAS E MELHORIAS
BONITO: Agesul e prefeitura concluem revitalização de mais de 70 KM da estrada vicinal da La Lima
ELEIÇÕES PARA PRESIDENTE
Bolsonaro lidera em 4 regiões; Haddad está na frente no Nordeste, VEJA OS GRÁFICOS
LUTO NA TV
Aos 78 anos, morre o jornalista Gil Gomes
TRAGÉDIA
Menina de 2 anos é atropelada na garagem de casa quando mãe dava ré no carro, em Campo Grande
APOIO À REINADO AZAMBUJA
Deputado do MDB reúne prefeitos, vereadores e lideranças de MS em apoio à Reinaldo Azambuja
BONITO - MS
Conhecimento e muita diversão marcaram o 7° Acampamento do Instituto Mirim Ambiental de Bonito
DESAPARECEU
Servidora pública com depressão desaparece e preocupa família
PESQUISA IBOPE PARA PRESIDENTE
IBOPE: Para presidente, votos válidos: Bolsonaro, 59%; Haddad, 41%
BONITO - MS - RIO MIRANDA
Em Bonito, Rio Miranda volta ao nível normal e Defesa Civil monitora as regiões mais afetadas