Menu
ITALÍNEA DOURADOS
segunda, 17 de dezembro de 2018
KAGIVA
Busca
UNIPAR_PC

Células-tronco do útero podem servir para tratar diabetes

16 Set 2011 - 09h43Por Revista Veja online

As células-tronco da mucosa interna do útero podem se tornar uma opção para o tratamento do diabetes. É o que aponta um estudo da Escola de Medicina da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, publicado no periódico científico Molecular Therapy. De acordo com o texto, os pesquisadores conseguiram tratar camundongos diabéticos usando células-tronco do útero, após modificá-las para células produtoras de insulina.

O endométrio ou mucosa uterina é uma fonte de células-tronco adultas. Essas células geram tecido uterino todos os meses, como parte do ciclo normal da menstruação. Assim como outras células-tronco, no entanto, elas têm a capacidade de se diferenciar em outros tipos de células do corpo.

As descobertas da equipe de Yale sugerem que as células-tronco do endométrio possam ser usadas também para formar células produtoras de insulinas, que são encontradas nas ilhotas de Langerhans, localizadas no pâncreas. Essas ilhotas formadas pelas células-tronco do útero poderiam, então, serem usadas para acelerar os estudos sobre o transplante de ilhotas, uma possível terapia para tratar pacientes com diabetes.

Em laboratório – Coordenada por Hugh S. Taylor, professor da Universidade de Yale, a equipe de pesquisadores banhou as células-tronco do endométrio em culturas com nutrientes especiais e fatores de crescimento. Em resposta a essas substâncias, as células adotaram características do tipo de células do pâncreas que produzem insulina. Durante as três semanas de incubação, as células-tronco do endométrio se diferenciaram nas células do pâncreas produtoras de proteína e insulina.

Depois de uma refeição, o organismo quebra o alimento em componentes menores, como a glicose, que entra em circulação no sangue. Em resposta, as células do pâncreas liberam insulina, que metaboliza a glicose. No estudo, Taylor inseriu as células-tronco diferenciadas em produtoras de insulina em um grupo de camundongos que tinham deficiência na produção de insulina e altos índices de açúcar no sangue.

Os camundongos que não receberam as células-tronco continuaram com altos índices de açúcar no sangue, desenvolveram catarata e ficaram letárgicos. Por outro lado, aqueles que receberam as células ficaram mais ativos e não tiveram catarata, mas as taxas de açúcar no sangue continuaram altas.

Segundo os pesquisadores, o próximo passa da pesquisa será identificar por quanto tempo esse tratamento consegue se manter eficaz. “Iremos ainda investigar como a mudanças no processo de diferenciação poderiam fazer esse tratamento mais eficaz”, diz Taylor. De acordo com o especialista, essa terapia pode se tornar mais útil para pacientes com diabetes tipo 1, na qual o sistema imunológico destrói as células produtoras de insulina do corpo.”

Deixe seu Comentário

Leia Também

BONITO - MS - TENTATIVA DE SUICÍDIO
Jovem sobe em torre de telefonia para tentar suicídio, PM resgata antes em Bonito (MS)
CIDADES
Motorista com destino a SP perde controle da direção e tomba carreta carregada de celulose na BR-158
CIDADES
Na saída de boate, mulher aponta arma na cabeça de vítima e foge após roubar pertences em MS
MEIO AMBIENTE
Fique atento! Certas árvores podem oferecer riscos para pessoas e animais
OPORTUNIDADES
MS tem 5 concursos abertos e salários de até R$ 9,4 mil nesta semana
GERAL
Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
ECONOMIA
Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
TEMPO E TEMPERATURA
Segunda-feira de céu parcialmente nublado e temperaturas de até 39º
"SÓ TENHO ELE" - DIZ CATADOR
MS: Catador que criou Batfusca com restos de lixo põe carro à venda por não conseguir manter família
MARACAJU - CHUVA COM DESTRUIÇÃO
Chuva rápida derruba árvores e deixa casas sem energia em Maracaju